top of page

Jacob Kretz | Automático | 1810 | Ouro

Série: GRANDES COMPLICAÇÕES

 

Por: Sílvio Pereira

 


Movimento da massa oscilante



Funções:


- Horas

- Minutos

- Data

- Corda automática


Ficha técnica:


- Relógio de Bolso tipo Lepine. Corda automática. Datado de 1810

- Funções: Horas, minutos e data ao centro. Corda automática.

- Número de Série: 21

- Manufactura: Jacob Kretz

- País - Alemanha

- Calibre: Formato dupla platina

- Protecção do movimento: Não tem

- Tipo de Escape: Âncora Suiça

- Balanço: Niquel, com espiral plana

- Reserva de Marcha: 36 horas

- Frequência: 18000 A/h

- Rubis: 15

- Material da caixa: Ouro 14kt.

- Mostrador: esmalte sem imperfeições ou cabelos

- Pequenos segundos: Não tem

- Diâmetro da caixa: 52,1mm

- Espessura: 22,8mm

- Peso: 107,47g

- A mola real é accionada através massa oscilante.

- Ponteiros: Horas e minutos estilo Luís XV

- Numerais: Romanos para as horas. Arábicos para os intervalos de 5 minutos e indexes para os restantes

- Segundos: Não tem.

- Vidro: Em óptimo estado.

- Numeração da tampa de caixa: 21


Apreciação geral - Relógio de corda automática com data em excelente estado de conservação.

 

Jacob Kretz


Aproveitando a ideia de Breguet da utilização de uma massa oscilante para realimentar a corda do relógio, o relojoeiro Alemão Jacob Kretz, no princípio do século XIX, criou o seu próprio sistema automático de alimentar o mecanismo do relógio.


Há muito poucas informações acerca deste relojoeiro, só foi possível obter o período em que esteve em actividade, que foi entre o final do século XVIII e o principio do XIX. Esta informação foi obtida através de um livro que é fundamental para todos os coleccionadores, o “Watchmakers and Clockmakers of the World" de Brian Loomes


Depois de intensa pesquisa não foi possível encontrar nenhum outro relógio automático deste relojoeiro, podendo concluir, com algum grau de certeza, que este que está na colecção é o único existente, ou dos poucos que chegou até nós.


O valor do relógio baseia-se na raridade e na complicação de corda automática, sendo este o primeiro relojoeiro, a seguir a Perrelet e a Breguet, a fabricar relógios com este tipo de complicação.


 

Loehr | Automático | Reserva de marcha | 1880 | Prata



Movimento da massa oscilante



Funções:


- Horas

- Minutos

- Reserva de marcha

- Corda automática


Ficha técnica


- Relógio de Bolso tipo Lepine. Corda automática "perpétuale" e reserva de marcha. Datado de 1880

- Funções: Corda manual e automática, horas, minutos, segundos e reserva de marcha.

- Número de Série: 4470

- Manufactura: Loehr

- País - Suíça

- Calibre: Formato pontes clássicas

- Protecção do movimento: Guarda pó em prata

- Tipo de Escape: Âncora Suíça

- Balanço: Niquel, com espiral plana

- Reserva de Marcha: 36 horas

- Frequência: 18000 A/h

- Rubis: 15

- Material da caixa: Prata.

- Mostrador: esmalte com dois cabelos às 9 horas

- Pequenos segundos: Às 6 horas

- Reserva de marcha às 3 horas

- Diâmetro da caixa:47,7mmmm

- Espessura: 16,7mm

- Peso: 84,80g

- A mola real é accionada através de chave e massa oscilante.

- Ponteiros: Horas e minutos estilizados

- Numerais: Romanos para as horas. Indexes para os minutos. Arábicos para os intervalos de 5 segundos e indexes para os restantes

- Vidro: Em óptimo estado.

- Numeração da tampa de caixa: 4470


Apreciação geral - Relógio de corda automática com reserva de marcha em muito bom estado de conservação.

 


Loehr Patent Perpetual, Suíça 1880



Loehr Patent Nº 3357


A relação entre mecânica de precisão e gravidade tem sido explorada por inventores e relojoeiros desde tempos antigos, começando com os pesos e pêndulos de grandes relógios e terminando com dispositivos de corda automática e turbilhões de alta precisão.


Neste artigo, examinaremos um outro relógio com mecanismo muito parecido ao do modelo, igualmente raro que incorpora um mecanismo de corda automática de um design antigo de pêndulo, o 'Perpetuelle'. A história desse mecanismo de corda automática iremos contá-la um pouco mais abaixo.


A Patente de Von Loehr


O criador deste movimento de relógio em particular é o engenheiro austríaco Von Loehr, que projetou um dispositivo especial de corda automática em 1875 e o patenteou em 10 de janeiro de 1878. A patente reivindicava a proteção dos direitos de 11 esquemas de mecanismos que convertem o movimento de uma massa oscilante na tensão de uma mola de corda.


