top of page

Relógios de bolso para o mercado chinês - coleção de um cavalheiro Suíço apresentada pela Antiquorum




Nos séculos XVIII e XIX, quando a aristocracia e burguesia europeias colecionavam porcelana chinesa e os chamados painéis de laca, o Reino do Meio, fascinado pela relojoaria ocidental, comprava relógios de bolso em grandes quantidades, frequentemente com decorações em esmalte. Estas peças são hoje conhecidas como relógios chineses ou relógios feitos especialmente para o mercado chinês. A coleção de relógios de bolso chineses que a leiloeira Antiquorum aqui nos apresenta foi consignada por um dos seus clientes mais antigos e fiéis. As peças que se seguem são apenas uma pequena parte da coleção deste cavalheiro Suíço que servirá inequivocamente como comprovativo do gosto impecável deste coleccionador.


A noção e apreensão do tempo é primordial. É o que marca os traços característicos ou mesmo civilizacionais de um povo. Por exemplo, se no Ocidente temos uma visão linear do tempo, no Oriente não é assim. Particularmente nas culturas sínicas, onde o tempo é percebido num sentido circular.


Quando se estabeleceram as primeiras relações diplomáticas com a China, durante o reinado de Luís IX de França (1214-1270), os autómatos desempenharam um papel importante. Em 1253, o monarca enviou um embaixador ao Manghu Khan, o Grande Khan da Tartária. Corria a época das grandes incursões mongóis que varreram a Rússia até Kiev, e se estenderam para o sul até à Polónia e a Hungria. Um relato da viagem deste embaixador do rei, Guillaume de Rubruquis, um padre e viajante flamengo, é conservado actualmente no Museu Britânico. Originalmente em latim, foi traduzido para inglês em 1629 e para francês em 1839. O documento afirma que entre os prisioneiros dos tártaros em Karakarum estava um certo Guillaume Boucher, um ourives habilidoso de Lyon que ganhou o favor do imperador da Tartária por lhe ter construindo um autómato monumental e maravilhoso:


"Quatro leões prateados jaziam ao pé de uma grande árvore com galhos com folhas e frutos prateados, e leite de égua escorrendo das suas mandíbulas entreabertas. No interior, quatro condutos subiam até ao topo da árvore e desciam em forma de serpentes douradas. Das suas bocas saíam licores preciosos para encher vasilhas de prata. No topo, um anjo tocou uma trombeta quando o copeiro deu a ordem de derramar a bebida. O aparato foi acionado por meio de um fole acionado por um homem escondido na base da árvore. Os criados reabasteciam os reservatórios próximos com os licores para as respectivas condutas".

Apesar de os primeiros contactos entre a China e o Ocidente terem sido estabelecidos no século XIII, os primeiros relógios de mesa e de bolso foram importados através das feitorias Portuguesas durante o século XVI (1514), sob a dinastia Ming, especialmente com a chegada dos Jesuítas a Pequim, e entre os quais se encontrava o padre Matteo Ricci (1552-1610). Relógios são desde há muito presentes de eleição. Símbolos de poder, de conhecimento, mensageiros de cultura, símbolos de amizade e verdadeiros medidores de paz.

No limiar entre estes dois mundos, os relógios de bolso destinados ao mercado chinês são um esplêndido testemunho do know-how suíço exportado para o exterior já durante o século XVIII. Actualmente são procurados por muitos colecionadores pela riqueza das suas decorações habitualmente gravadas e esmaltadas, com efeitos em ouro e rodeadas por meias pérolas. Estas ordens religiosas, verdadeiras embaixadas da cultura ocidental, espalharam-se por uma parte importante da Ásia, Índia e Pérsia. Neste período, os dois principais centros de produção de relógios de bolso destinados ao mercado chinês eram Londres e a Suíça.


Durante o século XVIII, os ingleses fizeram esforços significativos para expandir o seu comércio através da China, e foram os relojoeiros de Londres que desempenharam um papel de destaque na popularidade destas ‘Curiosidades’ tão admiradas pelos chineses. A Companhia Inglesa das Índias Orientais, criada em 1600, assumiu o controle de grandes partes do subcontinente indiano, colonizando partes do Sudeste Asiático incluindo o centro de comércio que era, e ainda é, Hong Kong. Fortes laços comerciais e diplomáticos entre a Grã-Bretanha e a corte Chinesa garantiram que muitos relógios, apesar de serem de origem suíça, fossem assinados com nomes ingleses e marcados com “Londres”.


