top of page

Cronógrafo | Levrette | Monopulsante | Prata | 1900

Atualizado: 26 de out. de 2022

Série: GRANDES COMPLICAÇÕES

 

Por: Sílvio Pereira

 


Ficha Técnica


- Relógio de Bolso tipo Lepine. Cronógrafo. Datado de 1900

- Funções: Horas, minutos e cronógrafo

- Número de Série: 238395

- Manufactura: Levrette

- País - França

- Calibre: Formato Pontes clássicas. Nº 1300712

- Protecção do movimento: Guarda pó em prata.

- Tipo de Escape: Âncora Suíça

- Balanço: Bimetálico termo-compensado, com espiral plana

- Reserva de Marcha: 36 horas

- Frequência: 18000 A/h

- Rubis: 23

- Material da caixa: Prata

- Mostrador: esmalte sem imperfeições ou cabelos

- Pequenos segundos: Não tem

- Cronógrafo: Ponteiro central. Sistema monopulsante acionado por botão na corroa

- Diâmetro da caixa: 52,4mm

- Espessura: 14,7mm

- Peso: 86,59g

- A mola real é accionada através de coroa às 12 horas.

- Ponteiros: Horas e minutos estilo Luís XV. Accionados pela coroa

- Numerais: Romanos para as horas de 1 a 12 e arábicos para as de 13 a 24. Segundos: Arábicos para os intervalos de cinco e indexes para os restantes.

- Vidro: Em óptimo estado.

- Numeração da tampa de caixa: 238395


Apreciação geral - Relógio dcronógrafo monopulsante em imaculado estado de conservação.


 

Cronógrafo | Francês | Monopulsante | Prata | 1900




 

Cronógrafo | Francês | Monopulsante | Prata | 1900




 

Cronógrafo | Grande Complicação | 1905 | Ouro




 

Breve história dos cronógrafos



Quando se fala do nascimento do primeiro cronógrafo, há muitas histórias. Mas num ponto todos concordam, desde o seu início que esta complicação tem sido capaz de magnetizar a atenção e a paixão do mundo dos relógios.


Por que adoramos cronógrafos? Em primeiro lugar, há a associação romântica que os cronógrafos têm com a aventura. Desde os cronógrafos Breitling Navitimer usados pelos pilotos, aos Omega Speedmasters que permitiram aos astronautas da Apollo 13 navegar em segurança nas suas naves espaciais, os cronógrafos deram-nos poder ao longo do tempo e, por vezes, até nos salvaram as vidas.


Os cronógrafos podem ajudar-nos a calcular as pulsações, a velocidade dos objetos ao longo de um quilómetro, a distância de uma tempestade que se aproxima e até as taxas de câmbio. Mas, para além de todo este pragmatismo, há um lado mais poético no cronógrafo que entra diretamente na nossa experiência humana. Porque numa existência composta por momentos fugazes, o cronógrafo permite-nos congelar um momento de eternidade e recordá-lo para sempre.


O que é um cronógrafo?


Um cronógrafo é todo o relógio que possa medir um tempo decorrido utilizando um ponteiro independente. Os cronógrafos batem entre as 18.000 alternâncias por hora, o que pode medir os tempos a 1/5 de segundo, até 7.200.000 aph, que regista tempos de 1/2.000 de segundo.


Um mecanismo de cronógrafo funciona como o "drive train" de um carro. O movimento do relógio ou o calibre da base é como um motor que fornece um fluxo constante de energia. O mecanismo da roda de colunas, alavancas e rodas que transmitem energia do movimento para o cronógrafo, que funciona como a transmissão de um carro.


Uma vez iniciado um cronógrafo, um sistema de acoplamento faz com que a roda do cronógrafo entre em contacto com uma roda de tração em movimento, o que define os segundos em movimento. Quando se pára o cronógrafo, o sistema de acoplamento remove a roda do cronógrafo desta alimentação e o ponteiro dos segundos pára.


O nascimento do cronógrafo


Quando se fala do nascimento do primeiro cronógrafo, há muitos autores e rumores a serem abordados. No que diz respeito a isso, vários fabricantes de relógios lançaram ostensivamente datas e modelos com uma exatidão tão meticulosa que deixa até o mais rigoroso historiador perplexo. De qualquer forma, podemos ter certezas num ponto: desde o seu início que esta complicação tem sido capaz de magnetizar a atenção e a paixão do mundo dos apaixonados pela relojoaria.


O termo "cronógrafo" provém das palavras gregas "cronos" ou tempo, e "grafos", que significa escrever. Embora o relojoeiro britânico Graham (1674-1751) tenha inventado o primeiro relógio que mediu o tempo, na primeira década de 1700, o primeiro cronógrafo, propriamente dito foi inventado por Louis Moinet em 1816 para ajudar no funcionamento de equipamentos astronómicos.


