top of page

Século XVIII, o século dos grandes relojoeiros (2ª Parte)

Por: Sílvio Pereira

 

T'Moore - London Nº 4550 | 1750 | Mostrador em Esmalte | Caixa dupla | Latão

Platinas em latão, movimento de fuseé, escape de roda de reencontro (verge) com regulador Graham, galo e suporte ricamente cinzelado. Mostrador em esmalte. Pilares quadrados

 

Nesta 2ª parte da história da relojoaria do Séc. XVIII, vamos continuar a descrever de forma minuciosa as evoluções técnicas operadas neste século assim como os relojoeiros mais influentes que operaram durante este século.

O nome de Thomas Mudge deverá figurar sempre como um dos expoentes máximos da relojoaria não só pelo que a sua mestria acrescentou à evolução desta arte mas também pelo facto de ter inventado o escape de âncora que ainda hoje, passados quase 300 anos da sua invenção, equipam grande parte dos relógios, quer de pulso, bolso, mesa, parede ou pé.

Este e outros relojoeiros do Século XVIII irão estar presentes no artigo que agora apresentamos e esperamos que gostem.


Boas leituras!

 

Século XVIII (segunda parte)



Sucessores de George Graham


Thomas Colley, um dos funcionários de Graham, foi escolhido por este como sucessor após a sua morte em 1751. Colley contratou Simon Barkley, que foi igualmente empregado de Graham, como seu sócio. No entanto, após a morte de Barkley em 1753, John Priest, outro funcionário de longa data de Graham, assumiu o lugar de Barkley ao lado de Colley.

Pressupõe-se que Justin Vulliamy tenha visitado a oficina de Graham para aprender mais acerca do escape de cilindro. Entretanto, Larcum Kendall, que por sua vez trabalhou para Graham ao longo de vários anos no fabrico de escapes de cilindro é muito provável que tenha continuado a trabalhar com Thomas Mudge. Mudge, que tinha sido aprendiz de Graham, tornou-se independente em 1748 e, em 1755, convidou William Dutton, também aprendiz de Graham, para seu sócio.


Embora Mudge representasse a qualidade e a criatividade de Graham incompreensivelmente, não foi escolhido como seu sucessor. No entanto, podendo tornar-se um paradoxo, Mudge e Graham partilhavam um caráter tranquilo e humilde e profundos conhecedores de todos os meandros da relojoaria.


Todos os ex-trabalhadores e funcionários da oficina de George Graham, incluindo Larcum Kendall, adotaram as mesmas configurações de movimentos e tradições de fabrico quando iniciaram os seus próprios negócios.


Todos os relógios com escape de cilindro produzidos por estes relojoeiros possuíam escapes de cilindro feitos de latão, e a maioria manteve os 13 dentes na roda de escape e a mesma inclinação do pino do cilindro[1].


Além disso, utilizavam igualmente mostradores esmaltados, muitos deles em ouro, especialmente as peças de Mudge. Todos os relógios por eles produzidos tinham galos com suportes maciços gravados e placas laterais sólidas e igualmente com gravações. Os centros dos galos eram adornados com grandes pedras preciosas, normalmente de diamante, presas por um disco de aço redondo azulado ou, noutros casos, polido, fixado por dois parafusos.


Da mesma forma, todas as tampas protectoras do mecanismo de latão dourado eram assinadas no mesmo estilo, e a maioria delas apresentava o número do movimento gravado em diferentes locais, como na parte de trás do galo ou na placa superior.


Muitas dessas tradições foram mantidas pelos sucessores de Graham, incluindo Mudge & Duttons, até o início de 1800. Por exemplo, alguns movimentos fabricados por Matthew Dutton, filho de William Dutton, ainda seguiam essas práticas.


Thomas Colley, Londres, nº 6648, 1755





Este é um relógio com tampa em latão dourado. O seu movimento é baseado no escape de cilindro, placas com um diâmetro de 40mm, e apresenta o galo com suporte não perfurado. A caixa do relógio possui uma gravação simétrica centrada, adornada com uma pedra angular de diamante.