Ás vezes, algumas marcas britânicas eram falsificadas ou imitadas, especialmente durante o século 18 e o início do século 19, quando a relojoaria inglesa gozava da reputação de ser a melhor das melhores. Marcas similares a marcas britânicas foram aplicadas a caixas de relógios para levar o público a pensar que se tratava de um relógio de fabricação inglesa. Era frequente que pseudo "marcas", marcas que deveriam parecer-se apenas um pouco com as marcas que tentavam imitar sem com isso se transformarem em marcas totalmente falsas, recebiam punções oficiais para lhe conferir o máximo de credibilidade. Na maioria das vezes, estes relógios de bolso eram fabricados na China, em prata ou em prata dourada, mas com as mesmas características dos relógios de bolso fabricados na Europa para o mercado Chinês.





No entanto, o Bloqueio Continental, de 1806 a 1814, rompeu com as relações entre Genebra e Londres. Depois de 1815, as oficinas de Piguet & Meylan, Jaquet Droz & Leschot em Genebra, James Cox ou Ilbery em Londres e Bovet em Fleurier distinguiram-se pela qualidade das suas criações, muitas vezes esmaltadas em Genebra. No auge deste período, por volta de 1840, o comércio, embora perturbado pelas guerras do ópio, continuou com a Suíça. A influência de Edouard Bovet, por exemplo, foi tamanha que “Bo Wei” é hoje uma palavra cantonesa sinónima de “relógio”. E ao contrário do que se possa pensar, os relojoeiros ocidentais não tiveram de se adaptar ao mercado para onde exportavam. O gosto chinês combinava perfeitamente com o estilo europeu com formas fantásticas, arranjos florais arabescos com bordos coloridos à base de pedras preciosas. Após a Rebelião dos Boxers em 1900 e depois a Revolução Socialista, a maioria das coleções foi vendida.



Ilbery London, Suíça, JOVEM CHINESA VESTIDA EM TRAJE FORMAL DA CORTE, feito para o mercado chinês, por volta de 1820.

Estimativa: 60.000 – 100.000 CHF


Relógio muito fino e extremamente raro em ouro de 18Kt e esmalte, cravejado de pérolas. Relógio com segundos centrais com escape duplex. Caixa Empire, bisel, pingente e arco cravejados de pérolas com decoração esmaltada em champlevê azul e aro esmaltado flinquê escarlate com decoração embutida de meias pérolas, verso em esmalte pintado com o retrato de uma nobre senhora chinesa numa varanda em paisagem chinesa.


William Ilbery, Londres, registrado como activo em 1780, morreu em 1839.


Ilbery especializou-se em relógios para o mercado chinês e trabalhou em estreita colaboração com diversos fabricantes na Suíça, tanto para movimentos como para trabalhos em esmalte. As relações políticas e comerciais entre a Grã-Bretanha e a China eram tão essenciais que até o talentoso Jaquet-Droz estabeleceu uma filial em Londres para aproveitar o comércio com a China. O melhor período da relojoaria para o mercado chinês coincide precisamente com o sucesso de Ilbery – em 1790 – 1830 – e com o trabalho dos melhores artistas de esmalte – Dupont, Richter, Lissignol etc. cujos temas abarcavam a mitologia clássica, pintura de paisagem suíça, ou baseadas em histórias de natureza alegórica – Fé, Esperança, Amor etc. Desconhecem-se actualmente exemplos com um retrato, e até esta peça ser proposta a leilão, apenas se sabia de uma que poderia potencialmente ter sobrevivido até aos nossos dias.


