top of page

Triplo Calendário | Fases da Lua | Aço Revenido Polido | 1895

Série: GRANDES COMPLICAÇÕES


 

Por: Sílvio Pereira

 

Triplo Calendário com fases da lua - 1



- Relógio de Bolso tipo Lepine de grande formato. Triplo Calendário com fases da lua. Datado de 1895

- Funções: Horas, minutos, segundos, dia do mês, dia da semana, mês e fases da lua

- Número de Série: Não tem

- Manufactura: Anónimo

- País - Suíça

- Calibre: Formato Pontes clássicas. S/ número

- Protecção do movimento: Guarda pó em aço revenido.

- Tipo de Escape: Âncora Suíça

- Balanço: Bimetálico termo-compensado, com espiral Breguet

- Reserva de Marcha: 36 horas

- Frequência: 18000 A/h

- Rubis: 15

- Material da caixa: Aço revenido polido

- Mostrador: esmalte sem imperfeições ou cabelos

- Pequenos segundos: às 6 horas

- Dias do mês: às 9 horas

- Meses: às 12 horas

- Dias da Semana - 3 horas

- Fases da lua: às 6 horas

- Diâmetro da caixa: 66,2 mm

- Espessura: 21,9 mm

- Peso: 199 g

- A mola real é accionada através de coroa às 12 horas.

- Ponteiros: estilo Luís XV. Accionados pela coroa com pitão de desbloqueio da tige à 1 hora.

- Numerais: romanos para as horas, arábicos para para os intervalos de cinco minutos e indexes estilo "chemin de fer" para os restantes .

- Segundos: arábicos para para os intervalos de cinco e indexes para os restantes.

- Vidro: em óptimo estado.

- Numeração da tampa de caixa: não tem


Apreciação geral - Relógio de triplo calendário com fases lunares em imaculado estado de conservação.

 

Triplo Calendário com fases da lua - 2



 

O relógio com calendário


Todos sabemos que o ano tem 365/6 dias, meses com diferentes números de dias e, um deles, o Fevereiro, também muda de quatro em quatro anos. Conforme se pode entender rapidamente, este foi um verdadeiro problema para a criação de relógios que pretendem apresentar não apenas a hora, mas também a data.


A criação do calendário


A divisão do calendário por meses começou com os romanos. Na antiguidade, tinham um ano dividido em dez meses diferentes, mais alguns períodos intercalados. Curiosamente, a duração do ano era decidida pelo Pontifex (um membro de um conselho de sacerdotes na Roma antiga). Como seria de esperar, esse sistema gerou uma grande confusão.


Com Júlio César (100 a.C. - 44 a.C), que era Pontifex Maximus em 46 a.C., o calendário foi reformulado para ser mais preciso. O novo sistema, chamado calendário Juliano, era mais preciso e composto por 12 meses.


Primeiro calendário Juliano


Além dos tradicionais dez meses, com Fevereiro de 28 dias, os dois novos foram nomeados para homenagear a dinastia César. É por isso que os dois novos meses assumiram os nomes de Julho e Agosto, correspondente aos dois imperadores Júlio e Augusto que formaram a dinastia César.


Estes dois novos meses tornaram os outros quatro meses, até ao final do ano, imprecisos quanto ao significado do seu nome. Setembro, que era o sétimo mês, como o seu nome deriva de “Setembro”, tornou-se o nono, e assim por diante.


Este novo sistema era muito mais preciso do que o anterior. No entanto, não teve em consideração que o tempo solar é seis horas superior ao que o previsto pelo calendário juliano “básico”.


Este problema foi resolvido apenas 1500 anos depois.


O calendário que usamos hoje foi introduzido em 1582 pelo Papa Gregório XIII (1502-1585) e foi uma atualização do Calendário Juliano, é nomeado “Gregoriano” em sua homenagem.


Papa Gregório XIII


Ese sistema foi introduzido depois dos cálculos efectuados pelos astrónomos que determinaram que o calendário juliano era impreciso — tanto que durante os 1500 anos do seu uso houve um desfasamento de vários dias em relação ao tempo solar.


Gregório XIII não estava interessado na astronomia em si: só queria que a Páscoa acontecesse o mais próximo possível do equinócio da primavera todos os anos. A sua solução foi adicionar um dia extra a cada quatro anos para manter o calendário sincronizado com as estações.


O calendário no Relógio


Os relógios mais básicos informam apenas as horas, mas outros apresentam outras funções a que foram dadas o nome de “complicações”. Uma das variedades mais comuns de complicações é a da data.