O filho de August von Loehr, August Ritter von Loehr, era um numismata e historiador, do dinheiro que estava envolvido na defesa das coleções culturais austríacas, como parte de seu papel no Federal Monuments Office na Áustria. Pela documentação conhecida, parece que ele não continuou o negócio de relojoaria do seu pai.


Diagramas de dispositivos da patente de Von Loehr, que iniciam automaticamente a mola a partir das vibrações da carga.


A ideia principal é que a massa oscilante seja suspensa por uma mola, o mais próximo possível do ponto de equilíbrio. A oscilação da massa, força a roda de carga a girar, interagindo com dois dentes móveis – empurrar (fixo à carga) e fixar (fixo ao corpo).


Todo o design, com todos os 11 esquemas, foi patenteado para uso generalizado. No entanto, um dos dispositivos (número 11 no diagrama) foi implementado com sucesso para uso em relógios de bolso, fazendo com que a produção desses relógios se estabelecesse na Suíça na década de 1880, utilizando apenas um dos dispositivos patenteados por Loehr.


O guarda pó tem a assinatura Patent Perpetual e o número de série 3357. Observe-se o dispositivo no eixo central, um projeto inicial para o acerto dos ponteiros sem chave, realizado fixando uma pequena alça nesse orifício e depois girando. Também digno de nota é a forma do anel de suspensão, a partir do qual o relógio é mantido verticalmente no bolso.



Duas imagens do mecanismo



Quando o relógio é carregado verticalmente no bolso, auxiliado pelo anel de formato especial, as oscilações do pêndulo pesado dão corda a uma mola. O mecanismo usa uma roda de catraca de aço que interage com dois dentes móveis – empurrar (fixado em um martelo) e travar. Os dentes da roda da catraca são muito pequenos e o mecanismo reage mesmo às menores vibrações do pêndulo.


A forma da massa oscilante é muito idêntica à criada por Abraham-Louis Breguet, entre os anos de 1775 a 1778.


Como funciona a corda automática num relógio de bolso


O pêndulo nas suas duas posições extremas



Dentro do bolso, o pêndulo que sustenta a massa oscila para cima e para baixo sob seu próprio peso. Qualquer movimento leve do pêndulo fará com que a roda da catraca de aço gire vários dentes e se pare quando embate num poste de limitação, dentro do tambor, a mola real é enrolada através de um sistema de rodas de transmissão.


Cada oscilação do pêndulo transmite uma força suficientemente grande, que gira o sistema de roda por muitas dezenas de rotações. Para ver esta função em tempo real, observe o vídeo a baixo.




Recursos e complicações adicionais


Ao dar corda no relógio com uma chave, o utilizador sentirá a mola parar e, portanto, deixará de a girar, para evitar qualquer dano. Com relógios automáticos, é mais difícil, uma vez que estes sendo de bolso precisam, é necessário ter cuidado com a segurança do mecanismo de corda.


Para remediar isso, há mais um truque de design interessante no mecanismo, também patenteado por Von Loehr. Este é um limitador de mola de enrolamento, que protege as partes do mecanismo contra danos em caso de enrolamento excessivo.


Um engenhoso limitador de carga montado no tambor.


O limitador é feito de uma maneira muito interessante, não se pode adivinhar facilmente sua finalidade ou princípio de operação. Há uma ranhura na tampa do tambor de corda. Um gancho especial é preso à bobina externa da mola (indicada por uma seta azul). No mandril do tambor, uma roda dentada é montada com uma barra fixa e um pino na extremidade, que é levantado em cerca de 1 mm (o pino é indicado por uma seta vermelha).


O pino batente sai de baixo da placa do mecanismo e pode mover o dente de travamento da roda da catraca.


O pino que trava enrolamento da mola .


Até que a mola seja enrolada no limitador, a roda com o pino batente, oscila livremente no eixo do tambor. Quando a mola está enrolada no limite, a sua bobina externa desloca-se para o eixo do tambor e o dente preso à bobina prende-se na roda. Por sua vez, a roda move a barra com o pino, e o pino levanta o dente de travamento da roda da catraca, razão pela qual deixa de fixar a mola de enrolamento.


Mesmo quando a mola é enrolada até o seu limite, o pêndulo ainda oscila, mas as forças não são transmitidas ao sistema de roda de enrolamento. Esta solução é competente e interessante, pois se o movimento do pêndulo fosse bloqueado, o limitador poderia simplesmente partir sob o peso e o movimento do pêndulo.