No leilão da Christie's de 20 de abril de 1991 em Nova York - Important Clocks and Watches, o lote 89 era um par do lote atual, mas com o painel do verso representando um retrato de um cavalheiro chinês, também vestido com traje formal da corte (paradeiro atualmente desconhecido). Embora não seja um par no sentido geralmente aceite (ou seja, o tema idêntico, mas pintado ao contrário, em espelho), ambas as peças devem ter sido encomendados originalmente para o mesmo cliente e presumivelmente para o casal retratado em cada um dos relógios. Frequentemente, a numeração sequencial destes movimentos pode ser encontrada nos 'pares', mas isto não parece ter sido uma regra infalível. Como não há tradição ou registo de esmaltadores suíços a trabalhar na China no início do século XIX, é interessante especular sobre de que forma os retratos originais chegaram à Europa. Já no final do século XIX, a fotografia começava a ser usada, e existem desenhos datados da década de 1860 ou posteriores (ver A. Chapuis, la Montre Chinoise, Neuchatel, p.187, fig.148). Considerando a rica coloração do traje e a incorporação de manchas de ouro para simular as tranças, parece exequível que os retratos tenham sido tirados de pinturas em vidro, uma técnica que gozou de considerável popularidade na China. Nesta altura, espelhos de vidro plano eram exportados da Europa para serem parcialmente decorados com a mesma técnica e devolvidos para serem emoldurados ao estilo “chinoiserie".



Edouard Juvet, Suíça, O NOBRE, fabricado para o mercado chinês, por volta de 1870.

Estimativa: 40.000 – 60.000 CHF


Relógio de segundos centrais em ouro de 18K e esmalte muito fino, com escape duplex. Pendente e arco com decoração esmaltada champlevê, painel posterior esmaltado com cena pintada a representar um fidalgo a ajudar a sua amada a atravessar uma ribeira. Cubeta articulada em ouro polido com corte brilhante e decoração gravada. A cena representada ao estilo neo-rocaille, neo-Luís XV, muito em voga durante o século XIX, demonstra o gosto do mercado chinês por este tipo de motivo.

Edouard & Léo Juvet


Uma das importantes famílias relojoeiras suíças que trabalharam para o mercado chinês. Edouard Juvet (1820-1883) estabeleceu-se pela primeira vez em Buttes em 1842, mas em 1844 mudou o seu atelier para Fleurier. Juvet começou a fabricar relógios "chineses" em 1856. Os filhos de Edouard, Ami-Louis e Léo, viajaram para a China para trabalhar na empresa familiar. Quando Ami-Louis morreu, Léo (1848-1891) ocupou o seu lugar. Em Xangai, os Juvets eram rivalizados apenas pelos Bovets, mas as duas famílias mantinham relações de amizade. A Maison Juvet prosperou, abrindo filiais em Tien-Tsin e Saigão, tanto que em 1872 Léo escrevia: “Os nossos relógios vendem-se como sal”. Em 1873, Edouard Juvet registrou um marca em caracteres chineses, que passou a ser usada nos produtos da empresa. Edouard passou a administração da empresa ao seu filho Léo em novembro de 1875, vindo a falecer em fevereiro de 1883.



Ilbery London, Suíça, CALM HARBOR, fabricado para o mercado chinês, por volta de 1820

Estimativa: 60.000 – 100.000 CHF


Relógio de bolso fino e extremamente raro, em ouro de 18Kt, pintado em esmalte e cravejado de pérolas com escape duplex. O esmalte atribuído a Jean-Louis Richter. Estojo estilo “Império”, o verso articulado e decorado com uma vista finamente pintada ao estilo de Claude Vernet de lavadeiras num barco inserido numa paisagem portuária calma com montanhas e uma pequena aldeia ao longe. Cubeta de ouro articulada e suspensa presa ao anel do movimento.


Jean-Louis Richter (1766-1841)