Uma complicação de data pode ser tão simples como somente o dia do mês numa janela no mostrador ou tão sofisticada como uma complicação de calendário perpétuo. Em comparação com outras complicações mais complexas, como um turbilhão ou fases da lua, a complicação de data é relativamente simples. No entanto, a complicação do calendário perpétuo é uma das versões mais complexas de uma complicação de data. É um pouco semelhante a uma complicação do calendário anual. Este exibe o dia do mês, o dia da semana, e o mês. A diferença entre o calendário perpétuo e anual está na forma como a função é activada. Um calendário anual requer ajuste manual uma vez por ano para contabilizar o ano bissexto. Em vez disso, a complicação perpétua é responsável pelo ano bissexto. Portanto, pode funcionar corretamente sem ajuste manual durante centenas de anos. Uma das complicações mais fascinantes e intrincadas num relógio é a complicação do calendário perpétuo.


Como já vimos, os relógios podem apresentar até três tipos de calendários, representados por pequenas janelas ou mostradores que normalmente mostram a data, o dia da semana e o mês. Um calendário simples contabiliza 31 dias. Como tal, não consegue descriminar se o mês tem 28, 29 ou 30. Depois, há um calendário anual, que é ajustado ao calendário de 12 meses e define os meses com duração de 30 ou 31 dias - mas requer uma redefinição anual quando o calendário muda em Fevereiro. A jóia da coroa é o calendário perpétuo, que é programado para exibir corretamente a data correcta mesmo durante os anos bissextos durante muitos anos.


Hstória do relógio com calendário perpétuo


Embora o mecanismo de calendário perpétuo tenha sido empregado em relógios já em 1695 por Tompion


Thomas Tompion


e pelo seu sucessor Graham


George Graham


Thomas Mudge é frequentemente citado como a primeira pessoa a adaptá-lo a um relógio.


Thomas Mudge


Atualmente, apenas dois relógios de calendário perpétuo de Mudge são conhecidos, o nº 525 que está numa colecção privada e o nº 574, que está exposto no Museu Britânico e tem na sua caixa original de ouro marcado o ano de 1764.


Thomas Mudge 525, vendido em 07 de Julho de 2016 pela Sothebys por 60.000,00£



Thomas Mudge Nº 574 exposto no Museu Britânico


Em 1981, o Dr. George Daniels escreveu um artigo sobre Thomas Mudge para Antiquarian Horology e atribuiu o ano de 1762 para o movimento do relógio nº 525. O que se encontra no Museu Britânico está datado de 1765, apenas três anos depois. Apesar dos primeiros exemplos da aplicação do calendário perpétuo em relógios, nenhum relógio de calendário perpétuo completo é conhecido, com algum grau de fiabilidade, antes de 1762. Durante muitos anos, assumiu-se que Abraham Louis Breguet tinha sido o primeiro a incorporar um calendário perpétuo, quando iniciou a construção do seu famoso “Marie Antoinette”, que incluía um calendário perpétuo, em 1783.


Ambos os relógios de calendário perpétuo Mudge, nos. 525 e 574 são mecanicamente e visualmente semelhantes. Foi dada muita atenção ao design do mostrador para garantir que fosse prático e fácil de ler. O dia do mês é indicado por um marcador de ouro acima da posição das 12 horas, que se lê num disco giratório – este anel é projetado para levar em conta o número correto do dia do mês. Há uma grande abertura para as fases da lua e duas aberturas maiores mais abaixo à esquerda e à direita. A abertura esquerda mostra os meses do ano, cada um com o número de dias gravado abaixo. Fevereiro tem seu próprio mostrador auxiliar que indica a duração do mês e o ano bissexto. A abertura do lado direito mostra os dias da semana. Também é notável que ambos os Mudges, número 525 e 574, têm um cilindro de rubi, uma vez que foi um dos primeiros relojoeiros a incorporar essa importante evolução técnica.


Thomas Mudge (1715-1794) nasceu em Exeter e mais tarde foi enviado para Londres onde, a 4 de Maio de 1730, foi aprendiz de George Graham. Em 1738 Mudge montou o seu próprio negócio perto de Graham na Fleet Street. Em 1750, William Dutton, que também havia sido aprendiz de Graham de onde saiu em 1746, juntou-se a Mudge. Inicialmente, os seus relógios continuaram a ser assinados como 'Thomas Mudge', mas na década de 1760 a marca foi alterada para Mudge & Dutton.


A invenção do escape de âncora por Thomas Mudge em 1757 solidificou sua reputação como um dos fabricantes de relógios mais importantes de Inglaterra.



Plano detalhado do escape de âncora de Thomas Mudge


Mais de 250 anos depois, o escape de âncora ainda domina a produção de relógios mecânicos em todo o mundo. Além das suas inovações em cronometragem de precisão, Mudge também construiu o que pode ser considerado o primeiro relógio com equação do tempo, o primeiro com calendário perpétuo e o primeiro com realimentação nas engrenagens. Em 1771, Mudge mudou-se para Plymouth, onde continuou a trabalhar no aperfeiçoamento dos seus cronómetros marítimos.


Os diferentes tipos de apresentação da data nos relógios


Os relógios com uma função de calendário simples não têm muita complexidade no seu fabrico. O mecanismo dia do mês/dia da semana também praticamente não acrescenta muito ao custo de um relógio.


Relógio com data simples


Mesmo que os modelos mais simples tenham uma função de data dupla, apresentando tanto o dia do mês como o da semana, a complicação da data é muito apreciada na relojoaria e tem sido fundamental no design de muitos relógios de luxo.


Relógio com data dupla


Por exemplo, observe-se este belo Glashutte Original Senator Panorama Date, que combina o design elegante e inesperado do seu mostrador e a exibição de data de duplo disco, com um indicador de fases da lua.



O problema real é que estes mecanismos simples não têm como diferenciar meses com 28/29, 30 ou 31 dias, neste caso é necessário ajustá-los manualmente em Fevereiro, abril, junho, setembro e novembro. A maioria dos relógios mais simples apresenta esta função simples de dia do mês e dia da semana, ou apenas o dia do mês.


No patamar seguinte temos o chamado calendário anual.


A função de calendário anual foi introduzida no final do ano de 1900. Também é chamado de data tripla e pode identificar os meses com 30 e 31 dias automaticamente, mas não pode adicionar um dia a fevereiro durante o dia bissexto a cada quatro anos.

Um dos relógios que incluem esta complicação é o belo calendário anual Corum Admiral's Cup Legend 42.



Como se pode observar, este relógio ostenta o icónico design de 12 lados típico da marca. A data é apresentada através de um sub-mostrador às seis horas, para os meses, e um ponteiro central que indica o dia do mês sobre o elegante mostrador com um motivo guilhoché vertical de cevada.


Portanto, este tipo de relógios, terá de ser ajustado manualmente apenas uma vez por ano, em fevereiro.


O terceiro, e o mais completo e complicado grupo de relógios, é o que incorpora o chamado calendário perpétuo. Ou seja, por meio de uma intrincada série de mecanismos chamados “equação do tempo”, são capazes de ajustar também os anos bissextos.


Alguns são tão avançados que podem calcular o tempo solar, que não está contemplado pelo Calendário Gregoriano – porque o nosso sistema atual é quase perfeito, mas não totalmente.


Assim, um calendário perpétuo deve ser, mesmo… perpétuo. Ele terá formas de resolver esse problema, de modo que o ano civil permanece consistente com o ano astronómico e funcionará até o ano 2100.



Podemos observar acima um exemplo de um relógio com um calendário perpétuo: o Audemars Piguet Classique Perpetual Calendar, um lindo e elegante relógio com caixa de platina, exibindo seu calibre complexo e hipnotizante através do visor de vidro da caixa.


Há outro nível na precisão da datação: o último tipo de relógio utiliza um mecanismo de correção que aborda a grande questão do cálculo do ano bissexto centenário.


E estamos a falar dos relógios de calendário perpétuo secular. Existem apenas alguns em produção - são excepcionalmente raros - e bem, se os calendários perpétuos são excepcionais, estes relógios atingem um nível de insanidade relojoeira intocada.


Então, o que é um ano bissexto centenário? O calendário gregoriano, em toda a sua complexidade, não é perfeito. Há um pequeno erro residual, que é corrigido pelo ciclo gregoriano a cada cem anos.


Em suma, para corrigir essa pequena incompatibilidade residual, o sistema gregoriano também introduziu um ciclo de salto secular único. Apenas os anos seculares que são divisíveis por 400 são considerados anos bissextos. Portanto, os anos seculares 1700, 1800, 1900, 2100, 2200, 2300 não foram ou não serão bissextos, e têm apenas 28 dias em fevereiro, enquanto 2000 foi, e 2400 será.


Como se pode imaginar, este nível adicional de complexidade, ao mesmo tempo em que aborda um erro mínimo, causa estragos nos sonhos mecânicos ordenados do relojoeiro típico.


A presença dessa outra exceção significa que os calendários perpétuos precisam ter uma regulação adicional que saiba exatamente quando o ano bissexto acontece e quando não acontece com relação ao período secular.


Então, ao se combinar engrenagens e rodas para calcular um calendário perpétuo “simples” não foi a tarefa mais fácil, permitir que um mecanismo calcule essa exceção torna-se quase impossível.


Mas alguns fabricantes conseguiram tal feito.



Em acima temos um dos poucos relógios de pulso em produção (atualmente, existem três na história) com esta extraordinária complicação: o Calendário Secular Perpétuo Svend Andersen. Este relógio está programado para ser preciso até o ano 2400, um feito que alguns podem achar supérfluo. O relógio teria que funcionar continuamente até lá – o problema é que todos os relógios devem ser limpos e lubrificados a cada cinco a dez anos…


O relógio de 10.000 anos


Se se pensa que não pode haver nada mais preciso do que isto, está errado. Mesmo que, neste caso, não seja um relógio pulso que esteja em causa.


Há um projeto para construir um relógio mecânico que irá funcionar durante 10.000 anos.


Este ambicioso projeto é apoiado por Jeff Bezos, até há bem pouco tempo o homem mais rico do mundo.


O Relógio de 10.000 Anos está a ser criado pela Long Now Foundation. Este relógio pretende funcionar durante 10.000 anos – e como os primeiros vestígios de nossa civilização moderna datam de cerca de 6.000 anos atrás, não custa perceber que este é um empreendimento ambicioso.



Protótipo do relógio 10.000 anos


relógio foi projetado para gerar energia para si mesmo através de energia solar e térmica, acredita-se que essas fontes sozinhas gerarão energia suficiente para manter o relógio em funcionamento, mas os visitantes serão incentivados a dar corda ao relógio para permitir que este mostre a hora atual. É um processo que economizará energia e dará a possibilidade de verificar quantos visitantes interagiram com o relógio.


O relógio ainda está em fase de construção – mas foram construídos protótipos, como o apresentado acima, como uma pequena amostra de como será o resultado final.


O primeiro relógio de pulso do calendário perpétuo


Patek Philippe foi o criador do primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo. Produziram o primeiro movimento de calendário perpétuo compacto em 1898, para um relógio pingente feminino. Em 1925, um rico colecionador de relógios Patek Philippe chamado Thomas Emery encomendou o primeiro relógio de pulso com esta complicação.


Primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo da Patek em 1925. Ref: 97975


A Patek Philippe usou o mesmo calibre compacto de 34,4 mm criado em 1898. A Patek levou dois anos a produzir este intrincado relógio.


A Breguet foi a segunda marca a criar um relógio de pulso com calendário perpétuo, apenas alguns anos depois, em 1929.


Primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo da Breguet em 1929


O seu movimento compacto era ainda menor que o da Patek Philippe, medindo apenas 22,5 mm.


Seguiu-se a Jaeger-LeCoultre que vários anos depois, em 1937, também construiu o seu.


Primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo da Jaeger LeCoultre em 1937


Acredita-se que este relógio exclusivo, de calendário perpétuo retangular, foi criado como comemoração da parceria entre Antoine LeCoultre e Edmond Jaeger que resultou na marca Jaeger LeCoultre.


A complicação do calendário perpétuo através das décadas


Como o relógio de pulso de calendário perpétuo original feito pela Patek Philippe, a maioria dos primeiros relógios perpétuos eram relógios que só se fabricavam por encomenda. A partir da década de 1940 a produção em série dos relógios de calendário perpétuo aumentou. A partir da década de 1960 começaram a ser fabricados os primeiros relógios calendário perpétuo automáticos. Outro momento significativo para a complicação do calendário perpétuo aconteceu em 1985. Nesse ano, a IWC fez um dos avanços mais profundos no mecanismo da complicação. Projetaram um calibre sincronizado que usa apenas uma única coroa para ajuste, como faria para um relógio mais simples.


Exemplar de um IWC Portuguese calendário perpétuo onde todos os ajustes são feitos pela coroa


Hoje, a complicação continua a fascinar relojoeiros e entusiastas de relógios. Alguns dos relógios mais elaborados e caros apresentam a complicação do calendário perpétuo, tornando-os altamente valiosos.


A função de calendário perpétuo não serve apenas o propósito prático de mostrar o dia, a data e o mês sem ajustes. Serve para elevar a arte da alta relojoaria.


Alguns modelos icónicos



Patek Philippe


Breguet


Audemars Piguet


Jaeger LeCoultre


IWC Pilot




105 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page