No interior da tampa, é possível encontrar o número do movimento gravado, o que é um costume típico da oficina Graham. O relógio possui escape de cilindro dead-beat[2]

mantendo a inclinação Graham original, com escape de latão com 13 dentes. Além disso, possui balanço de aço e mola de balanço de 3 voltas em aço azulado.

A placa traseira está gravada “Grahams Succ. (esso)r London 6648”, enquanto a tampa de protecção do mecanismo apresenta a gravação “Graham's Succ. Tho. Colley London”. Posteriormente, o movimento foi "ampliado" com placas de latão mais largas e mostrador em esmalte branco feito sob medida.


É importante ressaltar que este movimento é uma das primeiras peças fabricadas após a morte de George Graham, uma vez que a última peça assinada por ele é a nº 6590. Os movimentos posteriores foram assinados como “Sucessores de Grahams”.


No total, existem apenas cerca de dez movimentos conhecidos assinados por Colley sozinho ou em parceria com Samuel Barkley ou posteriormente, com John Priest.


John Priest, Londres, nº 222, 1760




Relógio em latão dourado, peça requintada que apresenta movimento fusée de placa completa (diâmetro de 35,5 mm). Os seus pilares de balaústre redondos conferem-lhe uma estética elegante e sofisticada. Um dos destaques é o suporte e respectivo galo finamente gravados, adicionando um toque artístico e detalhado ao design.

No centro do galo, há um deslumbrante diamante, que captura a luz de maneira cintilante, acrescentando um elemento de luxo e exclusividade a esta peça. A placa traseira ostenta a assinatura “John Priest London 222”, indicando a origem e a autenticidade do movimento.


É interessante notar que este relógio é um dos poucos conhecidos fabricado por este importante relojoeiro .


Thomas Mudge (9.1717 – 14.11.1794)



Thomas Mudge foi o segundo filho de Zachariah Mudge e Mary Fox, nascido em Exeter. Quando tinha cerca de 14 ou 15 anos, foi enviado para Londres a fim de se tornar aprendiz de George Graham, um importante relojoeiro que tinha sido discípulo de Thomas Tompion. A oficina de Graham encontrava-se localizada em Water Lane, Fleet Street. Após obter a qualificação como relojoeiro em 1738, Mudge começou a ser contratado por importantes comerciantes de Londres.


Durante o seu trabalho na criação de um relógio de equação extremamente complicado, encomendado pelo eminente John Ellicott, Mudge foi referenciado como um relojoeiro de enormes potencialidades. Como resultado, foi contratado diretamente para fornecer relógios ao rei Fernando VI de Espanha. Mudge foi reconhecido por ter produzido pelo menos cinco relógios para o rei Fernando, incluindo um relógio que tinha a função de repetir os minutos, os quartos e as horas.


Em 1748, Mudge estabeleceu-se na 151 Fleet Street, e começou a anunciar vagas de emprego após o falecimento do seu antigo mestre, George Graham, em 1751. Embora não tenha sido o sucessor direto de Graham, foi Mudge quem aperfeiçoou os princípios e técnicas desenvolvidos pelo seu mentor. O seu trabalho excepcional rapidamente lhe rendeu uma reputação notável como um dos mais proeminentes ​​relojoeiros ingleses da época.


Em 1753, Thomas Mudge casou-se com Abigail Hopkins de Oxford, com quem teve dois filhos. É altamente provável que William Dutton, outro aprendiz de Graham, tenha trabalhado para Mudge desde a altura em que este abriu a sua oficina. Por volta de 1765, Mudge contratou William Dutton como seu sócio, e a partir desse momento, todos os trabalhos subsequentes foram realizados sob a marca “Mudge & Dutton”. Enquanto Mudge supervisionava a produção de relógios, William Dutton assumiu a gestão dos negócios.