Aprendeu a sua arte com David-Etienne-Roux e Philippe-Samuel-Théodore Roux, tornando-se num dos mais reconhecidos pintores de esmalte. A sua especialidade era a pintura de paisagens e particularmente cenas à beira do lago e marinhas, muitas vezes representando navios num porto ou batalhas com homens em combate. Ocasionalmente pintava também retratos e cenas de caça. Richter não costumava assinar o seu trabalho, mas é claramente reconhecido pelo estilo e qualidade da sua pintura. O artista aplicou a sua arte principalmente em caixas de relógios e caixas de rapé destinadas em grande parte aos mercados chinês, turco, britânico e italiano. Em 1828 manteve uma sociedade com Aimé-Julien Troll (1781-1852) e encontram-se obras assinadas “Richter et Troll” (afirmação não confirmada!). Tal como outros grandes pintores de esmalte da época, Richter encontrava frequentemente inspiração para o seu trabalho em pinturas ou gravuras de artistas em voga nessa época, especialmente Claude Vernet (1714-1789), Van der Myn (1684-1741), Giovanni Battista Cipriani (1727-1785), John Francis Rigaud (1742-1820), John Hoffner (1748-1810) e Francesco Bartolozzi (1727-1815), ou ainda na romantizada vida rural inglesa e irlandesa ou cenas particularmente famosas como o “Estupro de Helena” da gravura de Guido Reni (1575-1642), agora exposta no Cabinet des Estampes, em Paris.

William Ilbery (cerca de 1760-1839)


Ativo em Londres desde 1780 na Goswell Street, mudou-se para Duncan Terrace no final do século XVIII. Depois de James Cox em Londres e Jaquet Droz na Suíça, especializou-se também na produção de relógios de luxo para o mercado chinês. A sua produção inicial seguiu muito o estilo inglês, apresentando um movimento de platina completa e um escape duplex de roda única do tipo inglês. No entanto, para os relógios de qualidade mais alta, optou por incorporar um escape de retenção de mola. Mais tarde, os movimentos dos relógios que produziu foram bastante inspirados no famoso calibre Lepine com tambor independente, assim como a produção suíça de Jaquet Droz assinada em Londres e a de William Anthony, que trabalhou em Londres. As caixas dos seus relógios eram profusamente decoradas pelos melhores esmaltadores de Genebra, como Jean-François-Victor Dupont, que costumava assinar os seus trabalhos, e Jean-Louis Richter, que raramente o fazia. Ilbery organizou a produção na Suíça, principalmente em Fleurier, de movimentos profusamente gravados para o mercado asiático. Neste processo, ele foi seguido por fabricantes como Bovet e Juvet, que também trabalharam em Fleurier (Val de Travers). Ilbery pode, portanto, ser considerado um dos fabricantes mais representativos dos chamados relógios "chineses". O relojoeiro parece ter mantido contatos estreitos com o comércio continental já que se conhece um exemplar assinado "Ilbery Paris”, e a marca Ilbery & Son foi registada tanto em Londres como em Fleurier, assim como em Cantão (hoje Guangzhou). O seu filho, William Ilbery (c.1780-c.1851), trabalhava com ele.



Bovet Fleurier, Suíça, THE SHAKESPEARIAN TRAGEDY, feito para o mercado chinês, por volta de 1824

Estimativa: 50.000 – 100.000 CHF


Relógio muito fino e importante em ouro de 18Kt e pérolas esmaltadas, feito para o mercado chinês. Caixa estilo império com engastes e pingente cravejados de meias pérolas, a faixa e o arco de esmalte vermelho translúcido sobre guilhoché com decoração incrustada de meias pérolas, o verso esmaltado e finamente pintado com uma cena de uma tragédia shakespeariana. Cubeta de ouro articulada e com decoração guilhochê.


“A Tragédia Shakespeareana”


Embora os movimentos fossem geralmente produzidos em Fleurier (Val de Travers), na Suíça, estes relógios de alta qualidade, feitos para o mercado chinês durante o primeiro quartel do século XIX, foram decorados em Genebra pelos melhores artesãos da época. Pintores de esmalte como Richter e Dupont costumavam encontrar a sua inspiração no trabalho de pintores de velhos mestres como Van der Myn (1684-174 I ), Giovanni Batista Cipriani (1727-1785), John Francis Rigaud (1742-1820), John Loffner (1748-1810), Francesco Bartolozzi (1727-1815) e William Hamilton (1751-1801). O verso esmaltado de cada caixa é em si uma verdadeira obra-prima de pintura em miniatura com paisagens à beira-mar, batalhas navais, cenas mitológicas e alegóricas que evocam o amor, como “O rapto de Helena por Paris” retirado da gravura de Guido Reni (1575-1642), incluindo crianças brincando e ilustrações de tragédias shakespearianas.


