top of page

Automatos Jacquemart | Meuron & Cia. | repetição | Ouro | 1810


Série: GARNDES COMPLICAÇÕES


 

Por: Sílvio Pereira

 



Funções


1 - Horas;

2 - Minutos;

3- Automatos Jacquemart;

4 - Repetição de horas;

5 - Repetição de quartos.


Ficha técnica


- Relógio de Bolso tipo Lepine esqueletizado. Grande Complicação. Datado de 1810

- Número de Série: Não tem

- Manufactura: Meuron & Cia.

- País: Suíça

- Calibre: Dupla platina. S/ número

- Protecção do movimento: Guarda pó em ouro.

- Tipo de Escape: Roda de reencontro

- Balanço: latão com mola de espiral e galo sobreposto

- Realimentação: tambor comandado por fuso

- Reserva de Marcha: 30 horas

- Frequência: 14400 A/h

- Rubis: Não tem

- Material da caixa: Ouro 18Kt

- Mostrador: esmalte sem imperfeições ou cabelos

- Pequenos segundos: Não tem

- Pendente: Às 12 horas

- Diâmetro da caixa: 56,3mm

- Espessura: 22,8mm

- Peso: 128,27g

- A mola real é accionada através de chave directamente no mecanismo através de orifico no guarda pó

- Ponteiros: Estilo Breguet. Ajuste feito directamente no eixo dos ponteiros através do mostrador que se encontra projegido por vidro

- Numerais: Horas - tipo Breguet. Minutos - marcadores.

- Vidro: Em óptimo estado.

- Numeração da tampa de caixa: 2952


Apreciação geral - Relógio de grande complicação, com mais de 210 anos em excelente estado de conservação.


 

Porquê o nome "Jacquemart"?


Monsieur Jacquemart com sua esposa


Jacquemart em pessoa pode ser visto na cidade francesa de Dijon. Trata-se de um homem de bronze de meia idade com um chapéu de abas largas, que fuma cachimbo. Jacquemart junto com sua esposa, também de bronze – uma típica camponesa dos subúrbios de Dijon – encontram-se no relógio da torre desta cidade, projetado pelo mestre Heinrich De Vic. Esta respeitável família é conhecida em todo o mundo. Os Jacquemarts realizam um trabalho simples, mas importante: uma vez por hora eles tocam um sino grande e barulhento com martelos especiais. Um repetidor tão original. Mais tarde, o casal teve um bebé, que se tornou o sucessor da dinastia. Ele ficou encarregue de bater os quartos de hora.


Na verdade, Jacquemart é o apelido do mestre que criou o famoso casal de bronze. Mas a sua ideia foi perfeita, de modo que a sua criação consolidou-se e foi copiada por outros mestres. Como resultado, o nome de Jacquemart tornou-se comum, e os relógios com sinos, ou carrilhões, em todo o mundo adquiriram “parentes” da família de bronze de Dijon. A construção de tais mecanismos lembra caixas de música ou pianos de cauda. O movimento do relógio levanta e abaixa os martelos especiais no momento apropriado. Estes caem, por sua vez, sobre um sino, fazendo-o soar. Normalmente, os sinos com tons diferentes eram os escolhidos para carrilhões, pois o repetidor produzia não simples batidas, mas algumas melodias. Hoje, os relógios de bolso ou de pulso em miniatura também podem fazer isso, mas naquela época a tecnologia era bastante difícil.


Houve um período em que estes adereços de arquitetura estavam na moda. Os holandeses gostavam especialmente de sinos. Antes que os mestres conseguissem fabricar um relógio de bolso com jacquemarts, tentaram colocar seu movimento em relógios de mesa. Os relojoeiros alemães começaram a criar tais relógios efectivamente no século XVII para surpreender e entreter os sofisticados conhecedores de peças bonitas. Os relógios autómatos com animais, cavaleiros e mesmo os mecânicos "Madonna and Child" eram especialmente populares naquele período. Um modelo interessante daqueles tempos é o relógio de mesa “Planetarium”. Consiste em dois mecanismos ao mesmo tempo: um é responsável pela indicação do tempo, o segundo – pelas relações de posição dos planetas do sistema solar e do próprio corpo celeste. É também uma espécie de autómato, que é feito de acordo com todas as leis astronómicas. Como pretendido, a Terra faz uma rotação completa ao redor do Sol em 365 dias, e o modelo de Saturno requer 29,5 anos como seu protótipo. Mas os Jacquemarts, que primeiro adornavam os relógios de bolso, ainda eram feitos com imagems de humanos.


Casal Jacquemart na torre do relógio da cidade de Dijon



Jacquemart


Um Jacquemart (diz-se jaquemart) é um autómato artístico que representa um personagem esculpido em madeira ou metal, que indica as horas batendo num sino com um martelo. O termo "Jacquemart" começou a aperecer no sé. XIV.


A sua etimologia é incerta, existem várias, algumas das quais são fantasiosas. Pode ser:

  • personificação de vigias, chamados Jacks em Inglaterra, que batiam o relógio com a mão num sino;

  • possível origem latina, com a evolução da palavra "jaccomarchiadus" que designava os soldados colocados como vigias no topo das torres;

  • patrónimo de referência para todos os serralheiros e relojoeiros chamados Jacquemart Yolem de Lille no século XV, correspondente a um trabalhador qualificado na reparação dos sinos de uma torre em Dijon, mas também em Fontainebleau no século XVI, em Laon , Besançon, Avinhon, etc.;

  • Contração entre o nome próprio Jacques e o nome comum mart referente a martelo .

  • figuras de metal e madeira representando, muitas vezes de uma forma bastante grosseira, um homem armado. Este último bate as horas com um martelo no gongo. Podem ser encontrados em brinquedos infantis compostos por dois personagens batendo alternadamente numa bigorna colocada à sua frente.









Vários modelos de Autómatos de bolso com Jacquemarts


Torre Jacquemart (Moulins)


A torre Jacquemart é uma torre do relógio com cerca de trinta metros de altura localizada no centro de Moulins (Allier, França), assim chamada por causa do Jacquemart que usa. Construído em meados do século XV, foi modificado e restaurado após vários incêndios. Está referenciado como Monumento Histórico desde 1929.


Em cima: Torre Jacquemart em Moulins

Em baixo: pormenor sos automatos Jacquemart em Moulins


História da torre Jacquemart


A actual torre foi construída entre 1452 e 1455. O seu aspecto então não se assemelha ao de hoje, tendo a torre sofrido dois incêndios. Inicialmente parecia uma flecha, encimada por gárgulas e uma cornija ornamentada. No topo, era coroado por uma agulha.


De 1451 a 1455, quatro consulados consecutivos (Câmaras Municipais) dedicaram-se à aquisição e construção de uma torre do relógio aprimorada, como as construídas na Flandres.


Para isso, no dia 16 de maio de 1452, foi cobrado um imposto especial para ajudar à construçã da torre e seu relógio.

.

No início do ano 1453, a torre foi construída. É o “ancestral” da actual torre Jacquemart.


Em 1454, recebeu um melhoramento na moldura de madeira e no ano seguinte, em 1455, os seus últimos acessórios. Nesse mesmo ano, o barril foi coroado com uma agulha de ardósia fina de Orleans, adornada com flâmulas e estandartes estampados por Jehan Chasteau.


O sino é construído por Robert Bresmant. É decorado com as armas do da duquesa de Bourbon e da cidade.


Existe então um único sino, um autómato de ferro pintado que toca um sino com um martelo enquanto marca as horas. Um sol e uma lua são pintados no mostrador do relógio.

Incêndio de 1655


Não houve danos perceptíveis durante dois séculos, apesar das reparacões de rotina que eram realizadas periodicamente no mecanismo.


Mas na noite de 20 para 21 de novembro de 1655, um incêndio que partiu de Les Halles, em direção à igreja colegiada, devastou o Jacquemart. O interior da torre ficou completamente destruída. Só se salva a estrutura exterior de pedra. Foi reconstruída no ano seguinte.


Edifícios anteriores à torre Jacquemart


Em França no século XIV generalizou-se a construção de relógios mecânicos com pesos

apara alimentação do mecanismo. As torres cada una com o seu relógio são então o símbolo das liberdades conquistadas pelas cidades na Idade Média e do seu desenvolvimento.


Após a concessão do foral de franquia em 1232 e a instalação da administração do duque Luís I de Bourbon , Moulins desenvolveu-se rapidamente. Por volta de 1400, a cidade tinha duas torres de relógio: a de Les Halles ou "Vieille Reloge" , localizada no largo do mercado, entre a rue des Orfèvres e a rue François Perron, e a de Geneste ou "Petite Reloge", localizada entre da rue de Berwick e rue de Paris. Em 1405, a torre Halles foi destruída. As bases da Geneste estão consolidadas. É-lhe adicionado um campanário de madeira e 05 de julho de 1405, é adicionado o relógio.


O mestre relojoeiro de Cusset, Michelet Hardouin, fabrica o mecanismo. Em Setembro 1407, o mecanismo pára. Foi chamado o mesmo relojoeiro para o reparar. Como o custo da reparação era bastante avultado foi decidido abandonar o Geneste e o seu mecanismo para construir outra torre.


Em 1409 , foi concluída a construção de outra torre, provavelmente no lugar da atual.


Torre Jacquemart (Romans-sur-Isère)


É uma torre construída junto à porta da segunda muralha e foi escolhida para acomodar um relógio.


Torre Jacquemart (Romans-sur-Isère)


Construída em 1174, a Porta de l'Aumône foi reformada durante a construção da segunda muralha. Está preservada e, em 1422, os cônsules da cidade decidem criar um relógio monumental. Esta torre é então integrada na fortaleza de Montségur destinada a proteger os cânones da igreja colegiada. A sua inauguração ocorre em 2 de março de 1429.


A torre tem 37 metros de altura.


O Jacquemart em Romans-sur-Isère é um dos maiores dos que ainda existem hoje em quase cinquenta cidades francesas.


Jacquemart da torre Romans-sur-Isére


Entrou igualmente ao serviço em 2 de março de 1429. Colocado junto ao grande sino, sobre um pedestal encostado à face sul do campanário, tem quase o dobro do tamanho de um homem. Uma vez que é feito em madeira, vai-se deteriorando ao longo dos séculos, por esse motivo é coberto com estanho para melhor proteção. Move-se sobre um pivô, o que permite que o martelo que segura nas mãos alcance o sino, enquanto a cabeça se move na direção oposta.


Segredos dos autómatos de bolso eróticos


Quanto menor o movimento, mais difícil é o seu fabrico. É por isso que os primeiros Jacquemarts eram impressionantemente grandes. No entanto, no século XV a situação mudou: os relojoeiros adquiriram experiência e começaram a fabricar relógios de bolso. Os seus adornos também estavam em mutação, influenciados pela moda e pelas ideias filosóficas predominantes. Como os primeiros grandes relógios mecânicos, situados em torres, serviram para os puritanos como mais um lembrete da caducidade do mundo, eles foram decorados de acordo com esculturas impressionantes ou estátuas de mártires.


Os primeiros relógios de bolso eram muito luxuosos. Apenas o representante da aristocracia poderia comprar "brinquedos" tão caros. Eles podiam dar-se ao luxo de quaisquer caprichos! Justamente nesse período os aristocratas começaram a apaixonar-se por miniaturas eróticas, consideradas o tema de conversa mais importante na altura. Na viragem do século XIX, os relógios de bolso eróticos ganharam uma popularidade incrível. O calvinismo dominava na Suíça naquela época, e tais acessórios frívolos naturalmente provocavam reprovações violentas. Finalmente, em 1817, os padres de diferentes cantões concordaram entre si cessar a emissão de tais coisas profanas .


No início, os relógios, adornados com imagens frívolas, foram simplesmente retirados aos seus donos. Mas muitos colecionadores pareciam estar também entre os padres e juízes, lutando pela pureza do pensamento dos cidadãos suíços – um azar. Rapidamente eles descobriram que as perdas se instalaram lentamente nas suas coleções pessoais de peças raras. Então, foi decidido que as imagens eróticas fossem retiradas dos relógios. Caso encontrassem alguma peça preciosa, após retirarem as imagens, devolveriam o resto do relógio ao seu proprietário. Para manter as suas criações seguras, os relojoeiros recorreram à astúcia: as imagens eróticas eram escondidas na parte traseira dos relógios escondidos pela tampa, que eram dotados de mecanismos especiais – fechaduras secretas. Os relógios de pulso causam menos problemas para os relojoeiros – se eles colocarem a imagem "menos própria" na parte traseira do relógio,


Alguns fatos curiosos aconteceram quando após várias gerações os descendentes descobriram que o relógio de bolso favorito de seu adorável bisavô tinha escondido tal espetáculo, pelo qual, se se soubesse, ele castigado por isso.


Os colecionadores contam uma história sobre uma senhora idosa moralista, que recentemente se dirigiu a algum famoso historiador da relojoaria para pedir conselhos. Quando se encontrou com ela, a velha mostrou uma parte da herança de seu irmão. Era um relógio com repetidor e jacquemarts, representando Napoleão e Josephine, digamos, no "momento mais intímo entre os dois". O historiador apenas informou que essa raridade seria inestimável em leilões. Mas a senhora exigiu que aquela coisa profana fosse destruída na sua presença. Durante vários meses o historiador tentou fazê-la mudar de ideias, mas nem os pedidos, nem as súplicas deram um resultado positivo. Sofrendo de dor no coração, o historiador quebrou a rara obra-prima da relojoaria com um martelo, por esse motivo, foi parar no hospital por causa do ataque cardíaco.


Apesar de se ter chegado a uma época de permissividade e ninguém se surpreender com imagens frívolas, os relojoeiros ainda criam relógios eróticos. É verdade que esses modelos não são produzidos em massa, muitos deles existem como peça única. E não é sobre as cenas engraçadas, mas sobre a habilidade dos mestres. Os relógios de pulso eróticos foram produzidos por fabricantes famosos, como Sven Andersen (Geneve), Gérald Genta, Chopard, Blancpain, Hublot, Ulysse Nardin e outros.







Alguns relógios autómatos eróticos todos eles com a particularidade de as imagens mais sugestivas estarem escondidas por algumas tampas


121 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page