Por volta de 1755, ou talvez até antes, Mudge inventou o escape de âncora, aplicando-o pela primeira vez num relógio. Este escape pode ser considerado a maior inovação individual já feita em relojoaria desde a invenção da mola de balanço. Atualmente, continua a ser um recurso presente em quase todos os cronómetros de bolso e pulso.



Conde Hans Moritz von Brühl (20/12/1736– 09/06/1809)


Em 1760, Mudge foi apresentado ao Conde Hans Moritz von Brühl (20/12/1736– 09/06/1809), enviado extraordinário da corte da Saxônia, que desde então se tornou um patrono constante.


Em 1765, Mudge foi convidado pelo Conselho de Longitude como especialista para ajudar na análise do H4 de Harrison. Surgiu uma discussão com o Conselho, pois Mudge falou abertamente sobre os detalhes da construção do H4 ao relojoeiro francês Ferdinand Berthoud, que queria aproveitar as informações sobre essa construção para integrá-las no seu próprio trabalho de cronómetros marítimos.


Mudge, como George Graham antes dele, era uma pessoa honesta, humilde e altruísta, que nunca quis patentear as suas invenções. Considerava a cópia das suas obras uma honra. É nesse contexto que a divulgação dos detalhes da construção do H4 para Berthoud deve ser entendida, pensado em incentivar o desenvolvimento do melhor cronómetro possível.


Em 1765, Mudge publicou o livro “Reflexões sobre os meios de melhorar os relógios, particularmente aqueles para uso no mar”. É conhecido que, Larcum Kendall trabalhou para Mudge durante muitos anos. A maioria dos relógios com acabamentos superlativos podem ter sido feitos por ele.


Em 1771, devido a problemas de saúde, Mudge deixou os negócios ativos e saiu de Londres indo morar para Plymouth com o seu irmão, Dr. John Mudge. A partir dessa data, Mudge trabalhou no desenvolvimento de um cronómetro marítimo que atendesse aos novos requisitos rigorosos do Conselho de Longitude, que haviam sido alterados em 1765 após o trabalho anterior de John Harrison. Enviou o primeiro deles (veja abaixo) para avaliação em 1774 e recebeu 500 guinéus pelo seu projeto.


Mudge completou outros dois entre 1776 e 1779 (“Verde”: 1777, “Azul”: 1776–1779), na tentativa contínua de satisfazer os requisitos cada vez mais difíceis, estabelecidos pelo Conselho de Longitude. Foram testados pelo astrónomo real Nevil Maskelyne, e declarados como insatisfatórios. Seguiu-se uma controvérsia na qual foi alegado que o critério de Maskelyne não havia sido justo. Uma controvérsia semelhante surgiu quando a John Harrison, foi negado o valor total do prémio de 1714 pelo Conselho de Longitude.

Eventualmente, em 1792, dois anos antes da sua morte, Mudge recebeu 2500 libras de um Comité da Câmara dos Comuns que decidiu a favor de Mudge e contra o Conselho de Longitude, então chefiado por Sir Joseph Banks.


À esquerda: Thomas Mudge, 'Green', 1777, Museu Marítimo de Greenwich. À direita Thomas Mudge, 'Azul', 1776 – 1779, 12,25 cm de diâmetro: Staatliche Kunstsammlungen Dresden.


Em 1770, Jorge III comprou um grande relógio de ouro produzido por Mudge, que incorporava o escape de âncora. Deu-o de presente à sua esposa, a rainha Carlota.

Este relógio ainda permanece na coleção real do Castelo de Windsor.


Em 1776, Mudge foi nomeado relojoeiro do rei.


Thomas Mudge, 1770: relógio com escape de âncora. Foto tirada e modificada: timezone.com, coleção real de HM Queen Elisabeth II.


A importância de Thomas Mudge na evolução da relojoaria é altamente subestimada e a sua importância para o desenvolvimento da relojoaria foi ofuscada, principalmente pelo sucesso e publicidade de John Harrison. Apesar disso é consensual que nenhum outro relojoeiro na época alcançou a qualidade de fabrico da empresa Mudge & Dutton.


Thomas Mudge, Plymouth, nº 1, 1774


Thomas Mudge, 1774, cronómetro marítimo nº 1, Museu Britânico (1958,1006.2119). Fotos tiradas e modificadas: British Museum, Londres



Thomas Mudge, cronómetro marítimo, nº 1, 1774, 13,25 cm de diâmetro; acionado por mola; movimento de oito dias; alimentado por duas molas principais separadas e alojadas num único tambor, escape de âncora de Mudge; compensação de temperatura obtida pelo uso de volante bimetálico; mostradores de esmalte separados: mostrador de minutos e equivalentes em graus à esquerda, horas e graus à direita, segundos em baixo; a diferença entre a hora local (estabelecida pela observação) e a hora de Greenwich (exibida pelo cronómetro) dá a longitude; caixa de mogno octogonal com tampo, fundo e laterais envidraçadas; caixa de mogno octogonal exterior. Foto tirada e modificada: British Museum (158, 1006.2119), Londres.


Este cronómetro foi enviado para um parecer em Greenwich, onde foi amplamente esquecido e mal avaliado. A mola de balanço partiu-se duas vezes e houve denúncias de que havia caído, por isso foi excluído da competição pelo prémio de Longitude, mesmo tendo sido considerado o mais preciso de todos os candidatos.

Mudge gastou todas as suas economias em pesquisas sobre cronómetros marítimos e, é provável que também, tenha prejudicado a sua própria saúde. Nem sequer conseguiu comprar uma caixa de metal para proteger o seu cronómetro, que agora está guardado numa bela caixa de mogno envernizada.


Deve-se enfatizar que este cronómetro marítimo feito em 1774 por Thomas Mudge permaneceu o mais preciso até 1887.


Thomas Mudge, Londres, nº 494, 1765





Este magnífico relógio é uma verdadeira obra-prima em latão dourado, projetado com movimento fusée de placa completa (47 mm de diâmetro), o que demonstra a atenção meticulosa aos detalhes e a habilidade artesanal envolvida na sua criação.

Os pilares que o sustentam são esculpidos de forma quadrada, num elegante balaústre, o que lhe confere uma aparência refinada e imponente. O galo e respectivo suporte estão finamente gravadas, adicionando um toque de sofisticação ao design.

Uma caraterística notável é a pedra em diamante que se encontra no centro do galo, que coroa o relógio, conferindo-lhe uma extrema beleza e um toque de luxo incomparável. A placa traseira está assinada, “Thomas Mudge London 494”, indicando a origem, a qualidade e a autenticidade. Este detalhe adiciona história e tradição, interligando-o aos talentosos relojoeiros artesãos de Londres dessa época.


Quanto ao mecanismo, possui escape de cilindro tipo Graham, com inclinação original, demonstrando uma escolha técnica refinada com o objectivo de otimizar o desempenho e a precisão. Além disso, foi utilizada uma roda de escape em latão com 13 dentes, que também contribui para um funcionamento suave e preciso.


A tampa protectora do mecanismo, assim como o restante corpo do relógio, é em latão dourado igualmente assinada “Thomas Mudge London 494”, seguindo a prática comum da oficina de Graham. Este detalhe adiciona autenticidade e é uma homenagem à tradição e ao legado do famoso relojoeiro.


No conjunto, este relógio é uma peça de arte relojoeira que combina beleza com excelência técnica.


Thomas Mudge, posteriormente, estabeleceu-se em Londres numa parceria com William Dutton, consolidando a sua reputação como relojoeiro de excelência. Embora a empresa continuasse a atrair os melhores finalizadores de relógios da cidade, é raro encontrar peças com o nome exclusivo de Mudge.


Um exemplo notável desse período produtivo foi o desenvolvimento de um movimento na década de 1760, que recebeu reconhecimento devido ao impressionante trabalho prévio feito para John Ellicott. Igualmente neste período teve a honra de contar com o rei de Espanha entre os seus clientes.


Nesse mesmo ano, Mudge foi nomeado especialista do Conselho de Longitude, destacando o seu conhecimento e talento na área.


No entanto, a carga de trabalho intensa começou a afetar a sua saúde, levando-o a reformar-se e procurar refúgio junto do irmão, um eminente médico, em 1770/71.

Após a reforma, Mudge produziu o mais belo, surpreendentemente e preciso cronómetro marítimo.


William Dutton (1738-1794)


William Dutton, filho de Matthew Dutton de Marston em Buckinghamshire, tornou-se aprendiz de George Graham a partir do dia 5 de janeiro de 1738 e concluiu a formação em 7 de julho de 1746.


Iniciou o seu trabalho como funcionário da Clockmakers Company em 1766, onde permaneceu até 1794.

É presumível que Dutton tenha começado a trabalhar para Thomas Mudge, no início da abertura da oficina deste, em 1748. Estima-se que estabeleceram uma parceria por volta do ano de 1765, com Dutton a responsabilizar-se pela produção de relógios.


Em 1771, quando Mudge se reformou devido a doença, Dutton assumiu todo o negócio.

Durante algum tempo, a empresa permaneceu sob o mesmo nome, mas no final da década de 1780, Dutton passou a assinar o trabalho como “William Dutton” ou “W. Dutton”.


Durante um curto período de tempo, administrou a empresa em conjunto com os seus dois filhos, Matthew e Thomas, e as obras passaram a ser assinadas como “W. Dutton & Filhos”.


Thomas Mudge & William Dutton, Londres, nº 1392, 1790






Este é um elegante relógio, em latão dourado, habilmente trabalhado. Possui um excecional movimento fusée de placa completa (46,5 mm de diâmetro), um testemunho de alta qualidade artesanal. Os pilares em balaústre, quadrados e adornados, acrescentam um requinte clássico, enquanto o galo, finamente gravado, demonstra um cuidado artístico singular. Como toque de brilho e luxo, o centro do galo está adornado com um deslumbrante diamante.

A placa traseira ostenta a prestigiosa assinatura, “Thomas Mudge William Dutton London 1392”. Essa marca é uma garantia de tradição relojoeira e habilidade excecional. No interior do movimento encontramos um escape de cilindro tipo Graham com inclinação original, que garante um desempenho notável. Além disso, a roda de escape em latão com 13 dentes, é um testemunho do cuidado meticuloso empregue na criação deste relógio.

O mostrador, uma verdadeira obra-prima em ouro esmaltado, destaca-se pelo estilo original e único, conhecido como “besouro tardio”[3].

As nuances e detalhes sutis do esmalte conferem ao mostrador uma beleza incomparável, enquanto os ponteiros projetados em formato de póquer, acrescentam um toque de sofisticação lúdica.


A tampa protectora do mecanismo, também em latão dourado, exibe orgulhosamente a assinatura “Thomas Mudge William Dutton London”, gravada com o número 1392, seguindo a tradição da oficina de Graham. É interessante notar que, a partir do nº 1448, os movimentos foram assinados por William Dutton & Sons, marcando uma transição na produção dessas peças icónicas. Um fato curioso a destacar é que, durante a criação deste movimento, Mudge enfrentava problemas de saúde e já havia deixado as suas instalações em Londres para se juntar ao irmão. Portanto, este relógio representa uma das últimas obras assinadas pelo mestre Thomas Mudge.


Esta é uma peça que personifica o legado da alta relojoaria clássica e atrairá os apreciadores mais exigentes.


William Dutton, Londres, nº 1363, 1790


Este magnífico relógio em latão dourado apresenta movimento fusée de placa completa (42 mm de diâmetro), demonstrando a maestria artesanal envolvida no fabrico. Os pilares quadrados em balaústre conferem uma elegância clássica, com o galo finamente gravado que adiciona um toque de requinte. A pedra no centro, um brilhante diamante, coroa o conjunto com um toque de luxo e distinção.


A placa traseira ostenta a assinatura “William Dutton London 1363”, um testemunho da origem e qualidade. O movimento possui um escape de âncora, apresentando uma roda em latão ampliada, que combina funcionalidade e beleza de forma excecional. Diferenciando-se de outras peças, este movimento é notável por possuir exclusivamente a assinatura de Dutton, revelando singularidade no universo relojoeiro.

O mostrador, confecionado em cobre esmaltado, exibe uma encantadora tonalidade creme, aplicada posteriormente para realçar a sua beleza. Com atenção aos detalhes, cada marcação no mostrador foi meticulosamente executada, refletindo a sofisticação presente em todos os elementos deste exemplar admirável.

Esta é verdadeiramente uma obra de arte, que combina técnica, design e exclusividade. A estrutura do movimento é garantia da habilidade e talento dos mestres Mudge e Dutton. Além disso, as peças do mecanismo demonstram uma numeração única, distanciando-se do padrão tradicionalmente associado a escapes de cilindro.


(François) Justin Vulliamy 1712 – 1797



Justin Vulliamy nascido na Suíça, fez uma viagem a Londres por volta de 1730, ansioso por aprimorar as suas capacidades como relojoeiro. Na capital inglesa teve a honra de se tornar aprendiz de Benjamin Gray, um notável mestre relojoeiro que desfrutava de grande prestígio na época.


Gray, cujo talento era amplamente reconhecido, foi agraciado com o título de relojoeiro do rei Jorge II em 1742, o que atesta a sua admirável habilidade e reputação.


É possível que durante essa época Vulliamy tenha tido a oportunidade de estabelecer contato com a oficina de George Graham, com o objetivo de aprofundar a sua compreensão sobre o escape de cilindro. Essa colaboração com Graham proporcionou a Vulliamy uma expansão da experiência e perícia no campo da relojoaria, enriquecendo o seu conhecimento técnico.


Por volta de 1743, Justin Vulliamy casou com Mary, filha de Benjamin Gray, e juntos estabeleceram uma parceria, assinando o trabalho com os dois nomes. Essa união, tanto pessoal como profissional, culminou na criação da própria oficina no Nº 68 de Pall Mall, Londres, onde perpetuaram o legado da família Gray, mantendo a tradição e elevando a arte da relojoaria a novos patamares.


Vulliamy e Gray foram pioneiros em Londres ao adotar o escape de cilindro desenvolvido por George Graham, demonstrando comprometimento em empregar as técnicas mais avançadas e inovadoras na prática relojoeira.


Após o falecimento de Benjamin Gray em 1764, Justin Vulliamy assumiu a responsabilidade total pelos negócios e começou a assinar os trabalhos exclusivamente com o seu próprio nome, “Justin Vuillamy”, marcando independência e liderança na continuidade da notável oficina. Posteriormente, um dos filhos de Justin Vulliamy, Benjamin Vulliamy, assumiu a gestão do empreendimento familiar, assegurando a perpetuação da tradição e excelência dos relógios Vulliamy.


O código de letras Gray/Vulliamy:


Desde o início, Benjamin Gray introduziu um código de letras específico para numerar os movimentos enquanto trabalhava por conta própria.


Geralmente, os códigos de letras podem ser facilmente convertidos numa sequência numérica usando uma chave lógica. No entanto, o código de letras Gray/Vulliamy, é excecionalmente complexo e até agora apenas uma pequena parte dele foi decifrada.


Inicialmente, usavam um código de três letras, mas por volta de 1812 mudaram para um código de quatro letras, tornando-o ainda mais enigmático. Além disso, Benjamin demonstrava o seu talento para jogos de palavras ao utilizar assinaturas alternativas no seu trabalho durante a produção.


Duas dessas assinaturas eram “Fras Risdon”, uma combinação de Fra (nçoi)s, que era o nome de família suíço do pai de Benjamin, e “Risdon, que era o sobrenome de solteira da esposa de Benjamin Gray, Maria Risdon. A outra assinatura alternativa é “J Gray”, que obviamente combina o primeiro nome do pai de Benjamin, “Justin, e o sobrenome do seu avô Gray.


O uso dessas assinaturas demonstra o profundo compromisso e orgulho que Benjamin tinha em relação às origens da dinastia relojoeira Vulliamy. É provável que, para descriptografar o código de letras, esses nomes precisem de ser levados em consideração.


Além do código de letras, Benjamin e a sua equipa também utilizavam códigos numéricos, que não seguiam necessariamente uma sequência lógica. Esses códigos numéricos eram frequentemente empregues em trabalhos de qualidade inferior.


Benjamin Gray & Justin Vulliamy, Londres, Código: ois, ca.1745



Este magnífico relógio em latão dourado (36mm de diâmetro) apresenta movimento de cilindro, com roda de escape também em latão e tipo Graham.

Os pilares são em balaústre quadrados, adicionando um toque elegante ao design. A roda de balanço é em aço e possui mola de balanço em espiral, garantindo a precisão e o bom funcionamento.


O mostrador original é em ouro com esmalte “veneziano”, um tipo de esmalte que requer temperaturas elevadas durante o processo de cozedura, em comparação com o esmalte convencional (usado por George Graham). Essa escolha de material demonstra a atenção aos detalhes e a qualidade excecional deste relógio. Outros materiais utilizados ​​nos mostradores não teriam resistência suficiente para suportar as elevadas temperaturas necessárias no fabrico do esmalte veneziano.


Os algarismos romanos e arábicos são pintados em preto e possuem pontos dentro da faixa de minutos, caraterísticas típicas da produção de Gray/Vulliamy.

Acredita-se que este movimento seja um dos primeiros conhecidos, desenvolvidos pelos credenciados parceiros Gray/Vulliamy.


Benjamin Gray & Justin Vulliamy, Londres, Código: nco, ca.1750



Relógio com movimento de cilindro em latão dourado (41x35mm), roda de escape em latão com 13 dentes e regulador tipo Graham. Além disso, possui placas em forma de ovo e pilares em balaústre.

Segundos excêntricos localizados às 6 horas num submostrador independente. Infelizmente, faltam algumas peças importantes, como o galo, o regulador, a placa lateral, a placa do mostrador, o fusée, a corrente, o balanço e a mola espiral.


Foto tirada e modificada posteriormente: Sotheby's, Obras-primas do Museu do Tempo Part 2, NY, 19.06.2002, lote. 18


Existem apenas cerca de quatro relógios conhecidos com formato de ovo. Dois deles estão guardados no (British Museum, Londres, Time Museum, Rockford, Ilinois (último vendido: “Masterpieces from the Time Museum”; Sotheby's New York, junho de 2002, por 45.000 $).


Benjamin Gray iniciou o fabrico destes relógios com formato irregular antes de se associar a Justin Vulliamy em 1743. A versão mais antiga deste tipo de relógios não é exatamente em forma de ovo, mas parecida com um escudo. Tanto a forma de escudo como a forma de ovo conferem ao relógio um visual elegante, com um grande mostrador de segundos localizado às 6 horas característico de qualquer um deles, o que chama a atenção e sugere grande precisão. A confeção das placas em forma de escudo ou ovo era um processo manual, o que o tornava bastante trabalhoso e desafiador.



 

Notas:


[1] Significa que esses relógios específicos foram fabricados com um cilindro cuja roda de escape era composta por 13 dentes, que são usados para accionar esta roda. A inclinação por pino no cilindro refere-se à forma como o cilindro é inclinado em relação à roda de escape para garantir o engate adequado dos dentes e a transferência adequada de energia para regular a marcha do relógio.


[2] Também conhecido como “escape de cilindro de retenção” é um escape que permite que o relógio avance em “saltos” precisos de tempo


[3] Refere-se a um mecanismo de escape que possui um movimento semelhante ao de um besouro que se move lentamente




164 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page