George Graham (1674-1751)


Louis Moinet (1768-1853)


Efectivamente, há alguns anos, a história da relojoaria foi reescrita devido à descoberta de um relógio de bolso, que acabou por ser considerado o primeiro cronógrafo alguma vez produzido. Em 1816, Louis Moinet, um relojoeiro e pintor francês, completou o que chamou de "Compteur de Tierces". Este instrumento extraordinário, que literalmente significa "contador de terços", mede os acontecimentos ao 60º de segundo apresentado por um ponteiro central. Os segundos e minutos são registados em submostradores separados e as horas num mostrador de 24 horas. Além disso, é alimentado pelo primeiro movimento mecânico de alta frequência que corre a uma velocidade incrível de 216.000 alternâncias por hora e apresenta uma função de retorno a zeros. Sem dúvida, o trabalho de um génio muito à frente no seu tempo.




Primeiro cronógrafo criado por Louis Moinet - frente e mecanismo


Pequeno vídeo ilustrativo da criação do cronógrafo


Paixão por jogos é tão antiga como o homem. Mas o mais importante, levantou o problema da necessidade de criar um instrumento fiável para medir um tempo estabelecido. Vamos recuar de novo na história. No final do século XVIII, a Inglaterra, quando o Jockey Club, que ainda hoje é a maior organização comercial das corridas de cavalos britânicas, foi criada pela primeira vez, organizava uma competição de velocidade e agilidade que exigia um instrumento para medir com precisão a hora de partida e chegada dos participantes.


Em setembro de 1821, o relojoeiro francês Nicolas Mathieu Rieussec inventou um relógio para cronometrar corridas de cavalos. Numa reunião realizada em outubro desse mesmo ano, a Academia Francesa das Ciências, presidida por Antoine-Louis Breguet e Prony, relatou sobre a invenção que Rieussec tinha apresentado batizando-a de "Cronógrafo com Indicador de Segundos". A 9 de março de 1822, recebeu a patente que sancionou oficialmente os princípios operacionais deste instrumento que deixava cair uma pequena mancha de tinta no mostrador marcando o tempo decorrido. Por esse motivo, cronos significa tempo e escrita de gráficos.


Nicolas Mathieu Rieussec (1761-1866)


Basicamente, foi um relógio que "escreveu" o tempo, assim, a partir desse momento foi adoptado o termo "cronógrafo". Tecnicamente falando, o cronógrafo apresentava inconvenientes óbvios, tais como a marcação de apenas curtos períodos de tempo. Também exigiu uma manutenção frequente que implicasse encher o depósito de tinta e limpar o mostrador de porcelana após a utilização. Apesar destes inconvenientes, inesperadamente manteve-se em produção durante muito tempo, apesar de terem sido realizadas pesquisas que procuravam encontrar melhores soluções desde o início.


Cronógrafo e patente de Nicolas Rieussec de 1821


O primeiro cronógrafo com um ponteiro de segundos que podia ser iniciado, parado e reposto a zero foi criado em 1862 por Adolphe Nicole na Suíça.


Por volta de 1910, as empresas começaram a miniaturizar relógios de bolso em cronógrafos de pulso. Estes cronógrafos de pulso eram uma exigência daqueles que se encontravam nos campos militares, na aviação e nas corridas de automóveis. Em 1933, a Breitling patenteou o primeiro sistema cronógrafo que usava botões de arranque, paragem e reset separados.


É importante ressaltar que o cronógrafo está ligado ao desporto, desde o seu nascimento e até aos dias de hoje. Assim, para além de exemplificar um objeto precioso e icónico, o cronógrafo representa o instrumento de referência técnica para medir o tempo nas mais variedades provas desportivas.


Em fevereiro de 1822, o relojoeiro sediado em Londres Frédérick Louis Fatton desenvolveu um cronógrafo de tinta com um sistema de marcação fixa que lhe valeu uma patente. Até o mestre relojoeiro Abraham-Louis Breguet, dois anos antes, tinha trabalhado em dois cronómetros duplos, referidos como "d'observation", antecipando o conceito de relógios rattrapante.


Louis Frédéric Perrelet (1781-1854)


Louis Frédéric Perrelet, um relojoeiro suíço estabelecido em Paris, desenhou um "physics and astronomy chronograph counter", em que lhe foi concedida uma patente em 1828.