Bovet


Uma dinastia relojoeira fundada por Edouard, Frédéric, Alphonse, Gustave, Charles-Henri e Caroline Bovet, oriundos de Fleurier. Em 1822, uma parceria Bovet foi fundada para o comércio chinês de relógios em Cantão. Em 1840, a Bovet Frères et Cie é fundada em Fleurier e, em 1864, a produção de relógios Bovet é vendida aos inspetores de fabricação da Bovet em Fleurier, Jules Jéquier e Ernest Bobillier, uma direcção que mais tarde viria a contar também com Ami Leuba. Em 1888, a Bovet Frères é fundada sob a direção de Alexis Landry, que serviu como aprendiz na oficina de Fritz Bovet em Fleurier, produzindo ebauches para relógios chineses e caixas de prata. Alexis Landry forma uma parceria com Albert e Jean Bovet, especializando-se em cronógrafos e relógios complicados. Em 1901, a marca Bovet é adquirida por César e Charles Leuba, filhos de Ami Leuba. Em 1918, Jacques Ullmann & Co. de La Chaux-de-Fonds compra a marca Bovet da Leuba Brothers e, em 1948, a Favre-Leuba assume a empresa e adquire a primeira fábrica de produção. Em 1966, a Favre-Leuba vende a fábrica em Fleurier e, em 1989, a Parmigiani adquire o nome Bovet.

Uma sociedade limitada registada como Bovet Fleurier S.A. é formada em 1990, usando a marca registrada Bovet. Em 1994, Roger Guye e um sócio compraram a Bovet Fleurier S.A. e abrem uma filial em Genebra. Pascal Raffy torna-se o acionista maioritário e presidente em 2001. Hoje, os relógios Bovet estão amplamente disponíveis nos principais destinos do mundo.



Ilbery Londres, Suíça, ILBERY, MOVIMENTO DE OURO MACIÇO COM CENA DE ESMALTE RICHTER, feito para o mercado chinês, por volta de 1810

Estimativa: 40.000 – 80.000 CHF



Muito fino e raro, relógio de bolso feito para o mercado chinês, movimento especial construído em “ouro vermelho maciço”; Ouro amarelo 18Kt e esmalte; o esmalte atribuível a Jean-Louis Richter. Relógio de bolso em ouro amarelo de 18Kt e esmalte, mostrador aberto redondo, de corda por chave, com movimento especial em ouro maciço e segundos subsidiários às 6. O interior da caixa está marcado com os chamados contrastes “prestige”, baseados nos usados na Grã-Bretanha no início do século, em particular a coroa e a letra “G” de Sheffield (South Yorkshire) para o ano de 1804, enquanto esta mesma letra foi usada em Londres em 1802.


Uma Descoberta Extraordinária


Este relógio é “irmão” de uma peça que a Antiquorum vendeu em Hong Kong a 28 de abril de 2019 (lote 607). A cena esmaltada dos dois relógios é espelhada; ou seja, a imagem é invertida como o reflexo uma da outra num espelho. Esta é uma das especificidades da produção genebrina para o mercado chinês, que muitas vezes passava pelo trade londrino antes de ser exportada para o Reino do Meio. Também é importante notar que ambos os relógios estão equipados com movimentos fora do comum construídos em ouro maciço. Estamos, portanto, a lidar com um dos ápices da história da relojoaria no início do século XIX.

O relógio é acompanhado por uma caixa com dois espaços, expressamente feita para manter as duas peças juntas. No verso desta caixa encontra-se uma etiqueta antiga com uma inscrição manuscrita: “Numa Jacot / Fleurier”. Este pode ser o nome de um antigo proprietário deste par de relógios, agora separados um do outro, mas que se espera possam vir a ser novamente reunidos um dia. É difícil dizer se esta caixa data da época da produção dos relógios ou se é de meados do século XIX; provavelmente a época do seu retorno à Europa após as vicissitudes do Império Celestial no século XIX.

