top of page

Século XVIII, o século dos grandes relojoeiros (1ª Parte)

Por: Sílvio Pereira

 

Markwick, Markham, Perigal | 1720 | Mostrador em Prata | Caixa tripla | Latão



Platinas em latão, movimento de fuseé, escape de roda de reencontro (verge) com regulador tompion, galo com suporte em forma de “D”. Mostrador em prata. Pilares em forma de túlipa

 

Na continuação da divulgação da história da relojoaria, iniciada com 3 artigos referentes ao Século XVII, que já publiquei anteriormente, e a pretexto da apresentação do relógio acima, datado de 1720, que faz parte do acervo da colecção, decidi investigar um pouco mais a história da relojoaria do Século XVIII, considerado o século dos grandes relojoeiros.

Nesta primeira parte irei abordar a história dos relojoeiros, ou factos históricos ligados à relojoaria, desde o início do século até George Graham.

Essa investigação irá resultar numa série de artigos referentes à história relojoeira, e não só, desse século e que irei publicando ao longo dos próximos meses.


Boas leituras!

 


Século XVIII (primeira parte)




Durante o século XVIII, os relojoeiros Ingleses e Franceses continuaram a produzir uma grande quantidade de relógios, com crescente melhoramento em termos de qualidade e precisão. Os estilos distintos dos relógios desenvolvidos por cada um destes países foram sendo aperfeiçoados até o final do século, quando o intercâmbio entre eles aumentou, dando origem a um estilo mais uniforme de relógios grandes e planos.



Da esquerda para a direita: tulipa, egípcio, balaústre quadrado, balaústre redondo


Ambos os países, passaram por uma mudança de estilo nos pilares, afastando-se dos estilos tulipa e egípcio para o estilo de balaústres quadrados. No final do século XVIII, esse estilo tornou-se mais curto, fino e arredondado, em parte devido ao esforço para produzir relógios mais finos e planos. O uso de pilares tornou-se obsoleto à medida que novas configurações de movimentos assumiram o uso de pontes separadas, omitindo uma das placas. Esse sistema foi inventado pelo relojoeiro francês Jean – Antoine Lépine e aperfeiçoado por Abraham – Louis Breguet.


Embora especializados em produzir reproduções mais baratas de relógios franceses e ingleses desde o final do século XVII, os relojoeiros suíços começaram a entrar no comércio de movimentos em bruto (ébauches), exportando-os especialmente para França. Posteriormente, foram desenvolvidos centros de produção de relógios de alta qualidade, destinados principalmente aos mercados otomano e chinês. Alguns relojoeiros notáveis ​​destacaram-se, sendo a maioria associada a Jacques–Frédéric Houriet.








Em Inglaterra, os relógios mantiveram o galo de suporte único, mas o formato em “D”, tão em moda no final do século XVII, foi mantido apenas até cerca de 1710. A partir de então, o suporte ficou mais estreito e o diâmetro do próprio galo diminuído. Uma exceção foram os poucos relógios importantes e grandes construídos em torno do “H4” de John Harrison e os cronómetros de Thomas Mudge que tinham galos com dois suportes devido ao seu grande tamanho, lembrando o estilo holandês. Os ingleses mantiveram o seu sistema de enrolamento da corda traseiro em todos os relógios, mas adicionaram uma tampa que protegia o mecanismo da poeira assim que foi introduzido o escape de cilindro. A prata e o ouro como material dos mostradores foram substituídos por cobre esmaltado. Uma das contribuições inglesas mais importantes para obter precisão na cronometragem no início do século XVIII foi feita por George Graham, que aperfeiçoou o escape de cilindro e utilizou-o a partir de 1725/6. Graças aos seus aperfeiçoamentos, os relógios começaram a ser construídos mais finos e de menor tamanho.


As caixas permaneceram bastante simples, com gravuras ocasionais, como brasão no início do século. Isso mudou por volta de 1740, onde surgiram caixas de ouro e prata bastante elaboradas com um trabalho refinado. Os ingleses preferiam o seu sistema emparelhado, enquanto os franceses continuaram a produzir os seus movimentos num único estojo consular (1).


Da esquerda para a direita: Molde para construir a reprodução refinada dos versos das caixas. Dois exemplares de relógios ingleses de caixas "répousseé" em ouro. Museu Ashmoleam, Oxford


Durante a década de 1750, Thomas Mudge desenvolveu o escape de âncora e, paralelamente, o problema da longitude foi abordado por vários relojoeiros, inspirando John Harrison a desenvolver um dos relógios mais famosos da história: o “H4”. Outros relojoeiros simplificaram os conceitos de Harrison criando relógios 'Chronometer', os relógios de bolso mais precisos do seu tempo. John Arnold e Thomas Earnshaw iniciaram o aperfeiçoamento dos balanços termo-compensados na construção de cronómetros marítimos, alguns dos quais acompanharam as mais importantes expedições geográficas do século XVIII.


Andrew Dunlop, Londres, nº 505, ca. 1705



Andrew Dunlop, um talentoso relojoeiro registado entre 1701 e 1732, é conhecido pelas suas impressionantes criações em latão dourado. Um exemplo notável é este relógio com movimento verge fusée e regulador Tompion, adornado com um suporte do galo em forma de “D”, ligeiramente angulado. Este magnífico relógio exibe pilares de tulipa (2) como parte do seu design, embora o movimento não esteja a funcionar, e faltem o mostrador e os ponteiros.


Dunlop ficou famoso por fabricar o relógio de torre para Hawkley House, Blackwater em 1716, demonstrando a sua maestria na criação de relógios impressionantes. Além disso, também ficou conhecido como um hábil fabricante de relógios de caixa alta(3). Dunlop partilhou o seu conhecimento com alguns aprendizes, incluindo Conyers Dunlop, que começou a trabalhar como seu aprendiz em 1725.


Unificação da Grã-Bretanha 1707:


A união política que uniu os reinos da Inglaterra e da Escócia aconteceu em 1707, durante o reinado da Rainha Ana. Foi quando os Actos da União ratificaram o Tratado de União de 1706 e fundiram os parlamentos das duas nações, formando o Reino da Grã-Bretanha, que abrangia toda a ilha. Antes disso, existia uma união pessoal entre esses dois países desde a União das Coroas de 1603 sob as égides de Jaime VI da Escócia e Jaime I de Inglaterra.nstrui


r a decoração refinada dos versos

Como rainha regente, o brasão de armas de Ana antes da união (foto à esquerda) eram as armas reais dos Stuart, em uso desde 1603: quadrante I e IV grande quadrante, a azul três flores-de-lis em ouro (para a França) e três leões em guarda (para a Inglaterra); II, um leão rampante dentro de uma moldura florida (para a Escócia); III, a azul, uma harpa em ouro (para a Irlanda). Em 1702, Ana adotou o lema semper eadem (sempre o mesmo), o mesmo lema usado pela rainha Isabel I. Os Actos de União declaravam que: “as insígnias heráldicas do referido Reino Unido serão designadas por Sua Majestade”.


Em 1707, a união foi heraldicamente expressa pela colocação lado a lado no mesmo quadrante, das armas de Inglaterra e da Escócia, que antes estavam em quadrantes diferentes. As novas armas (imagem à direita) foram: quadrante I e IV, três leões dourados em guarda (para a Inglaterra) enquadrado por um leão rampante dentro de um duplo “tressure flory-counter-flory Gules” (para a Escócia); II, a azul, três flores-de-lis (para a França); III, a azul, uma harpa em ouro (para a Irlanda). Para a Escócia, foi usada uma forma separada de armas em forma de focas até o Acto de União.da


Robert Simkins, Londres, 1707/1714*



s caixas

Este é um requintado relógio em latão dourado, com movimento verge fusée (placa do mostrador 42,2 mm, 15,3 mm de altura entre placas) e regulador Tompion. O design apresenta um suporte de galo em forma de “D”, com brasão real e pilares egípcios (são elementos decorativos que refletem a influência da arquitetura egípcia antiga), que adicionam um toque de elegância ao conjunto. Inicialmente, o relógio possuía um mostrador “champlève” prateado, meticulosamente elaborado. No entanto, posteriormente, foi substituído por um mostrador de cobre esmaltado branco, que está quase perfeito na sua imaculada aparência. O galo é notavelmente gravado com as armas reais britânicas e ostenta o lema da Ordem da Jarreteira, “ONY SOIT QUI MAL Y PENSE” (que se envergonhe disso). Além disso, também se pode apreciar o lema “SEMPER EADEM” (sempre o mesmo) habilmente gravado. Na base do galo destaca-se um retrato gravado em perfil da rainha Ana, adicionando um toque de majestade e herança histórica.


O galo exibe o brasão da rainha Ana, após a unificação da Inglaterra e Escócia no Reino da Grã-Bretanha. No entanto, devido ao tamanho reduzido do galo, não é possível mostrar todos os detalhes dos quadrantes centrais do brasão. É provável que esta peça tenha sido criada como um item comemorativo da unificação em 1707, ou da rainha Ana após a sua morte em 1714.


Existem relógios comemorativos mais antigos que apresentam o brasão real, como os produzidos em memória de Guilherme III em 1702. Esses relógios geralmente exibem o brasão inglês e não costumam incluir retratos na base do galo. Embora exista um exemplar no Museu Britânico que foi construído para celebrar a coroação da rainha Ana em 8 de março de 1702, a peça aqui descrita é claramente posterior a esse período.


É improvável que este movimento, assim como outros semelhantes, tenham sido uma encomenda real, uma vez que a qualidade de fabrico não atende aos padrões normalmente exigidos. Além disso, a maioria das encomendas reais costumavam incluir a assinatura ou as iniciais do patrocinador, bem como uma dedicatória.


Exemplar proveniente de coleção particular, Lille


*Robert Simkins, aprendiz de John Beeckmann foi despedido da empresa de relojoeiros onde trabalhava em 02/05/1709. Foi aprendiz de 4 relojoeiros entre 1711 e 1721.


Rainha Ana 6.2.1665 – 1.8.1714



Ana ascendeu ao trono de Inglaterra, Escócia e Irlanda em 8 de março de 1702, tornando-se a rainha desses três reinos. No entanto, é importante destacar que a Escócia já possuía o seu próprio monarca, o rei Jaime VIII, que vivia exilado em França. A união entre a Inglaterra e a Escócia ocorreu através dos Atos da União, que consolidaram os dois reinos num único estado soberano conhecido como Grã-Bretanha.


Após a união dos dois reinos, Ana continuou a reinar como rainha da Grã-Bretanha e Irlanda até à sua morte em 1714.


Ana nasceu durante o reinado do seu tio Carlos II, que não teve filhos legítimos para o suceder. O seu pai, Jaime, era o próximo na linha de sucessão ao trono, mas o seu catolicismo era impopular em Inglaterra. Seguindo as instruções de Carlos, Ana foi criada como protestante. Três anos após a ascensão de Carlos, Jaime foi deposto na “Revolução Gloriosa” de 1688. O seu cunhado e primo protestante, Guilherme III, tornou-se monarca juntamente com a sua esposa, Maria II, irmã mais velha de Ana.


Embora as irmãs fossem próximas, surgiram divergências logo após a ascensão de Maria em relação a questões financeiras, status e escolha de companhias para Ana, o que as levou a distanciarem-se. Guilherme e Maria não tiveram filhos, e após a morte de Maria em 1694, Guilherme continuou como único monarca até ser sucedido por Ana após a sua morte em 1702.


Como rainha, Ana favoreceu os políticos conservadores moderados, que eram mais propensos a partilhar as suas opiniões religiosas anglicanas, em detrimento dos seus oponentes, os Whigs. Durante a Guerra da Sucessão Espanhola, os Whigs fortaleceram-se e ocuparam vários cargos importantes no governo. No entanto, em 1710, Ana demitiu muitos deles. Essa ação enfraqueceu os Whigs e consolidou o poder dos conservadores moderados no governo. A estreita amizade de Ana com Sarah Churchill, Duquesa de Marlborough, deteriorou-se devido a divergências políticas.


Ana foi atormentada por uma série de problemas de saúde ao longo da sua vida. A partir dos 30 anos, a sua condição física deteriorou-se progressivamente, resultando em dificuldades para caminhar e um ganho de peso significativo. Infelizmente, apesar de ter engravidado dezassete vezes, nenhum dos seus filhos sobreviveu, e ela tornou-se a última monarca da Casa de Stuart.


De acordo com os termos do Acto de Liquidação de 1701, Ana foi sucedida pelo seu primo em segundo grau, Jorge I da Casa de Hanover, que era descendente dos Stuart através da sua avó materna, Isabel, que era filha de Jaime VI. Em julho de 1714, o parlamento promulgou a Lei da Longitude e estabeleceu o Conselho de Longitude.


No dia um de agosto de 1714, infelizmente, a Rainha Ana faleceu. Foi sepultada ao lado do seu marido e filhos, na Capela Henrique VII, localizada no corredor Sul da Abadia de Westminster. A cerimónia fúnebre ocorreu em 24 de agosto.


Thomas Tompion 1639 – 1713


Thomas Tompion foi um relojoeiro de renome em Inglaterra do século XVII e XVIII, conhecido pela excelência em design e a alta qualidade de materiais. É considerado até hoje como o “Pai da relojoaria inglesa”.


Tompion empregou relojoeiros altamente qualificados, muitos dos quais eram huguenotes franceses e holandeses, a exemplo de Daniel e Nicholas Delander, Henry Callot e Charles Molyns, este último possivelmente relacionado com a família Windmills.

A habilidade dos relojoeiros de origem huguenote foi fundamental para a realização das exigências de Tompion em termos de mão de obra de alta qualidade, na qual ele fundamentou a sua reputação incomparável.


Tompion foi um dos primeiros membros da Clockmaker’s Company of London, onde ingressou em 1671 e tornou-se mestre em 1704, e foi um dos poucos relojoeiros a tornar-se membro da Royal Society. A sua contribuição para a relojoaria inglesa ainda é reconhecida na atualidade.


Na verdade, a oficina de Tompion construiu cerca de 5 500 relógios, de acordo com registos históricos. Não há informações precisas sobre o número exato de relógios que foram produzidos por Tompion pessoalmente, mas estima-se que ele tenha criado aproximadamente 650 relógios durante a sua carreira.

É importante notar que, na época de Tompion, o fabrico de relógios era um processo muito complexo e demorado, que exigia muita habilidade e precisão. Portanto, mesmo que ele não tenha criado pessoalmente cada relógio na sua oficina, a sua contribuição para a qualidade e reputação da produção de relógios ingleses foi inestimável.


Na verdade, a lei que limitava o número de aprendizes que um mestre poderia ter ao mesmo tempo não se aplicava aos membros da Clockmaker’s Company, da qual Tompion era um dos membros fundadores. Portanto, ele não precisava contornar a lei para ter vários aprendizes ao mesmo tempo. No entanto, é verdade que Tompion tinha uma reputação tão alta e era tão respeitado no seu campo que era capaz de atrair alguns dos melhores aprendizes disponíveis, incluindo George Allett, Edward Banger, Henry Callowe (Callot), Robert Creed, Daniel Delander, Richard Emes, Ambrose Gardner, Obadiah Gardner, William Graham (sobrinho de George Graham), George Harrison, Whitestone Littlemore, Jeremiah Martin, Charles Molins (Molyns), William Mourlay, Charles Murray, Robert Pattison, William Sherwood, Richard Street, Charles Sypson, William Thompson, James Tunn e Thomas White.


Alguns destes aprendizes alcançaram sucesso por conta própria, mas a orientação que receberam na oficina de Tompion contribuiu para o desenvolvimento das suas habilidades.


Tompion fez parceria com Edward Banger em 1701 até cerca de 1707 ou 1708, quando foi dissolvida em circunstâncias não muito claras.


Certamente, por volta de 1711, foi George Graham quem fez parceria com Tompion e algumas das suas produções posteriores são assinadas em conjunto e, misteriosamente, alguns relógios têm essa assinatura numa placa separada que se sobrepõe à de Tompion e Banger gravada na placa do mostrador.


Alguns relógios com a assinatura conjunta de Tompion e George Graham apareceram a partir de 1713, após a morte de Tompion. Graham assinou os relógios com o seu próprio nome e continuou a numeração da produção de Tompion.


Thomas Tompion, Londres, nº 4230, 1708




Este é um relógio excecional em latão dourado, com movimento verge fusée (placa do mostrador 41,8 mm, 10,7 mm entre as placas), conhecido pela sua precisão e fiabilidade. Possui um regulador Tompion, garantindo a precisão da medição do tempo. O relógio apresenta suporte do galo em forma de “D” angulada, adicionando um toque de elegância ao seu design. Os pilares egípcios esculpidos na estrutura conferem uma estética única.


Embora, infelizmente, o relógio não funcione, e faltem o mostrador e os ponteiros, o potencial deste relógio é notável. A placa superior ainda mantém o número do movimento servindo como um elemento de autenticidade e rastreabilidade histórica. Além disso, há uma nota riscada “Dashwood 1698 Jan 8”, que provavelmente se refere a Sir Francis Dashwood, 1º Baronete 1658 – 1724, possivelmente um proprietário anterior ou um detalhe importante na história do relógio. Também é possível identificar uma marca riscada: “Turpin 3 de outubro de 1817”, provavelmente indicando uma reparação ou manutenção realizado no passado.


Ex. Christie's, Londres, 7.10.1982, Lote 196


Richard Street, Londres, nº 633, 1710



Peça em latão dourado, possui um movimento verge fusée (39 mm de diâmetro, 14,5 mm entre placas) com pilares em balaústre quadrado e suporte do galo extremamente trabalhado. O verso da placa inferior está assinada “Ric (hard) Street London”.

Este movimento é muito raro, sendo um dos cerca de dez conhecidos deste fabricante, que foi aprendiz de Thomas Tompion.

Richard Street foi um relojoeiro inglês que viveu no século XVII. Foi aprendiz de Tompion e trabalhou com ele durante vários anos. Durante esse tempo, Street colaborou com Tompion na produção de movimentos de relógios de repetição, que eram considerados uma das especialidades da oficina de Tompion. Após deixar Tompion, Street abriu a sua própria loja em Londres e continuou a produzir relógios de alta qualidade. Mais tarde, acabou por ter problemas com a Clockmaker’s Company e foi afastado desta associação em 1687, por razões desconhecidas.


Christopher Pinchbeck I c. 1670 – 18.11.1732


Christopher Pintchbeck nasceu em Inglaterra, em 1670. Trabalhou em Londres e tornou-se um importante fabricante de relógios, órgãos e autómatos musicais. Em 1730, construiu um requintado relógio musical para o rei francês Luís XIV e, mais tarde, produziu um belo órgão para o Grande Imperador Mogol.


Pintchbeck também era conhecido por construir autómatos musicais que tocavam melodias e imitavam pássaros. Fabricou igualmente órgãos para o interior de igrejas que tocavam sozinhos a fim de economizar nas despesas com organistas. A certa altura, colaborou com Isaac Fawkes, um famoso mágico e ilusionista do século XVIII.


Pinchbeck construiu vários autómatos usados em festivais de Fawkes, incluindo os chamados “Moving Pictures”. Também é conhecido por ter criado a ilusão “Apple Tree”, realizada por Fawkes e considerada uma precursora da ilusão “Orange Tree”.


O metal que Pintchbeck inventou, uma liga de cobre e zinco, ficou conhecido como “Pintchbeck” em sua homenagem. Esse metal foi amplamente utilizado no século XVIII para produzir objetos de imitação de ouro e, por isso, o termo “pintchebeck” tornou-se sinônimo de qualquer joia ou objeto feito de substitutos do ouro.


Christopher Pinchbeck, Jr. (17101783) seguiu os passos do seu pai como artesão e tornou-se um relojoeiro de sucesso. O seu pai, também relojoeiro, foi nomeado pelo Rei Jorge III como fabricante de relógios para a corte, incluindo um importante relógio astronómico que atualmente se encontra no palácio de Buckingham.


Pintchbeck manteve um negócio próspero na Cockspur Street em Londres. Consta que em 1766, ele teria adquirido para Jorge III o primeiro relógio de bolso feito com um meio-fio de compensação.


Foi eleito membro honorário da Clockmaker’s Company em 1781 e morreu em 1783 aos setenta e três anos de idade.


Outro descendente de Christopher Pinchbeck foi William Frederick Pinchbeck. William escreveu o livro “O Expositor” em 1805.


Christopher Pinchbeck I, Londres, nº 284, ca. 1715




Estas imagens mostram um regulador Tompion de prata com suporte do galo em “D” e pilares quadrados. A borda dourada ao redor do mostrador é feita de uma liga de latão especial chamada Pintchbeck, inventada em 1721, que contém 89% de cobre e 11% de zinco, ou 93% de cobre e 7% de zinco. Essa liga tem uma aparência semelhante ao ouro. No entanto, a placa inferior do regulador tem um erro de grafia e foi gravada como “PINCHBECH” em vez de “PINTCHBECK”. Esses erros são comuns entre alguns gravadores.


O mostrador original do regulador era provavelmente feito de prata ou ouro, com uma técnica de gravação chamada “champlève”. A substituição atual é feita de cobre esmaltado e foi adicionada em meados do século XVIII. O vidro original ainda está presente e protege o mostrador da poeira.


A caixa externa do regulador é feita de latão dourado, mas não é feita de Pintchebeck. Ela apresenta um busto pintado de um rei ou príncipe. O interior da caixa externa apresenta uma impressão por transferência colorida feita à mão de uma dama. A caixa do relógio, é feita de latão dourado, apresenta no verso uma impressão por transferência colorida feita à mão do menino Jesus com um cordeiro. O pingente e o arco são substituições posteriores. Entre a caixa externa e a interna, há um bordado com flores e a data de 1797.


George Graham 7.07.1673 – 20.11.1751



George Graham foi um célebre relojoeiro inglês, inventor, geofísico e distinto membro da Royal Society. Como já foi referido, colaborou com o influente relojoeiro inglês Thomas Tompion durante os últimos anos da vida deste último. Graham é amplamente reconhecido pelas suas contribuições significativas no aperfeiçoamento do design do relógio de pêndulo. Foi o inventor do pêndulo de mercúrio, que revolucionou a precisão e a estabilidade dos relógios. Além disso, em 1715, Graham desenvolveu um escape aperfeiçoado, baseando-se na invenção de Richard Towneley na década de 1670.


Entre 1730 e 1738, George Graham, teve como aprendiz Thomas Mudge, que mais tarde se tornou famoso pela sua invenção do escape de âncora em 1755. Além do seu trabalho como relojoeiro, Graham também era conhecido pelo seu conhecimento em astronomia prática e pelas suas contribuições na área.


Graham projetou e construiu vários instrumentos astronómicos valiosos, muitos dos quais se tornaram referências na sua época. Entre as suas realizações notáveis, destaca-se a construção de instrumentos para Edmond Halley, como o grande quadrante mural no Observatório de Greenwich. Além disso, aprimorou o fino instrumento de trânsito e o setor zenital utilizados por James Bradley nas suas descobertas astronómicas.

Um dos seus feitos mais significativos foi a criação de um aparelho usado para medir um grau do meridiano. Esse instrumento foi oferecido à Academia Real de Ciências, demonstrando o compromisso de Graham com a precisão e a contribuição para o avanço científico.


Outra realização notável de Graham foi a construção do planetário mais completo conhecido naquela época. Esse planetário apresentava os movimentos dos corpos celestes de forma extremamente precisa e detalhada, proporcionando uma ferramenta valiosa para o estudo e a compreensão da astronomia.


Graham deu contribuições significativas para a geofísica. Em 1722/23, descobriu a variação diurna do campo magnético terrestre, além de estabelecer a relação entre as auroras e as variações desse campo. As suas bússolas de agulha eram amplamente utilizadas pelos magnetistas da época. Por volta de 1730, George emprestou cerca de 200 libras a John Harrison, a fim de que ele pudesse iniciar o seu trabalho no cronómetro marítimo, conhecido posteriormente como H1.

George era conhecido no comércio como “Honest George Graham”, devido ao fato de que ele se recusava a patentear as suas invenções, procurando torná-las acessíveis a todos os relojoeiros.


George Graham, Londres, nº 4573, 1713





Este é um relógio em latão dourado, apresentando um movimento verge fusée de placa completa (40 mm de diâmetro), caraterístico dos relógios de Graham. O relógio possui um galo perfurado e gravado, que exibe o rosto retratado de Graham, em contraste com a máscara grotesca usualmente encontrada neste tipo de relógios. Além disso o relógio possui uma placa deslizante. (componente utilizado em alguns tipos de relógios mecânicos para controlar funções específicas).


O movimento está equipado com um escape de roda de reencontro e um balanço de aço, cuja mola é azulada e mantida por um pino quadrado. Este modelo específico foi usado pela primeira vez por Tompion.


Na parte de trás do galo, encontra-se gravado um número de produção e igualmente na placa superior do relógio. Além disso, este movimento foi personalizado na oficina de Tompion, adicionando um toque único à peça.


É importante ressaltar que este é o primeiro relógio sobrevivente assinado apenas por George Graham, após a morte de Thomas Tompion em 1713. Embora tenha sido encontrado um registo anterior de um relógio atribuído a Graham, no livro-razão manuscrito da oficina de Benjamin Vulliamy, infelizmente essa peça está atualmente perdida.


George Graham, Londres, nº 5249, 1727



Este é um requintado relógio em latão dourado, destacando-se pelo movimento de cilindro de placa completa, (refere-se a uma placa de base usada em relógios mecânicos e serve como uma base sólida para montar os componentes internos do relógio) alojado em elegantes caixas de couro e ouro (diâmetro de 48mm). Possui pilares dourados inspirados na arquitetura egípcia, e está assinado por “G. Graham Londres”.


Uma caraterística marcante é o galo vazado (é uma placa ou ponte que possui recortes ou aberturas que permitem a visualização de certas partes do movimento), finamente gravado e adornado com “endstone” (em português pode ser traduzido como “Pedra do Fim”) de diamante. A tampa do mecanismo é maciço e gravado e com abertura na placa para visualização do disco regulador que é de prata.


O mecanismo conta com fusée e corrente, acompanhados por um tambor (é um cilindro oco que abriga uma mola principal, que é enrolada manualmente ou por meio de um rotor automático, acumulando energia). O balanço de aço simples, com três braços e mola espiral de aço azulado garantem a precisão do movimento. O tambor é de aço polido, enquanto a grande roda de escape é em latão.


O mostrador original foi fabricado em ouro e esmalte branco, apresentando numeração em algarismos romanos e arábicos. Os ponteiros são em ouro, sendo que o das horas tem a extremidade em forma de lira, enquanto o dos minutos é em formato de bastão.

A caixa exterior dourada, é elegantemente forrada com pele verde e decorada com alfinetes piqué dourados, adicionando um toque de sofisticação. No interior da tampa, encontra-se uma gravação com o número do movimento, uma caraterística típica da oficina Graham. Além do número do movimento, também podem ser observadas as iniciais “G G” de George Graham, delicadamente gravadas em letra cursiva abaixo do número, sugerindo o envolvimento pessoal de Graham.


Este é um dos primeiros 13 relógios conhecidos a apresentar o escape de cilindro que foi projetado por Tompion e patenteado por Edward Barlow, William Houghton e Tompion em 1695. No entanto, foi George Graham quem aperfeiçoou este tipo de escape por volta de 1725/26. Ele começou a usá-lo exclusivamente nos seus relógios com o tipo de escape de roda de reencontro a partir do número de produção 5182 e continuou até ao número 6590 em 1751.


Graham também foi responsável por introduzir o mostrador esmaltado branco (principalmente esmaltado em ouro) nos relógios de bolso em Inglaterra, quase ao mesmo tempo em que substituiu os escapes de cilindro por volta de 1726. Essa mudança marcou a substituição dos mostradores de prata “champlève” e ouro. Os exemplares originais de ouro esmaltado branco ainda existentes são extremamente raros. Além disso, Graham abandonou o uso de suportes de galo perfurados e placas laterais gravadas em favor de placas lisas assim que adotou os escapes de cilindro. Como resultado, passou a utilizar tampas de latão dourado, colocando o número de série gravado dentro do movimento, algo que não era comum nos seus relógios antigos. Todas essas mudanças também foram adoptadas pelos seus aprendizes e funcionários quando estes iniciaram os seus próprios negócios.


A introdução do escape de cilindro trouxe consideráveis melhorias na precisão dos relógios. No entanto, um dos únicos pontos negativos desse tipo de escape é que os seus componentes são bastante delicados e sensíveis a danos. Por essa razão, os relojoeiros franceses preferiram o escape de roda de reencontro, mais robusto, utilizado durante anos, até que Julien Le Roy começou a utilizar o escape de cilindro regularmente por volta de 1740.


 

Notas:


(1) Significado de “relógio de ouro em caixa consular”.

“Relógio de ouro”: Refere-se ao material utilizado no fabrico da caixa do relógio, que é feita de ouro. O ouro é um metal precioso valorizado pela sua durabilidade, brilho e resistência à corrosão.

“Caixa consular”: A expressão “caixa consular” pode referir-se a um estilo específico de caixa para relógios. Esse estilo geralmente é caraterizado por ter uma forma retangular ou quadrada, com cantos arredondados e um perfil elegante. Acredita-se que esse estilo de caixa tenha sido popularizado durante o século XIX, e o termo “consular” pode estar associado ao fato de ter sido utilizado por diplomatas ou pessoas de alto escalão na época.

Portanto, um “relógio de ouro com caixa consular” seria um relógio que possui uma caixa feita de ouro e segue o estilo de caixa consular, com um formato retangular ou quadrado, cantos arredondados e um perfil elegante. É importante ressaltar que essa é apenas uma interpretação geral do termo, e os detalhes específicos podem variar dependendo do contexto e das caraterísticas do relógio em questão.


(2) Pilares de túlipa são considerados elementos de design clássicos e são comumente encontrados em relógios antigos, especialmente nos estilos Rococó e Neoclássico.


(3) Relógios de caixa alta também conhecidos como “longcase clocks” em inglês ou “grandfather clocks”, são relógios verticais, tradicionalmente construídos com uma caixa alta, de madeira que abrigava o mecanismo do relógio. São caraterizados por terem um longo pêndulo visível e um mostrador (ou esfera) decorado com numerais romanos para indicar as horas

190 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page