O Rattrapante


Cronógrafo Rattrapante


Também chamado de cronógrafo de frações de segundo ou Doppelchronograph, um rattrapante possui dois ponteiros de segundos para a função de cronógrafo que se movem juntos. O ponteiro extra pode ser parado independentemente, pressionando um botão para medir os tempos intermédios. Depois de pressionar outro botão, retornará sob o ponteiro do cronógrafo para continuar em conjunto com este. Desta forma, torna-se possível a medição de outros tempos intermédios. Esta é a origem da palavra “rattrapante”, que é baseada no verbo francês “rattraper”, que significa “retornar".


O rattrapante foi inventado em 1831 pelo relojoeiro austríaco Joseph-Thaddeus Winnerl, que adicionou uma peça em forma de coração à sua versão melhorada em 1838. Em 1923, a Patek Philippe produziu o primeiro relógio de pulso cronógrafo rattrapante, sendo ainda esta empresa uma das grandes especialistas nessa complicação.


Joseph-Thaddeus Winnerl


Sem dúvida, os cronógrafos exerceram uma forte influência com um interesse crescente no desenvolvimento de novos mecanismos inovadores, embora os resultados não tivessem, neste momento, como objectivo uma produção em larga escala.


O ponto de viragem


O ponto de viragem no design da relojoaria moderna foi revelado em 1844: um relojoeiro suíço sediado em Londres, Adolphe Nicole, desenvolveu um sistema que permitiu, que o ponteiro retornasse a zero, o que lhe concedeu uma patente: a 'cam-actuated lever' (alavanca acionada por cames), com a forma de coração. Ainda hoje, este sistema se mantém em muitos mecanismos cronógrafos. Quase vinte anos depois, Féréol Piguet concebeu um mecanismo que incorporava uma função de retorno. Esta descoberta concedeu ao fabricante Nicole & Capt uma patente, lançando assim o primeiro relógio de bolso, exibindo as três funções básicas que iremos encontrar mais tarde em todos os cronógrafos modernos: iniciar, parar e reiniciar a zero, depois de indicar o tempo decorrido. Neste ponto, a história do cronógrafo pára, leva tempo, e espera que a próxima revolução abane os próprios fundamentos do mundo da relojoaria.



Mecanismo do cronógrafo criado por Adolph Nicole em 1862



E apareceram os primeiros cronógrafos de pulso


No princípio do sec. XX, nas noites de inverno da Primeira Guerra Mundial, os poucos soldados que decidiram abandonar as linhas da frente e descer às trincheiras intermináveis e enlameadas, imediatamente compreenderam as grandes desvantagens dos relógios de bolso. Ao mesmo tempo, os aviadores também sentiram a necessidade de ler o tempo rapidamente e simplesmente enquanto pilotavam os seus aviões. Assim, o nascimento dos primeiros relógios de pulso. Obviamente, os cronógrafos não podiam permanecer indiferentes a esta "tendência moderna". Por conseguinte, não é por acaso que os primeiros relógios de cronógrafos foram originalmente relógios de bolso "instalados" a esta utilização, soldando as "asas" à caixa e reimpressão das indicações no mostrador. No entanto, os relojoeiros tiveram de levar o design da relojoaria para o nível seguinte, tornando os movimentos o mais pequenos possível. Em 1910, Moeris lançou os primeiros calibres de 13 linhas desenvolvidos para pequenas caixas de relógios, ligeiramente superiores a 29 milímetros. Logo seguido por outros fabricantes como Landeron, Lemania, Universal, etc. No entanto, ainda estamos a falar de mecânicas ativadas por um único botão, que controlava sequencialmente as funções de arranque, paragem e reposição.


A era moderna do cronógrafo começou oficialmente em 1933, quando a Breitling obteve uma patente Nr. 172129. As campanhas publicitárias apresentavam o primeiro cronógrafo de pulso com dois botões: um para o início e a paragem, o outro para a função de retorno, que na verdade era uma extensão de uma patente de relógio de bolso registada em 1923.


Primeiro cronógrafo de pulso Breitling 1933


O Flyback


A história do cronógrafo moderno iniciou a sua procura interminável pela máxima precisão e fiabilidade do tempo. O ano de 1936 congratulou-se com uma nova inovação: os ponteiros voltavam a zero sem a necessidade de parar o cronógrafo. A patente - Nr. 183262, deste mecanismo, referido como flyback, pertence à Longines. Seguiu-se então outros desenvolvimentos destinados a tornar a construção de movimentos mais fácil e menos dispendiosa. Para alcançar este resultado, a roda de colunas, que até então controlava as funções de comutação, foi removida.


Primeiro Longines Flyback 1936


Em 1937, Landeron - patente Nr. 209394 registado em 1940 - lançou um mecanismo de três botões, um para cada função.




Landeron 3 botões 1940



A partir daí, a evolução dos cronógrafos arrancou com grande velocidade, mas perfeitamente de acordo com os padrões tradicionais de relojoaria de gama alta: corda manual ou movimentos automáticos, dois botões de pressão, dois ou três submostradores, rodas de colunas e mecanismo de engrenagem de cames para a transmissão de energia.


Em 1969 veio a introdução dos primeiros movimentos automáticos de cronógrafos do mundo. Na Feira de Basileia de 1969, a Zenith revelou o seu movimento El Primero, o cronógrafo com o oscilador mais rápido do mundo a 36.000 alternâncias por hora.


Zenith "El Primero" 1969


Nessa mesma feira, a Breitling, Hamilton Buren e Heuer-Leonidas revelaram conjuntamente o seu lendário movimento de cronógrafo automático Calibre 11, e Seiko apresentou o seu calibre 6139, o primeiro rotor completo, embraiagem vertical, roda de colunas, cronógrafo com um único submostrador.



Breitling Calibre 11 - 1969


Seiko 6139 - 1969


Em 1987, Frederic Piguet apresentou-nos o menor e mais fino movimento de cronógrafo automático do mundo com uma espessura de apenas 5,5 mm. Estes movimentos foram alojados em relógios como os requintados cronógrafos ultra-finos de Blancpain e são hoje, ainda um padrão da indústria no sentido da elegância.


As inovações mais recentes sobre o mecanismo do cronógrafo concentraram-se no aumento da velocidade do oscilador para permitir o registo de frações de segundo. Liderando, temos A TAG Heuer que lançou uma série de cronógrafos inovadores, incluindo o seu Mikrotimer Flying 1000, que divide o tempo em 1/1000º de segundo, e o seu Mikrogirder que alcança umas surpreendentes 7.200.000 aph e uma leitura de 1/2.000th de segundo.


Tag Heuer Mikrotimer Flying 1000



Tag Heuer Mikrogirder


Há também o TimeWriter II Chronographe Bi-Fréquence 1000 de Montblanc que mede o 1/1000 de segundo através de um mostrador retrógrado às 12 horas.


Montblanc TimeWriter II Chronographe Bi-Fréquence 1000


Contadores nos cronógrafos



Além de um ponteiro de segundos (A), a maioria dos cronógrafos tem uma série de submostradores que indicam o tempo decorrido para além de 60 segundos.


O contador de minutos é o tipo mais básico de contador adicional e encontra-se em quase todos os cronógrafos. Há dois tipos de contadores de minutos. O primeiro é um sub-mostrador (um pequeno mostrador localizado no mostrador do relógio principal) normalmente calibrado em 30 (B) ou 60 segundos.


Sempre que o cronógrafo passa a marca de 60 segundos, o contador de minutos do cronógrafo avançará um minuto para dar uma leitura dos minutos decorridos. Um segundo contador de minutos usa um ponteiro montado no eixo central que avança um minuto cada vez que o ponteiro dos segundos passa a marca dos 60 segundos. Este contador de minutos é calibrado durante 60 minutos e proporciona uma maior visibilidade.


O contador de horas (C) num cronógrafo é um mostrador adicional opcional, mas muito útil. Por exemplo, gostamos de começar os nossos cronógrafos no início de um longo voo e detê-los quando o voo termina para que possamos dizer o nosso tempo total no ar.


Um contador de uma hora dá-lhe uma leitura das horas decorridas, o que é perfeito se acabou de acordar e precisa de uma referência rápida em relação ao tempo que esteve em voo. Os contadores de horas são normalmente calibrados com escalas de 12 horas e estão situados em submostradores.


Como o contador de segundos do cronógrafo é um instrumento de precisão tão importante, seria confuso colocar também um ponteiro de segundos no eixo central do relógio. Como tal, a maioria dos cronógrafos colocam o ponteiro dos segundos num pequeno sub-mostrador (D).


O principal objetivo deste ponteiro é simplesmente informar que o relógio está em funcionamento. Vários fabricantes descartaram este ponteiro para libertar o espaço de marcação ou substituí-lo por outra função, como uma fase lunar, como no Chronograph Monopoussoir de Blancpain,


Blancpain Chronograph Monopoussoir


ou com uma data simples, como no Calibre Chronographe de Cartier.


Cartier Calibre Chronographe



Cronógrafos icónicos


Zenith El Primero



Breitling Navitimer


Rolex Cosmograph Daytona



Omega Speedmaster Moonwatch



Citizen Bullhead



Seiko 6139



Tag Heure Carrera



Tissot Navigator



Para compreender melhor e acompanhar as muitas fases de desenvolvimento dos cronógrafos ao longo dos tempos, as palavras só não bastam. Nesse sentido, convidamos o leitor a observar, e banquetear-se com os 88 modelos épicos que compuseram em 2016 o leilão Start Stop Reset.



107 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page