O mecanismo de ajuste dos ponteiros sem chave


Seria impraticável utilizar uma chave para ajustar os ponteiros de um relógio. Portanto, uma alça de transferência dentada é fornecida no eixo central e uma ranhura é feita para ela na tampa interna do relógio. Com um simples movimento do dedo, pode-se mover com facilidade os ponteiros sem usar chave nem coroa. Este design existe desde a década de 1830, mas é bastante raro.


O relógio foi fabricado por volta de 1880, antes da distribuição em massa das coroas dos relógios. Isso também é evidenciado pelo número de série, bem como pelo design inicial. Mais tarde, os relógios Loehr Patent foram equipados com um indicador de reserva de marcha e foram feitos predominantemente em forma de quadrado principal, o que lhes deu uma qualidade adicional única em comparação com os relógios comuns.


Características

  • Caixa de níquel com tampa frontal de abertura, assinada Patente Perpétua #3357.

  • Mostrador de esmalte com algarismos romanos e mostrador de pequenos segundos, assinado LOEHR PATENT.

  • Ponteiros de aço, azuladas. Vidro mineral convexo original.

  • Placas e pontes banhadas a ouro, escape de cilindro simples, número de série 3357 gravado na no guarda pó.

  • Dispositivo de carga automático tipo pêndulo.

  • Dispositivo adicional para o limitador da mola principal.

  • Dispositivo de configuração manual sem chave.

  • Um anel de suspensão com formato especial para transportar o relógio verticalmente no bolso.

  • Em geral, está em boas condições.

Embora este relógio não possa ser considerado uma obra de arte, a engenhosidade e as soluções técnicas aplicadas tornam-no numa peça muito interessante de coleção, que pode ser usada para estudar a história do desenvolvimento de dispositivos automáticos de corda de relógios mecânicos.


O sistema de carga é muito semelhante ao das máquinas automáticas "parachuts" posteriores. O que também chama a atenção é que os princípios aplicados a este movimento não sofreram mudanças drásticas, e ainda são usados ​​na maioria dos mecanismos de corda automática de hoje.


História do relógio automático


Depois de muitos anos a aperfeiçoar a arte da relojoaria, inventores de todo o mundo decidiram criar novos projetos mecânicos que permitissem que os seus relógios carregassem a corda sozinhos, permitindo que os utilizadores usassem os relógios sem medo de quebrarem a sua rotina diária de fornecer energia para suas máquinas de medição de tempo. Os primeiros esforços neste campo vieram da década de 1770, e depois disso, a produção de relógios automáticos espalhou-se pelo mundo.


Todos os relógios mecânicos são movidos pela energia da mola principal, que move as engrenagens e por sua vez, deslocam os ponteiros. Por causa da perda de energia da mola principal ao longo do tempo, os utilizadores tiveram que dar corda continuamente girando a coroa ou alimentando-o com chave. O relógio automático possui mecanismos que utilizam pesos excêntricos configurados em torno do pivô, que giram enquanto a pulso do utilizador se movimenta. Essa oscilação da massa criava o movimento circular do rotor (que está ligado a uma série de engrenagens à ligação final, com a mola principal) representam o visual básico de todo relógio automático do mercado. No entanto, os primeiros exemplos dessa tecnologia tiveram várias desvantagens que foram superadas nos últimos 300 anos de engenharia moderna. Por exemplo, formas de evitar o enrolamento excessivo da mola principal.


A história dos relógios automáticos começou na década de 1770 com as invenções do relojoeiro suíço Abraham-Louis Perrelet. Perrelet concebeu um dispositivo mecânico que poderia, através do seu cálculo, transferir a energia criada pelo movimento do corpo do utilizador em energia suficiente para alimentar o relógio automático durante 8 dias. No entanto, o design de relógio automatizado muito mais divulgado veio do inventor francês Hubert Sarton (1748-1828), que publicou os seus projetos em 1778 e conseguiu mostrar aos historiadores que os relógios de Perrelet foram inspirados no seu trabalho.


Em cima e abaixo Abraham-Louis Perrelet


Automático de Rotor Bidirecional


Invenção de Perrelet é a que mais se aproxima do actual sistema de realimentação automática que encontramos nos nossos relógios através da invenção do rotor bidireccional.




bidirecional. bidirecional.

3 imagens sugestivas do rotor bidireccional inventado por Perrelet


Um relatório para a Sociedade de Artes de Genebra em 1776 HB elaborado por Saussure dizia que "Mestre Perrelet, relojoeiro, fez um relógio de tal maneira que se enrola no bolso do usuário enquanto este caminha; quinze minutos de caminhada são suficientes para fazer a relógio funcionar oito dias. Devido a uma alteração no mecanismo, a continuação da caminhada não danifica o relógio."


Automático massa oscilante de suspensão horizontal


Em 1780, o relojoeiro Abraham-Louis Breguet comprou designs da Perrelet e fez várias melhorias, entre as quais a introdução da massa oscilante. No entanto, em 1800 interrompeu o seu fabrico, quando o público percebeu que os seus relógios não eram fiáveis.



