top of page

Patek Philippe inaugura “Watch Art” em Tóquio



A Patek Philippe inaugurou recentemente a grande exposição “Watch Art” em Tóquio. Esta é já a sexta exposição da marca em todo o mundo e desta vez a escolha caiu sobre um dos seus principais mercados: o Japão. De 10 a 25 de junho de 2023, o público e os devotos da marca podem mergulhar no mundo daquela que é a última manufatura independente de relógios genebrinos ainda em mãos privadas e, neste caso, familiares. A exposição permite a descoberta de um cenário de mais de 2.500 metros quadrados que permite um mergulho na atmosfera peculiar das ruas de Genebra, à beira do lago e, forçosamente, aos bastidores da própria Patek Philippe. Sendo a maior exposição até à data organizada pela manufatura, o evento faz-se naturalmente acompanhar pelo lançamento de seis edições limitadas e uma excepcional colecção de peças que mostram as raras artes manuais de uma maneira que apenas a Patek Philippe è capaz.





Muitos japoneses deixaram-se fascinar pelos relógios da Patek Philippe já desde as primeiras décadas de atividade da manufatura - o que corresponde ao final do período Edo e à Restauração Meiji. De fato, são vários os nomes japoneses que podem ser encontrados nos livros de registros de clientes datados desse período. Em 1873, a famosa delegação Iwakura, liderada pelo embaixador extraordinário e plenipotenciário Tomomi Iwakura, visitou a sede da Patek Philippe em Genebra acompanhado do próprio Antoine Norbert de Patek, fundador da manufatura. O facto seria relatado em detalhe ao longo de três páginas do jornal oficial “Beiou-Kairan Jikki”. A partir deste momento, os dignitários japoneses que desejavam adquirir relógios da Patek Philippe esforçavam-se por fazê-lo adquirindo diretamente na Europa ou por meio de empresas comerciais europeias ativas no Japão. A importação oficial de relógios da Patek Philippe para o Japão começaria apenas no final dos anos 1950 e a subsidiária japonesa PP Japan Inc. foi estabelecida em 2003.


Primeiro relógio World Time equipado com um visor de data sincronizado com o horário local Referência 5330G-010 @ Patek Philippe


A família Stern, proprietária da Patek Philippe há já quatro gerações (desde 1932), percebeu também há já bastante tempo que o Japão representava um terreno cultural fértil, uma vez que a profunda apreciação do povo japonês pela elevada qualidade do artesanato está em perfeita sintonia com o espírito da Patek Philippe. Henri Stern, avô do atual presidente Thierry Stern, visitou o mercado japonês em várias ocasiões entre o final dos anos 1950 e a década de 1970, seguido por Philippe Stern dos anos 1960 aos anos 2000. Hoje, Thierry Stern faz igualmente viagens frequentes ao Japão para se encontrar com muitos dos apreciadores e devotos da marca e onde a excelência dos relógios Patek Philippe acaba sempre por ser o tema principal.


Como herdeira da grande tradição genebrina, a Patek Philippe sempre deu uma especial importância à partilha da sua paixão pela alta relojoaria através de exposições. Durante os anos de 1970 a 1980, no auge da crise do quartzo, a manufatura desempenhou um papel importante na forte recuperação do relógio mecânico, com exposições itinerantes sobre temas como “A Mão Criativa” e “O Relógio como Obra de Arte”. Há onze anos, a manufactura foi ainda mais longe ao lançar um novo conceito de grandes exposições abertas ao público, com entrada gratuita e incentivando um conhecimento mais próximo das suas criações, património, filosofia e vasta experiência. No curso das cinco edições organizadas até ao momento, estes eventos foram aumentando de tamanho e abrangência, recebendo até agora um total de cerca de cerca de 165.000 visitantes. Depois do Dubai em 2012, Munique em 2013, Londres em 2015, Nova York em 2017 e Singapura em 2019, a Patek Philippe escolheu Tóquio para a sua sexta grande exposição. Historicamente, o Japão representa um mercado-chave para a marca - um mercado de conhecedores que valorizam as raras artes manuais e são capazes de apreciar toda a excelência técnica e o trabalho meticuloso contido num relógio. Os clientes japoneses da marca, nascidos numa cultura que une o respeito pela tradição com um espírito vanguardista, estão perfeitamente posicionados para compreender a “tradição pela inovação” que tem guiado a Patek Philippe desde 1839.




A exposição “Watch Art” Tokyo 2023 está aberta de sábado, dia 10, a domingo 25 de junho de 2023 e decorre, tal como as exposições anteriores, num lugar emblemático da cidade anfitriã. A exposição ocupa o Sumitomo Sankaku Hiroba, localizado entre as altas torres do distrito comercial Nishi-Shinjuku. Este animado bairro fica a poucos passos da Estação Shinjuku, a estação ferroviária mais movimentada do Japão, que recebe cerca de 3,5 milhões de passageiros por dia. O espaço de eventos Sankaku Hiroba (“praça triangular”), inaugurado em 2020, fica aos pés do arranha-céu triangular Shinjuku Sumitomo, assumindo a forma de um vasto salão com cerca de 3.200 metros quadrados, coberto por um enorme teto de vidro que se eleva a 25 metros no seu ponto mais alto sem nenhuma colunas de suporte internas. Nesta área banhada pela luz natural, a Patek Philippe criou uma decoração com mais de 2.500 metros quadrados - a maior até hoje dedicada a uma grande exposição - e que evoca as ruas de Genebra e o cenário à beira do lago da cidade, incluindo o famoso Relógio das Flores. A exposição, dividida em várias áreas temáticas, convida o visitante a uma viagem de descoberta pelo universo da Patek Philippe, incluindo todos os locais mais conhecidos da marca em Genebra - a sede histórica na rue du Rhône, a manufatura em Plan-les-Ouates e o Museu Patek Philippe - como se o visitante tivesse atravessado de forma mágica e instantânea os 10.000 quilômetros que separam Genebra de Tóquio.



Novo World Time Minute Repeater Referência 5531R-014 @ Patek Philippe


A exposição “Watch Art” Tokyo 2023 reúne mais de 500 relógios e objetos que ilustram uma riqueza composta por diferentes tipos de expertise. Em particular, os visitantes podem admirar toda a coleção atual da manufatura, com as suas famílias e modelos de relógios para homens e mulheres, abrangendo todos os segmentos da relojoaria, desde os ícones de estilo até aos mecanismos tecnicamente mais complexos. As artes raras (incluindo a pintura em miniatura sobre esmalte, o esmalte cloisonné, a gravação manual, a marchetaria de madeira microscópica, o trabalho em guilloché executado à mão e a cravação de pedras preciosas) meticulosamente preservadas pela Patek Philippe estão também em exposição, com um raro e esplêndido conjunto de 40 peças únicas e edições limitadas (entre relógios de cúpula, relógios de mesa, relógios de bolso e relógios de pulso) inspirados na cultura japonesa, com o seu rico repertório artístico e artes ancestrais, apoiadas por demonstrações ao vivo da arte dos artesãos.



A exposição inclui ainda uma seleção de cerca de 190 peças pertencentes ao Museu Patek Philippe em Genebra e, como sempre, permitidas excepcionalmente a viajar até este evento em Tóquio. As peças da chamada “Coleção Antiga” (século XVI ao início do século XIX) incluem alguns dos relógios mais antigos do mundo e inúmeras obras-primas técnicas e estéticas que ilustram toda a história da relojoaria. As peças da “Coleção Patek Philippe”, que ilustram o rico património da manufatura, apresentam o primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo conhecido, lançado pela Patek Philippe em 1925 (No. P-72), o relógio de pulso World Time 1415 HU de 1948 (No. P-1026) e um relógio de bolso com repetidor de minutos e reserva de marcha de 30 dias de 1918 que pertenceu a James Ward Packard (No. P-1703). Uma nova secção intitulada “Proprietários Históricos” convida os visitantes a admirar um relógio de pendente adquirido pela Rainha Vitória durante a Grande Exposição de Londres de 1851 (No. P-24), assim outros relógios pertencentes a patronos famosos.



Algumas peças cedidas pelo Museu Patek Philippe para a exposição @ Patek Philipps


Uma sala apresenta a vasta coleção de movimentos projetados e construídos inteiramente pela Patek Philippe, com uma nova área dedicada às etapas envolvidas na produção das peças e outra dedicada à pesquisa e ao desenvolvimento. Um lugar de destaque é concedido aos relógios complicados, um dos pontos fortes da manufatura, com - pela primeira vez numa grande exposição - uma secção exclusiva para os supercomplicados (como o Calibre 89 e o Star Caliber 2000) e um espaço intitulado “Mestre do Som” que expõe relógios de carrilhão, incluindo o mais complexo de todos, o Patek Philippe Grandmaster Chime com 20 complicações, e o Sky Moon Tourbillon Reference 6002R-001. Os visitantes têm também a oportunidade de conhecer os mestres relojoeiros da Patek Philippe, enquanto estes demonstram a sua arte numa variedade de movimentos. Para além disso, o público e os devotos podem ainda apreciar peças excepcionais cedidas por colecionadores japoneses especialmente para a exposição.




Tal como nas edições anteriores, a grande exposição de Tóquio de 2023 faz-se acompanhar pelo lançamento de várias edições limitadas em todos os segmentos da coleção Patek Philippe. Entre essas seis novidades estão duas peças técnicas que têm estreia mundial: uma nova Complicação Quádrupla automática (Referência 5308P-010) e o primeiro relógio World Time equipado com um visor de data sincronizado com o horário local (Referência 5330G-010). A escolha é completada por uma versão exclusiva do World Time Minute Repeater (Referência 5531R-014), uma refinada reinterpretação do modelo Moon Phase para senhoras (Referência 7121/200G-010) e dois novos modelos Calatrava (Referências 6127G-010 e 7127G-010).


Nova Complicação Quádrupla automática Referência 5308P-010 @ Patek Philippe


Para mais informação sobre a Patek Philippe e esta exposição visite o sitio da Patek Philippe aqui.

59 visualizações0 comentário

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page