Alguns conhecedores afirmam que os números dos movimentos não são consecutivos, e que por isso não podem ser peças nascidas juntas, como dois gémeos. Os estudos realizados há décadas sobre os chamados relógios “chineses” indicam que apesar de isso parece lógico, não é impossível. Uma afirmação que é reforçada se considerarmos que estamos a lidar com movimentos extremamente raros cuja produção deve ter demorado muito mais do que os usuais movimentos clássicos “chineses”. Vários pares de relógios preservados no Museu da Patek Philippe em Genebra demonstram isso mesmo, já que os números do seus movimentos não são consecutivos.


Observe-se também que este par de relógios é o único conhecido até hoje com movimentos de ouro. Na verdade, listam-se apenas sete destes movimentos, quatro dos quais são assinados por “Ilbery London”. Apesar desta assinatura, sabe-se hoje que esta produção é inteiramente de Genebra.


Para mais informações, recomenda-se o catálogo da exposição 2010: Tellier, Arnaud, & Didier, Mélanie, The Mirror of Seduction, Prestigious pairs of “Chinese” Watches, Geneva, Patek Philippe Museum Editions, 2010.



Estojos do tipo “Consular” de Ilbery com bordos recortados


A caixa deste relógio foi concebida segundo o mesmo espírito que a do relógio assinado Ilbery, Londres, nº 5995, cujo movimento (latão dourado, platina completa, com fuso e corrente) inclui um escape cruzado Peto de retenção de mola. A pintura em esmalte, também atribuível a Jean-Louis Richter, representa uma cena com crianças “Alimentando os Pintainhos”. Este estojo também é do tipo “Consular” com bordos recortados (ver: Antiquorum, Genebra, leilão, 13 de abril de 2002, lote 61, vendido pelo valor de CHF 245 500.-). A Ilbery parece ter usado este tipo de caixa apenas para os seus relógios topo de gama; aqueles com movimentos de “cronómetro” ou movimentos de “ouro vermelho sólido”.


Os movimentos de “ouro vermelho sólido” de Ilbery


Apenas poucos relógios Ilberys com movimentos em “ouro vermelho maciço” são conhecidos. Este é o quarto movimento conhecido e devidamente assinado por Ilbery, Londres. Os outros não estão assinados. Todos associados a caixas com pintura sobre esmalte atribuível a Jean-Louis Richter, Genebra.


Crianças brincando com um aro


A bucólica cena de esmalte pintado que decora este relógio deriva de pinturas de género inglesas de artistas da Royal Academy, como Joshua Reynolds (1723-1792), Francis Wheatley (1747-1801), William Hamilton (1751-1801), William Redmore Bigg (1755-1828), George Morland (1763-1804), etc., que se especializaram em imagens da vida rural inglesa romantizada no último quartel do século XVIII. As suas pinturas foram gravadas por Francesco Bartolozzi (1727-1815), Thomas Burke (1749-1815), John Raphael Smith (1752-1812), Peltro William Tomkins (1760-1840), Henry Gillbank (fl. 19º c.), Thomas Gaugain (1756-c.1810), etc., e vendidas como impressões que foram publicadas por John Boydell (1719-1804) e Josiah Boydell (1752-1817), gravadores e vendedores de impressões, James Daniell (fl.1771-1814), John Brydon (fl.1783-1806) e outros. Essas impressões eram extremamente populares e foram usadas como modelos para esmaltadores de Genebra, incluindo Jean-Louis Richter (1766-1841).


Objects of Vertu (Objetos de Virtude)


Estes relógios associados a caixas, feitos para o mercado chinês, testemunham um know-how excepcional cuja herança está hoje nas mãos dos departamentos de “Métier d’art” das melhores manufacturas. A tendência para as ricas decorações esmaltadas e os estojos cravejados de pérolas e pedras preciosas estendeu-se a toda uma gama de objectos de virtude – “objets of vertu” –, também conhecidos como vitrines, como caixas de rapé e caixas de música.



Atribuível a Piguet et Meylan, Suíça, AUTOMATON AND MUSICAL SNUFF BOX, fabricado para o mercado chinês, por volta de 1820

Estimativa: 40.000 – 80.000 CHF


Caixa de rapé muito fina e fora do comum em ouro de 18Kt esmaltada com painéis de vidro eglomise, relógio de segundos central embutido e cena de autómato musical. Caixa em formato retangular com marcas de contraste inglês, painéis eglomise (pintado sob vidro) pintados com flores sobre fundo preto, tampa com bordos e bisel cravejados de pérolas. Mostrador esmaltado finamente pintado com uma paisagem campestre e aplicado em cada lado do mostrador com uma senhora sentada em ouro tricolor à direita, tocando bandolim, um menino de pé à esquerda marcando o compasso em uníssono.


Philippe Samuel Meylan - Nasceu a 15 de fevereiro de 1772, em Bas-du-Chenit, morreu em 1845.


Aos 20 anos veio para Genebra onde trabalhou para os Frères Godemar na qualidade de mestre. Depois voltou para Brassus onde fundou uma pequena fábrica em 1811. Regressa posteriormente para Genebra onde se estabelece definitivamente. Conheceu outro relojoeiro da sua aldeia, Isaac Piguet, com quem se associou, fundando a firma Piguet & Meylan, que perduraria de 1811 a 1828. Especializou-se em miniaturas, relógios musicais, relógios esqueleto ou autómato, animais mecânicos e figuras, sendo-lhe também atribuída a invenção do calibre “bagnolet”.



Isaac Daniel Piguet.


Nascido em 1775 em Le Chenit no Vallée de Joux, Isaac Daniel Piguet era filho de Pierre Moïse Piguet e Elisabeth Nicole. Isaac casou-se com Jeanne Françoise Capt por volta de 1795, e por volta de 1800 estabeleceu-se com a família em Genebra. A 10 de fevereiro de 1802 Isaac Daniel Piguet abre um negócio com Henry Daniel Capt, o seu cunhado. A associação entre Piguet & Meylan chegaria ao fim em 1828. Piguet e o seu filho David Auguste estabeleceram então uma nova empresa, a Piguet père & fils, localizada no 69 da rue Jean-Jacques Rousseau. Isaac Daniel Piguet morreu em Genebra, a 20 de janeiro de 1841, aos 66 anos. O arranjo musical “sur plateau”, encontrado nesta caixa, é atribuído a Philippe Meylan. As lâminas foram dispostas em ângulos e intervalos iguais, e movem-se progressivamente para dentro em direção ao centro do disco. Os dentes que tocam as notas mais altas, uma vez que são mais rígidos, são acionados pelo pino próximo ao centro do disco, as notas mais baixas são tocadas pelas lâminas mais facilmente flexionadas, colocadas mais perto da periferia do disco. O número das lâminas varia geralmente entre 16 e 27, mas é hábito haver várias notas duplicadas. A caixa que a Antiquorum irá levar a leilão apresenta esta invenção de Meylan, assim como o arranjo típico do autómato Piguet et Meylan, com o movimento do relógio de segundos centrais e escape de cilindro montado diretamente na mesma platina que o mecanismo musical. Para além disso, o esmalte do lado do mostrador tem a maioria das características encontradas em outros mostradores Piguet et Meylan.




Atribuído a Piguet & Capt., Suíça, CESTA DE FLORES, fabricado para o mercado chinês, cerca de 1820

Estimativa: 70.000 – 130.000 CHF


Caixa de rapé com relógio oculto e autómato feito de ouro e esmalte, cravejado de pérolas. Caixa com três compartimentos: o compartimento central para o rapé, apresentando-se a tampa decorada com um cesto de flores finamente pintado com um bordo de meias pérolas. Os compartimentos laterais, com tampas acionadas por mola, o esquerdo para os autómatos e o direito para o relógio, estão ambos revestidos de esmalte translúcido predominantemente azul royal sobre um guilhoché "sunburst" com bordos em esmalte branco e meias pérolas. Fundo pintado com borboleta de asas abertas em esmalte vermelho translúcido sobre esmalte azul royal translúcido, igual às laterais, sobre guilloché. Sob a tampa esquerda encontra-se uma cena pastoril cujo autómato permite a uma pastora levantar e baixar a mão, alimentando um cordeiro que mexe a cabeça para cima e para baixo; na frente uma ovelha pastando acena com a cabeça e um cachorro com cabeça animada bebe de um riacho que sai do moinho, com roda de água girando e uma pequena queda de água simulada por um bastão de vidro torcido rotativo. Todas as figuras em ouro e prata multicolores, cenário pintado em esmalte policromado sobre ouro. Sob a tampa direita encontra-se o relógio.


Uma caixa de forma idêntica, com autómatos e movimentos de relógio idênticos, esteve na Coleção Pierpont Morgan, descrita no catálogo sob o número 85, e encontra-se agora no Metropolitan Museum de Nova York. Outra está preservada na Coleção Sandoz, descrita por Alfred Chapuis e Edmond Droz em 'Les Automates', placa VII e p.180.


Piguet & Capt (ativo entre 1802 e 1811)


Especializada na produção de relógios complicados, cenas musicais e/ou autómatos incorporados em relógios, tabaqueiras ou outros objetos. Esteve entre os primeiros em Genebra a usar o mecanismo musical com cilindro pinado e pente de dentes afinados. De Ventôse 16, An X (7 de março de 1802), a 1811, Henry-Daniel Capt (1773-1841) formou uma parceria com Isaac-Daniel Piguet (1775-1841), que era da mesma aldeia – Le Chenit – que ele no Vallée de Joux. A assinatura dos dois artesãos era Piguet & Capt. Em 1811, quando Piguet se separou para se juntar a Philippe-Samuel Meylan (1772-1845) numa nova parceria, Henry-Daniel Capt continuou a trabalhar por conta própria até que, em 1830, estabeleceu uma parceria com Aubert e Filho, Place Bel-Air. A assinatura era Aubert & Capt, e estiveram entre os primeiros fabricantes de Genebra a produzir relógios com cronógrafo. Em 1844, o atelier ficava na rue Neuve, 108, em Genebra. Administrada pelo filho de Capt, Henry Capt Jr., após um curto período de tempo, mudou-se para o nº 85, rue de la Fusterie, e em 1851, para o nº177 da rue du Rhône. Em 1880, a empresa foi comprada por Gallopin e seu nome passou a ser H. Capt Horloger, Maison Gallopin Successeurs, marca registrada a 1 de novembro de 1880, sob o nº 44. Esta assinatura era usada apenas para relógios vendidos na sua própria loja, pelo que os relógios fornecidos a outros vendedores ou lojistas eram apenas assinados com Henry Capt. Henry-Daniel Capt, junto com Isaac-Daniel Piguet e Philippe-Samuel Meylan, foi o principal fabricante de pequenos autómatos musicais no final do século XVIII e início do século XIX. A maior parte de seu trabalho não está assinada, embora em algumas ocasiões ele tenha "arranhado" o seu nome nos movimentos.


Proveniência:


Publicado no livro Sandberg, páginas 418-419. Lote 201 da coleção Sandberg.




Jean-Louis Richter, Suíça, RICHTER ”RIVERSIDE LANDSCAPE” ouro de quatro cores de 18 Kt, por volta de 1830

Estimativa: 50.000 – 100.000 CHF


Caixa de rapé musical em ouro quadricolor de 18Kt e esmalte, cravejada de pérolas. Caixa retangular com cantos cortados, painel esmaltado da tampa com bordos cravejados de pérolas, finamente pintada por Richter com paisagem ribeirinha, castelo e montanhas ao fundo, barco a remos em primeiro plano com família. Painéis laterais e de fundo em guilloché com quatro cores apresentando decoração floral e folhagem dourada sobre fundo opaco.



Texto original Antiquorum adaptado e acrescentado para o IPR. As peças descritas irão ser apresentadas durante o leilão de Maio de 2023 em Genebra


Avaliações: 10 a 15 de maio


Antiquorum Genève SA

3 rue du Mont-Blanc

1201 Genebra


Leilão: 14 e 15 de maio


Domingo, 14 de maio, às 17h – 1ª sessão

Segunda-feira, 15 de maio, às 10h – 2ª sessão

Segunda-feira, 15 de maio, às 14h – 3ª sessão


Hôtel Beau-Rivage – Salon de l'Impératrice

13 Quai du Mont-Blanc

1201 Genebra


Para mais informações visite a Antiquorum aqui.

107 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare

Mit 0 von 5 Sternen bewertet.
Noch keine Ratings

Rating hinzufügen
bottom of page