Dois exemplares breguet com massa oscilante de suspensão horizontal


Breguet utilizou este sistema em vários dos seus célebres “perpetuélles”, inclusivamente no icónico Marie Antoinette.


O célebre Breguet Nº 160 mais conhecido por Marie Antoinette


Os relojoeiros de então chegaram à conclusão que os relógios automáticos de bolso eram uma complicação totalmente inútil, porque se o mecanismo era realimentado pelos movimentos, que tinham que ser amplos, dentro do bolso do colete essa movimentação era impossível.


A verdadeira revolução na indústria de relógios automáticos, veio após a Primeira Guerra Mundial, quando a manufatura avançada finalmente permitiu a produção de pequenos relógios de pulso com corda automática. Como o movimento dos ponteiros, fornecia muito mais poder cinético do que nos relógios de bolso, os engenheiros finalmente tiveram a oportunidade de transformar mais facilmente esse poder em mecanismos de mudança.


O primeiro automático de pulso


Este conceito veio a ser de novo retomado a partir da altura que os relógios passaram dos bolsos para os pulsos, primeiro como um LeRoy de 1922


O LeRoy automático de pulso de 1922


O automático de John Harwood



John Harwood


O primeiro relojoeiro que conseguiu fazer isso foi John Harwood, relojoeiro de Bolton, Inglaterra. Depois de reivindicar as patentes inglesas e suíças para relógios de pulso automáticos em 1923, Hardwood começou a produzir relógios na sua fábrica na Suíça em 1928, dando ao público europeu a chance de usar relógios com capacidade para 12 horas de trabalho depois de totalmente carregados.


Harwood automático de 1928 - mostrador e mecanismo


Outras marcas a utilizar a invenção de Harwood


Outros fabricantes de imediato abraçaram os designs de John Harwood e iniciaram uma era de aperfeiçoamento. A famosa empresa de relógios Rolex adicionou um novo sistema de pesos que pode se mover mais livremente e capturar muito mais energia a cada volta (até 35 horas de reserva quando totalmente carregado).


Rolex utilizando o mecanismo automático de Harwood


Em 1948, a Eterna Watch introduziu rolamentos de esferas nos designs de relógios automáticos, permitindo um controle muito melhor sobre os componentes internos e a capacidade de preservar a integridade estrutural do relógio, mesmo quando as forças externas atingiam níveis críticos (por exemplo, quando o relógio caía no chão).



Movimento Eterna (Calibre 1076H) com as características molas que servem de amortecimento aos impactos do rotor


Atualmente, a maioria dos relógios de pulso do mundo, usam corda automática, com apenas uma pequena percentagem de marcas que ainda fabricam relógios de corda manual. Alguns relógios automáticos adotaram a era digital, com rotores ponderados que giram dentro de pequenos geradores elétricos que armazenam a sua energia numa bateria recarregável a bordo (como é o caso do Kinetic da Seiko)


Movimento Kinetic da Seiko


História da Reserva de Marcha


Os indicadores de reserva de marcha foram introduzidos pela primeira vez em cronómetros marítimos. A capacidade de rastrear latitude e longitude dependia da precisão do relógio, de modo que uma reserva de energia era incrivelmente útil para lembrar a tripulação quando era hora de dar corda ao relógio.



Cronómetro de marinha Hamilton (exemplar do acervo do autor)


Este tipo de complicação não foi muito utilizada em relógios de bolso, principalmente dos séculos XVIII e XIV, uma das excepeções foi o Loehr apresentado acima.


O primeiro relógio de pulso a apresentar um indicador de reserva de marcha foi feito por Breguet em 1933, mas era um protótipo e levaria mais duas décadas até que a Jaeger-LeCoultre apresentasse o LeCoultre Futurematic. Foi o primeiro relógio sem coroa para dar corda na mola principal. Em vez disso, tinha um mecanismo deslizante na parte de trás para acertar os ponteiros. Também foi projetado para manter pelo menos seis horas de energia em todos os momentos.


LeCoultre Futurematic 1955


Lançado alguns anos depois, o LeCoultre Powermatic avançou no conceito Futurematic, concentrando-se apenas na complicação do indicador de reserva de energia. Uma abertura às 12 horas revelou um disco colorido, que exibia a energia restante na mola principal.



LeCoultre Powermatic


Pequeno problema


A potência fornecida pela mola principal não é totalmente constante. Normalmente, quando um relógio tem a corda totalmente dada, a potência fornecida é maior do que nas últimas horas da mola, o que significa que a mola do balanço estará sob pressões diferentes da mola principal. Isso pode levar a medições estranhas ao verificar a precisão do relógio no final da reserva de energia do relógio.




137 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo