top of page

Século XVIII, o século dos grandes relojoeiros (4ª Parte)

Atualizado: 19 de nov. de 2023

Por: Sílvio Pereira

 


 

Iremos concluir nesta 4ª parte o contributo que os extraordinários artesãos ingleses deram para história da relojoaria e dos relojoeiros do século XVIII, sendo este facto de primordial importância para a sua evolução.


Hoje, exploraremos detalhadamente as trajetórias e legados de dois mestres relojoeiros: John Arnold e Thomas Earnshaw. Estes artífices, impulsionados pela busca incansável de um método mais exato para determinar a longitude, produziram obras-primas relojoeiras. Algumas dessas peças sobreviveram ao passar dos séculos e hoje podem ser admiradas nos mais prestigiados museus do mundo. Eles não apenas criaram relógios excecionalmente precisos, mas também aperfeiçoaram componentes vitais, como os sistemas de balanço e de escape. Ousamos dizer que foi esse empenho na busca pela precisão na medição da longitude que impulsionou a evolução significativa da cronometria, cujos benefícios ainda usufruímos hoje. Fica a reflexão: sem essa incessante busca, será que a precisão relojoeira que conhecemos atualmente seria tão avançada?

 

Nota: Na 5ª parte vamos iniciar uma série de artigos onde iremos analisar o grande contributo que os relojoeiros francesas deram para a história e evolução da relojoaria neste século.

 

John Arnold 1736 – 1799



John Arnold

John Arnold um prestigiado relojoeiro que nasceu na pitoresca região da Cornualha, em Inglaterra, onde iniciou um percurso como aprendiz sob a orientação do pai. É altamente provável que tenha aprimorado as suas habilidades ao trabalhar com o tio, um talentoso armeiro. Por volta de 1755, deixou a Inglaterra e procurou novas experiências como relojoeiro em Haia, na Holanda, regressando ao seu país de origem cerca de dois anos depois, por volta de 1757.


Foi em 1762 que o destino de Arnold se cruzou com o de William McGuire, a quem habilmente reparou um relógio de repetição. A sua destreza impressionou McGuire ao ponto deste lhe conceder um empréstimo, permitindo que se estabelecesse como relojoeiro independente. Em 1764, Arnold obteve a honra de apresentar ao Rei Jorge III um notável relógio de repetição de meio quarto, admiravelmente pequeno, equipado com escape de cilindro montado num anel[1].


Atualmente ainda existe um exemplar similar ao relógio de Arnold. É importante observar que o movimento fundamental desse relógio teve origem suíça, no entanto, foi aperfeiçoado e finalizado em Londres. Mais tarde, o mecanismo de escape foi refinado com a introdução de um dos primeiros cilindros de rubi, visto utilizar um rubi na sua composição.


Por volta de 1768, Arnold fabricou outro relógio para o rei, desta vez um exemplar com caixa em ouro e esmalte, com um movimento que apresentava todas as refinadas caraterísticas da época, incluíndo repetição de minutos e segundos centrais. Além disso, Arnold implementou um mecanismo de compensação de temperatura bimetálico, no qual os orifícios dos pivots eram adornados com jóias preciosas, e o escape possuía um cilindro feito de rubi ou safira. Arnold classificou o relógio como “Número 1”, uma prática que adotava para todos os relógios que produzia e considerava notáveis, totalizando vinte exemplares que fabricou com estas características.


Entre 1765 e 1770, algumas das primeiras criações de Arnold demonstraram uma notável originalidade e criatividade. Dentre elas, destaca-se um relógio extraordinário, que apresentava um design singular e caraterísticas surpreendentes.


Esse notável artefacto horológico incorporava um sistema de segundos centrais, (posteriormente recolocado e o mostrador substituído) que poderia ser ativado pressionando o pingente uma vez por dia. O mecanismo, além de ser uma autêntica obra de arte, era ricamente decorado com jóias preciosas (cerca de 25), incluíndo um dispositivo de compensação de temperatura. Possuía um escape de cilindro original de rubi.


Além do seu requinte estético, o exemplar “Número 1” carrega consigo um importante marco na história da relojoaria: foi o primeiro movimento conhecido a dispensar o uso de uma chave de corda convencional. A mola real, datada de 1766, representa um avanço significativo nesse aspeto, conferindo-lhe uma notável inovação técnica.

Neville Maskelyne

A habilidade e talento de Arnold chamaram a atenção do ilustre astrónomo real Neville Maskelyne, que na época procurava um relojoeiro de extrema competência para reproduzir o bem-sucedido cronómetro marítimo de John Harrison.


Todavia, embora Arnold tenha despertado a atenção de Neville, foi Larcum Kendall quem se dispôs a enfrentar o desafio e dedicou dois anos de trabalho árduo para criar uma réplica do K1 (facto já mencionado em artigo anterior) O resultado alcançado foi similar ao original, embora o projeto tenha exigido um custo significativo de 450 libras, uma quantia considerável para a época.


O Almirantado, por motivos óbvios, desejava equipar todas as embarcações principais com um cronómetro confiável. No entanto, embora o K1 fosse considerado um cronómetro de precisão, a criação de Kendall era demasiado onerosa e demorada para ser fabricada em larga escala. Perante essa procura, em 1771, concebeu uma versão simplificada, o K2, que eliminava o complicado sistema dar corda. No entanto, mesmo com essa alteração, o resultado ainda era dispendioso e menos preciso quando comparado à excelência do original concebido por Harrison.


Em retrospetiva, é importante destacar o significado de um evento ocorrido em 1767: Neville Maskelyne presenteou John Arnold com uma cópia dos “Príncipios de Mr. Harrison's Timekeeper” assim que foi publicado, evidenciando o intuito de o incentivar a desenvolver um cronómetro semelhante, de alta precisão.


Por volta de 1770, Arnold desenvolveu um notável feito na história da cronometria: um cronómetro de precisão portátil. Esta criação aconteceu pouco depois de John Harrison ter finalizado o seu trabalho pioneiro nesse campo. No entanto, ao contrário do complexo e dispendioso relógio de Harrison, o design básico de Arnold era simples, mas consistente na precisão e com mecanismo confiável.


É digno de nota que o projeto relativamente simples e convencional do cronómetro de Arnold possibilitou a produção em grande escala a um preço razoável, além de facilitar a manutenção e o ajuste.


Três elementos primordiais foram cruciais para essa conquista:


• Escape: Um escape separado com interferência mínima no aro e na espiral;


• Balanço: Um projecto de balanço que permitia a compensação do efeito da temperatura na espiral;


• Espiral: Um método para ajustar a espiral, de modo que o equilíbrio oscile em períodos de tempo iguais, mesmo através de diferentes graus de arco do balanço.


Após criar algumas peças experimentais, Arnold produziu o que poderia ser considerado um modelo de produção para o Conselho de Longitude em março de 1771. Essa peça diferia completamente do relógio de Harrison. Embora fosse relativamente simples, possuía um tamanho comparável, com um balanço de diâmetro semelhante. No entanto, a diferença radical, residia num escape recém-projetado que apresentava um retentor articulado posicionado horizontalmente. Essa inovação permitia que o balanço se movesse livremente, exceto quando retido pela roda de escape.


Além disso, o aro do balanço incorporava um dispositivo de compensação de temperatura assemelhando-se ao balanço bimetálico de latão e aço utilizada por Harrison. Arnold propôs que cada um desses cronómetros fosse vendido por 60 guinéus.


Capitão James Cook

Como prova de qualidade, três desses cronómetros acompanharam os exploradores, Capitão James Cook e Capitão Furneaux durante a segunda viagem ao sul do Pacífico entre 1772 e 1775.


Em 1773, o capitão Constantine Phipps empreendeu uma notável expedição ao Polo Norte, durante a qual levou consigo não apenas o famoso cronómetro de bolso de Arnold, mas também um outro sofisticado cronómetro de bolso também de Arnold com caixa assente em gimbals, além ainda, do famoso cronómetro "K2" de Kendall.


Pelo relato de Phipps, é evidente que o relógio de bolso apresentou um desempenho excepcional, tornando-se uma ferramenta indispensável para determinar a longitude nas suas explorações.


Capitão Constantine Phipps

É provável que, antes de 1775, os primeiros cronómetros de bolso projetados por Arnold fossem modelos simples, com segundos centrais.


No entanto, em 1772, Arnold concluiu um projeto mais avançado de cronómetros de bolso e iniciou a produção em série com um calibre de movimento padronizado de aproximadamente 50 mm de diâmetro. Essa dimensão era maior do que a de relógios convencionais da época e o cronómetro apresentava uma notável caraterística: um escape de retenção giratório[2], juntamente com uma sofisticada compensação em espiral meio-fio[3] para uma melhor precisão.


No entanto, essa inovação não se mostrou tão eficiente quanto o esperado, o que aparentemente levou a um declínio substancial no ritmo de produção.


Durante os anos de 1772 a 1778, Arnold desenvolveu vários modelos de cronómetros de bolso. No entanto, continuava a experimentar diferentes métodos de compensação e ajuste da espiral, que era um desafio significativo. O problema mais difícil era encontrar uma maneira eficaz e ajustável de lidar com a variação de temperatura. A compensação de temperatura precisava ser incorporada no próprio balanço, em vez de atuar diretamente na espiral, devido a restrições técnicas.


Em 1775, Arnold patenteou um novo tipo de balanço com aros bimetálicos. Esses aros accionavam dois braços ponderados, movendo-os alternadamente para dentro e fora do centro, o que alterava o raio de rotação do balanço e, consequentemente, o período de oscilação.


Na mesma patente, Arnold introduziu uma inovadora mola de balanço helicoidal. Essa descoberta reduziu o impulso lateral nos pivôs durante a rotação e diminuiu os erros imprecisos causados pelo chamado “efeito do ponto de fixação”, que afeta qualquer balanço equipado com mola plana.


Numa carta concisa enviada ao Conselho de Longitude em 1782, Arnold afirmou: “… a energia em todos os ciclos da mola é uniforme”, demonstrando notável perspicácia ao reconhecer as vantagens técnicas de um balanço com esse tipo de espiral.

No período entre 1772 e 1775, Arnold fabricou cerca de trinta e cinco cronómetros de bolso, embora somente dez tenha sobrevivido, e nenhum na forma original, já que Arnold atualizava constantemente as especificações.


Inicialmente, esses cronómetros possuíam um escape articulado de retenção, um balanço de aço e uma mola de balanço helicoidal. Os cronómetros dessa série que ainda existem incluem os números 3, 28 e 29.


As experiências e invenções de Arnold resultaram num avanço significativo no final da década de 1770.



Balanço de compensação Arnold 'duplo-T', Museu Britânico. Londres

Arnold reestruturou o balanço de compensação e desenvolveu dois projetos promissores conhecidos como balanços “duplo T” e “duplo S”, conforme documentado na sua patente em 1782. Ambos utilizavam barras bimetálicas de latão e aço com pesos acrescentados, que alteravam o raio de rotação devido às mudanças de temperatura. Embora esses projetos provavelmente necessitassem de ajustes consideráveis, apresentaram um desempenho significativamente melhor em comparação com as tentativas anteriores de um balanço de compensação.


Por volta de 1777, Arnold reconfigurou o cronómetro, aumentando o seu tamanho para acomodar o novo balanço “T”, que funcionava com o escape de retenção articulado e a mola helicoidal já patenteada. O primeiro cronómetro desse padrão foi assinado com a inscrição “Invenit et Fecit” (inventar e fazer) e recebeu o número fracionário 1/36, pois representava o primeiro exemplar desse novo design.


Arnaldo nº. 36, Museu Marítimo Nacional, Greenwich
Este relógio é amplamente conhecido como ”Arnold 36 e, de facto, foi o primeiro relógio ao qual Arnold atribuiu o termo “cronómetro”, uma designação que posteriormente se popularizou e passou a abranger qualquer relógio de alta precisão.

Durante um período de treze meses, O Royal Observatory em Greenwich submeteu o “Arnold 36” a uma série de testes meticulosos. Os avaliadores colocaram-no em diferentes posições, utilizaram-no e até o transportaram. Surpreendentemente, superou todas as expectativas, demonstrando uma precisão notável.


Embora tenha apresentado um erro de cronometragem de 2 minutos e 32,2 segundos, no final dos nove meses seguintes, o erro foi reduzido a apenas um minuto. Posteriormente, o maior desvio registado num período de 24 horas foi de meros quatro segundos, o que é comparável a percorrer a distância de uma milha náutica ao longo do equador.


Arnold registou minuciosamente o ensaio e os resultados numa brochura, fornecendo testemunhos de veracidade de todos os envolvidos nos testes.


O extraordinário desempenho deste relógio gerou controvérsias, pois muitos suspeitaram que os resultados fossem um acaso ou algum tipo de fraude, especialmente devido ao fato de que Maskelyne, um dos patronos de Arnold estar envolvido nesse projeto.


Do ponto de vista técnico, o design demonstrou consistência integral e precisão excecional ao longo de períodos prolongados. Arnold, indubitavelmente, compreendeu e aplicou com mestria as lições transmitidas por Harrison, ao adoptar um magnífico balanço em conjunto com um oscilador muito rápido (18 000 alternâncias por hora) empregando pequenos pivôs. O escape concebido por Arnold, por sua vez, minimizou qualquer interferência com a delicada mola de balanço helicoidal, pois a compensação de temperatura estava incorporada no próprio balanço. Harrison havia sugerido tal abordagem como um pré-requisito, embora nunca tenha explorado essa ideia na totalidade. O escape de distensão, com pivôs, projetado por Arnold dispensava o uso de óleo nas superfícies de atuação, apresentando ainda a vantagem de manter uma taxa de operação estável por longos períodos sem degradação. Cabe notar, entretanto, que naquela época, utilizava-se o óleo vegetal e a sua degradação ocorria de maneira significativamente mais rápida em comparação aos lubrificantes minerais modernos.


Este cronómetro, com um diâmetro de 60 mm, encontra-se instalado numa caixa de ouro, onde extraordinariamente se manteve em perfeitas condições originais.


Tanto Harrison como Arnold demonstraram que a precisão de um relógio exigia um diâmetro considerável. Assim, no final do século XVIII, um relógio de grandes dimensões era considerado a principal característica de qualidade superior.


No entanto, o sucesso de Arnold ao aperfeiçoar a tecnologia do cronómetro por meio de técnicas simples, mas eficazes, também resultou na possibilidade de outros relojoeiros copiarem e utilizarem essa técnicas sem permissão. Por essa razão, Arnold decidiu retirar as suas patentes, permitindo assim que o conhecimento fosse partilhado.


Dois outros fabricantes Josiah Emery e John Brockbank, também produziram relógios de precisão usando escapes separados. Ambos eram amigos de Arnold e contavam com a habilidade altamente qualificada de Thomas Earnshaw, um exímio fabricante se escapes. Josiah Emery, com a permissão de Arnold, utilizou uma versão anterior do balanço de compensação e da mola helicoidal de balanço, juntamente com o escape de âncora destacado de Thomas Mudge e John Brockbank. Por sua vez, John Brockbank contratou Thomas Earnshaw para produzir o próprio padrão de cronómetro, porém com o seu design exclusivo para o balanço de compensação.


Mola retentora de escape de Earnshaw

Em 1780, ao fabricar esses cronómetros para Brockbank, Earnshaw introduziu uma modificação no retentor de pivôs, fixando a peça de bloqueio numa mola, eliminando assim a necessidade dos pivôs. Earnshaw afirmou que Arnold reconheceu essa nova ideia e prontamente registou a patente de 1782 para o seu próprio projeto de retenção da mola de escape.


Mola retentora de escape de Arnold

Entretanto, surgiu um acalorado debate a respeito da autoria da invenção da “mola de retenção do escape”[4], suscitando uma disputa entre Arnold e Earnshaw. Inicialmente lançado por Earnshaw e posteriormente fomentado por historiadores relojoeiros como Rupert Gould, esta discussão os tem-se arrastado ao longo dos anos. No entanto, pode-se argumentar que o embate perde a sua relevância à luz de pesquisas recentes. Novos estudos têm indicado que o sucesso de Arnold não se deve tanto ao tipo específico de mola de retenção que ele criou, mas sim aos métodos originais que desenvolveu para ajustar a mola de balanço. Arnold, habilmente manipulava a curva terminal da espiral, corrigindo erros posicionais de maneira inovadora. Por razões compreensíveis, preferiu manter esses métodos em segredo, expressando claramente preocupações acerca de possíveis plágios por parte de Earnshaw. De fato, existem registos que indicam que Arnold advertiu Earnshaw, de forma inequívoca, para que não utilizasse a sua mola de balanço helicoidal.


No entanto, um ano depois, em 1783, Earnshaw, obteve uma patente através de outro relojoeiro, Thomas Wright. Essa patente incluía o padrão de balanço de compensação integral e o mecanismo de escape de mola projetado por Earnshaw numa especificação múltipla. No entanto, em comparação com os designs de Arnold, esses mecanismos não estavam tão bem desenvolvidos e ofereciam pouca fiabilidade, especialmente o sistema de balanço, o qual necessitou de uma reformulação.


Desde então, o balanço de compensação bimetálica e o mecanismo de escape de mola desenhados por Earnshaw têm sido amplamente utilizados em cronómetros marítimos, tornando-o num dos pioneiros no desenvolvimento desses instrumentos de precisão.


Espiral helicoidal de Arnold

No entanto, devido às patentes (cada uma com duração de 14 anos) de Arnold, Earnshaw não pôde utilizar a mola de balanço helicoidal até que a patente de 1775 expirasse em 1789, e no caso da patente de 1782, até por volta de 1796. Inicialmente, os relógios fabricados por Earnshaw utilizavam apenas molas de balanço planas. No entanto, a partir de 1800, praticamente todos os cronómetros marítimos, incluindo os de Earnshaw, passaram a ser equipados com a mola helicoidal com bobinas terminais.


Arnold destacou-se como uma figura pioneira na produção de cronómetros marítimos e de bolso no decorrer do final do século XVIII, por volta de 1783. Durante um período de aproximadamente 14 ou 15 anos, produziu centenas desses relógios antes de enfrentar qualquer forma significativa de concorrência comercial. Esses fatos comprovam que autores como Gould e Sobel estavam bastante equivocados ao afirmarem a existência de rivalidade comercial entre Arnold e Earnshaw.


No que diz respeito ao legado de Arnold, pode-se afirmar que, juntamente com Jean Antoine Lépine e Abraham Louis Breguet, contribuiu significativamente para a invenção do relógio mecânico moderno. De fato, uma das invenções mais importantes, a mola de balanço "overcoil"[5], ainda é utilizada na maioria dos relógios de pulso mecânicos.


Arnold e Breguet:


Loius Philippe Joseph duque de Orleans

O relojoeiro suíço-francês Abraham Louis Breguet, teve um vínculo de amizade com o inglês John Arnold. Breguet era conhecido pelas inovações técnicas e designs elegantes. Arnold ficou impressionado com os seus relógios quando o duque de Orleans lhe mostrou um exemplar em Londres, em 1792. Arnold, de imediato, viajou para Paris e solicitou a Breguet que aceitasse o seu filho como aprendiz.


Essa colaboração entre Arnold e Breguet permitiu que este integrasse ou desenvolvesse algumas das invenções e técnicas de Arnold nos próprios relógios. Isso incluía o projeto de balanço, a mola de espiral feita de aço ou ouro, o escape de retenção de mola e a mola de balanço overcoil. Arnold também contribuiu com a disposição de um design de mostrador que Breguet incluiu nos seus relógios. Essa configuração apresentava números proporcionais e figuras que eram torneadas em ouro ou prata, e tornou-se conhecido como o clássico e distinto mostrador Breguet.


O padrão do mostrador introduzido por Arnold em 1783, com números proporcionais e de figuras desenhadas, idêntico aos mostradores de metal torneados de Breguet que surgiram por volta de 1800, foi uma contribuição significativa para o estilo e a estética desses relógios. Esses mostradores eram distintos e diferentes de outros modelos produzidos em França ou na Suíça naquela época.


Arnold também foi considerado pioneiro no conceito de “turbilhão”, provavelmente derivado às notáveis pesquisas sobre a identificação e correção de erros de posicionamento. No sistema de turbilhão, o balanço e o escape giram continuamente, minimizando os efeitos dos desequilíbrios da roda de balanço nas diferentes posições verticais. Arnold parece ter explorado essa ideia, embora tenha falecido em 1799, antes de a desenvolver mais profundamente. É sabido que Breguet criou um mecanismo de turbilhão por volta de 1795, porém reconheceu a influência de Arnold ao apresentar o seu primeiro (é provável que não tenha sido o primeiro) turbilhão em 1808 ao filho de Arnold, John Roger Arnold.


Como uma homenagem ao seu amigo Arnold, Breguet englobou o mecanismo de turbilhão num dos primeiros cronómetros de bolso de Arnold, conhecido como “Arnold No.11”. Uma inscrição comemorativa gravada neste relógio diz: “O primeiro cronómetro turbilhão de Breguet incorporado a uma das primeiras obras de Arnold. Homenagem de Breguet à reverenciada memória de Arnold, dada ao seu filho em 1808 dC.”

Arnold Nº 11 de Breguet

Este relógio é de extrema importância e possui um significado especial, de tal forma que atualmente faz parte da coleção de relógios do Museu Britânico. Na época do falecimento de Arnold em 1799, este era reconhecido como o relojoeiro mais famoso do mundo, juntamente com Abraham Louis Breguet. Arnold obteve destaque pela sua preeminência como o inventor do cronómetro de precisão.


Portanto, pode dizer-se que a amizade entre John Arnold e Abraham Louis Breguet resultou numa troca de conhecimentos e influências mútuas, que contribuíram para o desenvolvimento da relojoaria e dos designs de relógios.

John Roger Arnold

John Roger Arnold (1769 / 1843), filho de John Arnold, iniciou a sua vocação, como aprendiz ao lado do pai e de Abraham Louis Breguet. Em 1787, fundaram a empresa Arnold & Son, que permaneceu ativa até 1799. Após o falecimento do pai em 1799, John Roger assumiu os negócios e tornou-se sócio de John Dent entre 1830 e 1840. Em 1817, alcançou o posto de Mestre na prestigiada Companhia de Relojoeiros.


No entanto, após a morte de Roger 1843, a empresa foi adquirida por Charles Frodsham. Essa sucessão de eventos representa a trajetória da empresa fundada por Arnold e o filho John Roger.


Sistema de numeração dos cronómetros de bolso de John Arnold:


1. Melhor Tipo: Esta é a versão maior dos cronómetros de bolso de Arnold. A numeração começa com o nº 75. Em 1794, houve uma mudança nesta versão. A ranhura para o detentor é colocada alinhada com o mandril do retentor de energia de manutenção, semelhante às versões do “Segundo Tipo”. Apesar dessa mudança, o tamanho maior é mantido. A numeração pode ser dada com ou sem fração.


2. Segundo tipo: Estes cronómetros de bolso são menores em comparação com o “Melhor Tipo”. A numeração é dada em frações, e a diferença entre os números consecutivos é de 301. O investigador Vaudrey Mercer acredita que essa diferença indica o número total de cronómetros de bolso produzidos até o início desta nova série. O primeiro relógio desse tipo é numerado como 1/302 e foi fabricado em 1783. Os cronómetros deste tipo possuem o retentor de mola Arnold e um balanço do tipo OZ[6]. Com a inclusão de John Roger na firma em 1787, a numeração atinge 126/427, e o último número registado é 518/819 produzido em 1796.


3. Segundo Melhor Tipo: Essa versão é grande e semelhante ao “Melhor Tipo", mas não possui o mostrador de segundos. A numeração das frações difere em 1000, e apenas três relógios desse tipo são conhecidos.



John Arnold & John Roger Arnold, Londres, nº 249/550, 1793




John Arnold & John Roger Arnold, Londres, nº 249/550, 1793

Este deslumbrante relógio é uma verdadeira obra-prima de elegância e precisão. A caixa é em latão dourado, proporcionando uma aparência sofisticada e luxuosa. Está equipado com movimento fusée de placa completa (43 mm de diâmetro), mostrando a habilidade e a maestria de quem o criou.


Apresenta o galo perfurado, meticulosamente gravado com padrões intrincados, adicionando um toque de arte e design. Infelizmente, o relógio foi submetido a reparação, mas o seu encanto atemporal permanece intacto.


O balanço e escape são adornados com diamantes, símbolos de luxo e refinamento. O escape de retenção de mola tipo Arnold e a retenção habilmente posicionada numa ranhura, exibem o estilo clássico típico da época. O balanço bimetálico de Arnold (tipo OZ) está elegantemente fixado a um balanço de ouro puro, sem detalhes gravados ou adornos, proporcionando uma combinação perfeita de funcionalidade e beleza.


A mola espiral original, feita de ouro e composta por quatro voltas, apresenta curvas terminais inspiradas na genialidade de Arnold. O mostrador em esmalte original está meticulosamente decorado. O número do cronómetro foi habilmente escrito à mão no esmalte do mostrador, complementado posteriormente com ponteiros dourados, elevando ainda mais a sua elegância.


Balanço OZ de Arnold

A mola espiral de ouro foi introduzida por John Arnold para solucionar problemas encontrados nas versões de aço. As molas de aço oxidavam facilmente quando expostas à humidade do mar, além de serem suscetíveis à influência magnética. Com o intuito de superar esses desafios, Arnold introduziu a mola espiral de ouro em 1791. Além disso, também introduziu a roda de balanço de ouro pelos mesmos motivos.


Na contraplaca do relógio está gravado: “John Arnold & Son, Inv(eni)t et Fecit, Nº. 249/550”. A numeração indica que o movimento pertence ao “segundo tipo” (série 301) de cronómetros de bolso.


John Roger Arnold passou dois anos, 1792 e 1793 como aprendiz de Abraham Louis Breguet em Paris. O movimento em questão foi criado no ano em que John Roger voltou de Paris. É possível perceber a influência do estilo do seu mestre francês no formato e acabamento do "pé do tubo de poeira ao redor da praça sinuosa"[7].




Thomas Earnshaw 1749 – 1829


Thomas Earnshaw, nascido em Ashton-under-Lyne, seguiu os passos de John Arnold e simplificou ainda mais a produção de cronómetros marítimos, tornando-os acessíveis ao público em geral. Também é conhecido pelas melhorias no relógio de trânsito do Royal Greenwich Observatory em Londres, bem como pelas invenções, do escape de cronómetro e do balanço de compensação bimetálico.


Após concluir a sua aprendizagem em 1770, trabalhou como artesão de acabamento para vários relojoeiros em Londres. Em 1780, concebeu uma modificação para o “escape de destaque” em cronómetros, no qual o mecanismo de âncora de detent é montado numa mola em vez de ser montado nos pivôs. Esse escape de mola, também conhecida como “escape de tenda”[8] foi patenteada por Thomas Wright para quem Earnshaw trabalhou, em 1783. Inicialmente, o projeto era rudimentar e não obteve sucesso. No entanto, com modificações posteriores, tornou-se o padrão em cronómetros marítimos, após a invenção do escape de retenção por Pierre Le Roy em 1748. John Arnold também inventou um tipo de escape semelhante em 1782, o que gerou grandes disputas entre Arnold e Earnshaw.


Capitãi William Bligh

Em julho de 1791, o capitão William Bligh, em nome do Almirantado, adquiriu o cronómetro número 1503 de Earnshaw por 40 guinéus. Essa compra foi efetuada para uma expedição que comandaria a bordo do HMS Providence, com o objetivo de transportar plantas de fruta-pão do Taiti para as Índias Ocidentais.


Essa expedição foi a segunda tentativa de Bligh de realizar essa missão específica. A primeira expedição foi realizada a bordo do HMS Bounty, e tornou-se infame devido a um motim liderado por Fletcher Christian. Esse motim obrigou Bligh a enfrentar enormes dificuldades para regressar a Inglaterra. No entanto, a segunda expedição, foi um sucesso absoluto.


Por volta de 1796, Earnshaw, perdeu temporariamente o interesse na recompensa do Conselho de Longitude. No entanto, o fracasso de Josiah Emery em ganhá-la levou-o a reconsiderar. Earnshaw tinha uma fraca opinião sobre os cronómetros de Emery e afirmou que o seu próprio cronómetro já existente, o número 265, poderia superar o de Emery, apesar das condições desfavoráveis, como o óleo sujo resultante de uma recente viagem às Índias Ocidentais sem uma limpeza adequada.


Earnshaw comprovou facilmente a sua teoria, demonstrando que o seu cronómetro manteve uma taxa média confiável ao longo de um teste de 12 meses. No entanto, não recebeu nenhuma recompensa do Conselho de Longitude, devido ao método de avaliação que considerava apenas a tacha de erro no primeiro mês, em vez da precisão geral ao longo do tempo. Curiosamente, esse método havia sido proposto por Maskelyne, um aliado de Earnshaw.


Em junho de 1801, o navio HMS Investigator, comandado por Matthew Flinders, foi equipado com dois cronómetros de Earnshaw, o E520 e o E543, com um custo de 100 guinéus cada. Durante a primeira circum-navegação e mapeamento da costa da Austrália, o HMS Investigator também transportava dois cronómetros de Arnold.


O cronómetro, E520, foi cuidadosamente instalado numa caixa de madeira com gimbals para compensar o movimento do navio. Flinders e a sua equipa realizavam regularmente observações costeiras para verificar a precisão dos cronómetros em relação às estrelas. No final da expedição, apenas o cronómetro de Earnshaw continuava a funcionar corretamente, o que levou Flinders a descrevê-lo como um excelente cronómetro no seu livro "A Voyage to Terra Australis".


Flinders foi feito prisioneiro de guerra pelos franceses nas Ilhas Maurícias.


Em 1805, quando o capitão Aken, também prisioneiro de Guerra, foi libertado e enviado de volta a Inglaterra, Flinders confiou-lhe os cronómetros que havia usado na sua expedição, para que fossem devolvidos ao Observatório de Greenwich.


O cronómetro E520, por uma razão desconhecida, foi vendido a um colecionador australiano e, em 1937 tornou-se propriedade do Museu de Artes e Ciências Aplicadas (Powerhouse Museum) em Sydney. Somente em 1976, após uma investigação, o cronómetro foi identificado como sendo o utilizado por Flinters durante o seu percurso histórico, o que trouxe uma nova luz à história da navegação.


No ano de 1805, um reconhecimento notável foi conferido a dois brilhantes relojoeiros: Earnshaw e Arnold. O Conselho de Longitude distinguiu as suas notáveis contribuições na evolução dos cronómetros, premiando-os pelas suas realizações. Earnshaw foi agraciado com a generosa quantia de 2500 libras, enquanto John Roger Arnold, filho de John Arnold, recebeu 1672 libras em reconhecimento ao seu mérito.

A genialidade de Earnshaw reverberou de forma significativa na arte da engenharia de cronómetros. As inovações tiveram um impacto transformador ao simplificar e democratizar a construção de relógios precisos. Entre as suas notáveis realizações, o balanço de compensação bimetálico e o escape de retenção de mola, ambos concebidos por Earnshaw, conquistaram um lugar de destaque nos cronómetros marítimos, tornando-os padrões universais que perduram até hoje. Essa marcante contribuição conferiu a Earnshaw a honra de ser considerado um pioneiro na evolução dos cronómetros. O seu legado transcendeu as eras, deixando uma marca indelével na história da relojoaria e permitindo mapear o passado enquanto admiramos a precisão e a elegância dos nossos instrumentos de medição do tempo.


Entre os anos de 1831 a 1836, foi atingido um marco notável através do cronómetro número 506, que embarcou a bordo do HMS Beagle numa expedição de circunavegação global. Esta viagem épica tinha um objetivo ambicioso: estabelecer uma rede de pontos ao redor do mundo, cada um com uma longitude meticulosamente conhecida, marcando assim a primeira vez que tal façanha foi realizada. No comando do navio estava o capitão Robert FitzRoy, que mais tarde se tornaria vice-almirante e o visionário fundador do Gabinete Meteorológico.


O HMS Beagle transportava vários cronómetros, incluindo o lendário número 506, uma vez que a precisão era de suma importância para a tarefa complexa que se desenrolava. O objetivo era traçar com exatidão uma rota em volta do globo, permitindo uma compreensão precisa das longitudes geográficas.

Esta expedição icónica também marcou um ponto de partida fundamental para o próprio curso da ciência. Charles Darwin, que embarcou no Beagle, foi profundamente influenciado pela sua experiência durante a viagem. As observações que fez ao redor do mundo inspiraram-no com ideias revolucionárias sobre a evolução, culminando na sua magistral obra “A Origem das Espécies” .


O cronómetro número 506, peça essencial dessa narrativa histórica, foi imortalizado como o objeto número 91 na série “A History of the World in 100 Objects” da BBC Radio 4. Essa distinção atesta não apenas a importância desse instrumento preciso, mas também o seu papel na moldagem de eventos que transformam a nossa compreensão do mundo, da ciência e da própria evolução da vida.


Peter Torckler / Thomas Earnshaw, Londres, nº 406, 1775


Relógio em latão dourado, notável pela construção meticulosa e caraterísticas distintivas. O movimento possui um ornamentado galo de latão e placa completa com tampa, cujo diâmetro é de 38mm. Destaca-se pelo detalhe intrincado, como o galo e as placas gravadas, que adicionam um toque de elegância à estrutura.


O escape de cilindro, mantendo a inclinação original no estilo de Graham, é um exemplo impressionante de criatividade relojoeira. Composto com escape de latão de 13 dentes, a sua função é aperfeiçoada pelo balanço de aço e a mola de balanço em espiral, ambos trabalhando em harmonia para assegurar uma precisão notável na medição do tempo.


Mostrador em esmalte, uma peça autêntica assinada pelo conceituado fabricante de mostradores, William Weston, ostenta uma placa de latão com a inscrição “Earnshaw Finisher” cuidadosamente gravada na parte inferior. O detalhe sugere que este relógio pode ter sido um dos primeiros movimentos atribuídos e “acabados” por Thomas Earnshaw no início do seu percurso como relojoeiro, quando desempenhava o papel de artesão de acabamento. Um perito em acabamento devia ser um artesão habilidoso e experiente, encarregado de realizar tarefas especializadas no processo de fabrico do movimento de um relógio, preparando-o de forma precisa e detalhada para a fase seguinte de montagem. Essa tarefa inclui: ajustar as rodagens [9], fazer o acabamento do tambor, aparar os rebites nas cabeças dos carretes e facetá-los (polir), deixando o movimento pronto para o construtor do escape.


Geralmente, identificar as contribuições individuais no fabrico de relógios é uma tarefa desafiadora; poucas oficinas mantiveram registos detalhados nesse sentido. Um exemplo notável de exceção a essa norma encontra-se nos exemplares preservados no atelier de Abraham Louis Breguet. As inscrições encontradas frequentemente, gravadas nos movimentos, na verdade, estão mais relacionadas com registos de reparações do que ao processo de fabrico propriamente dito.


Relógio de Abraham Lincoln

Foi encontrada Uma mensagem de grande importância histórica no primeiro relógio de bolso de Abraham Lincoln, conferindo-lhe um significado singular. Este relógio, com movimento oriundo de Liverpool e caixa de ouro americana, encontra-se atualmente no Smithsonian, no Museu Nacional de História Americana, em Washington DC. Foi nesse intrigante artefacto que um relojoeiro autorizado deixou uma inscrição durante uma reparação efetuada em 1861, um momento crucial no início da Guerra Civil.


A descoberta dessa inscrição ocorreu recentemente, em 2009, após um membro da família de relojoeiros solicitar a remoção do mostrador. A inscrição, gravada cuidadosamente, relata: “Jonathan Dillon, 13 de abril de 1861, Washington. Graças a Deus temos um governo, Jonth Dillon.”

Neste tocante testemunho gravado no tempo, observa-se o impacto profundo que os eventos da época tiveram sobre um indivíduo, capturando os sentimentos e as circunstâncias daquele momento crucial. Uma inscrição posterior, datada de 1864 e realizada por outro relojoeiro, corrobora uma segunda reparação no relógio, atestando o seu percurso através dos anos.


Curiosamente, Abraham Lincoln nunca teve conhecimento dessas inscrições ocultas, que permaneceram como testemunhas silenciosas de uma época tumultuosa.


Peter Torckler


Peter Torckler é uma figura pouco documentada que emerge da Londres do século XVIII. Aparenta ter sido um talentoso artesão imigrante que estabeleceu um negócio em Londres, possivelmente visando capitalizar o próspero comércio de exportação com o Oriente, uma atividade sem igual em outras partes da Europa. A sua influência estendeu-se para além da construção de elaborados autómatos, abrangendo a produção de componentes complexos e o fornecimento para outros artesãos envolvidos na criação desses objetos singulares.


Nos registos comerciais londrinos entre 1780 e 1783, consta o nome de Torckler, operando a partir do endereço 9, Red Lion Street, em Clerkenwell, um núcleo vital na região relojoeira da cidade. Curiosamente, a sua oficina situava-se a apenas três portas de distância do proeminente fabricante James Upjohn, responsável pelo célebre relógio de carruagem em forma de elefante, agora em exposição no Museu do Palácio de Pequim.


Um outro autómato, orquestrado por Torckler, exibindo uma figura animalesca e simulando uma cascata com elegantes hastes de vidro torcido, encontra-se agora no Museu Hermitage do Estado em São Petersburgo. Essa adição à sua obra sugere que a incursão de Torckler nesse campo não se limitou apenas ao exemplar em questão.


Pressupões-se que o artífice por trás dessa criação seja o próprio Peter Adolph Torckler, natural de Riga. Em 1795, chegou a Calcutá, possivelmente acompanhado por Edward Torckler, provavelmente seu irmão. A ligação comercial de Torckler com a firma mercantil Howell e Torckler, em Calcutá, negociando mercadorias vindas da China, sugere que possa ter cultivado laços no Extremo Oriente, antes desse período. A sua vida chegou ao fim aos setenta e seis anos, em 1824, indicando a possibilidade da sua contribuição durante a década de 1780 em Londres.


A existência de uma discreta inscrição no verso dos mostradores esmaltados, revelando a palavra “Weston”, aponta para a possível colaboração com William Weston, cuja oficina prosperou em Greenhill's Rents, West Smithfield a partir de 1764.


O legado de Torckler ecoou através dos séculos e, em 2013, um autómato deslumbrante, em forma de elefante asiático articulado e assinado por ele, alcançou um impressionante preço de 1,4 milhões de libras num leilão na Sotheby’s. Essa valorização atesta o impacto duradouro das criações de Torckler e o seu talento em desencadear admiração e fascínio até os tempos contemporâneos.



Palmer, London, No. 314, ca. 1770



Trata-se de um requintado relógio elaborado em latão dourado, que se destaca por apresentar um movimento de fusée de placa esqueletizada e pilares redondos, caraterizado por uma placa superior de 36,0 mm e uma distância de 5,5 mm entre as placas. Uma das caraterísticas marcantes é a inclusão de um galo de pé único, perfurado e gravado, realçando ainda mais a sua beleza, e uma pedra final Granada que adiciona um toque de requinte. O disco regulador é meticulosamente confecionado em prata, acentuando a precisão desse complicado mecanismo. A placa da tampa da caixa apresenta uma complexa ornamentação, finamente perfurada e gravada, enquanto a tampa do tambor da mola real completa o conjunto com uma estética verdadeiramente sofisticada. Contudo, é importante observar que falta a corrente.


Os primeiros exemplares de relógios esqueletizados datam do início do século XVIII, embora sejam bastante raros. A introdução desse estilo é frequentemente associada a Jean Antoine Lépine, por volta de 1760, apesar de alguns registos apontarem para a existência de versões similares já no final do século XVII.


Fabricante desconhecido, Londres para o mercado holandês, No. 9001, 1787





Este relógio ostenta uma caixa de prata com marcas britânicas datadas de 1787, desprovida de pingente ou aro. Fabricado em latão dourado com movimento de fusée, cuja placa do mostrador mede 41,6 mm, com uma espessura de 7,4 mm, suportada por pilares de balaústre. Possui um galo perfurado, caraterizada por dois pés amplos num design que remete ao estilo holandês. O mostrador regulador Tompion prateado, complementa a composição. A placa traseira exibe a gravação “VIVAT WILLEM DEN 5 PRINS VAN ORANGE EN NASSAA” acompanhada da numeração “No. 9001”. O mostrador em cobre esmaltado, detalhado com algarismos arábicos, acrescenta uma dimensão estética marcante.


Este relógio foi confecionado em Inglaterra com a finalidade de ser comercializado no mercado holandês, desempenhando um papel de propaganda e enfatizando o apoio britânico ao príncipe William V. Registos também indicam a existência de outros relógios semelhantes, apresentando retratos esmaltados do próprio príncipe William V e da sua esposa Guilhermina da Prússia, diretamente sobre o mostrador.


Revolta Patriota Holandesa de 1787


Durante um período histórico, os bancos sediados na República Holandesa possuíam uma parte significativa do capital global. Além disso, os bancos patrocinados pelo governo chegaram a deter cerca de 40% da dívida nacional britânica. Essa concentração de riqueza provocou o surgimento dos Patriotas Holandeses, liderados por um nobre holandês, de baixa linhagem chamado Joan Van Der Capelen, que procuravam reduzir o poder do Stadtholder.


William V, Príncipe de Orange

William V, Príncipe de Orange (08.03.1748 - 09.04.1806).


Os patriotas, por meio da sua luta incansável, tornaram-se uma força significativa capaz de desafiar as tropas do governo. Apesar das adversidades, eles persistiram no seu objetivo e continuaram a avançar, eventualmente chamando a atenção do rei Frederico Guilherme II da Prússia, que optou por intervir militarmente na situação.

Adicionalmente, um pequeno contingente de tropas britânicas também foi enviado para reforçar as forças governamentais. Como resultado, os patriotas foram oprimidos e o príncipe William conseguiu estabelecer o controle sobre a situação com firmeza.


___________________________________________________________________________________________


Notas


[1] O anel é montado ao redor do cilindro, contendo um pequeno garfo de escape que se move para cima e para baixo enquanto o cilindro gira.


[2] O mecanismo do escape é projetado de forma a girar em torno de um eixo central. Este tipo de escape oferece certas vantagens, como redução do desgaste e melhor estabilidade.


[3] É considerada uma técnica avançada na relojoaria, pois permite que o relógio mantenha uma precisão notável em diferentes condições térmicas.


[4] É um mecanismo de escape que permite que energia armazenada na mola principal seja libertada de maneira controlada, impulsionando o movimento das rodagens e, consequentemente, os ponteiros do relógio. A mola de retenção é constituída por duas partes principais: o escape e o regulador. O escape é composto pela roda de escape, âncora e palheta. A roda de escape é uma roda dentada que interage com o mecanismo de escape, enquanto a âncora e a palheta trabalham em conjunto para libertar e controlar o fluxo de energia. Quando o relógio está totalmente carregado, a mola principal fica tencionada e armazena energia potencial. À medida que a mola de desenrola, a energia é libertada gradualmente pelo mecanismo de escape. A roda de escape gira e interage com a âncora, alternando entre “dar corda” no mecanismo e “escapar”, permitindo que a mola liberte energia de maneira controlada e mantendo o movimento constante e preciso das engrenagens.


[5] A caraterística distintiva da mola de balanço overcoil é a forma como as suas espirais estão dispostas. Em vez de serem planas e paralelas ao plano do balanço, são curvadas para cima e para baixo em forma se S. Essa curvatura em forma de S é conhecida como overcoil. Esta configuração específica permite uma distribuição mais uniforme da tensão ao longo da sua extensão. Isso ajuda a compensar os efeitos negativos causados pela gravidade e pelas variações de temperatura, resultando num desempenho mais preciso de relógio. Além disso, também oferece maior estabilidade e resistência a choques, contribuindo para a precisão e fiabilidade do relógio. Esta inovação representa um dos avanços mais importantes na história dos relógios.


[6] Não há consenso claro sobre o significado exato da terminologia “OZ” usada para descrever o balanço bimetálico de Arnold. É possível que Arnold tenha escolhido um código ou uma referência interna para identificar a sua criação. No entanto, com o balanço bimetálico tipo OZ, Arnold introduziu uma inovação engenhosa. O “OZ” pode representar as iniciais dos termos alemães “Osten e Westen” que significam leste e oeste respetivamente. O balanço bimetálico tipo OZ tem duas barras metálicas fixadas de forma a expandirem-se ou contraírem-se na direção leste-oeste.


[7] "Tubo de poeira" é uma peça que protege o eixo do balanço e a mola espiral do pó, o pé do tubo de poeira é uma pequena mola que o ajuda a fixar-se no lugar. A "praça sinuosa" é a abertura na placa principal do relógio que acomoda o balanço e outros componentes relacionados.


[8] Refere-se a um tipo específico de mecanismo de escape que utiliza um conjunto de molas e cabos para controlar a libertação de energia do sistema de corda do relógio.


[9] - O tambor: O tambor é a peça do movimento do relógio que armazena energia. Ele move-se por impulso da mola real do relógio e, por sua vez, transmite essa energia para o resto do movimento.

- Ajustar as rodas das rodagens: as rodagens são as engrenagens que transmitem a energia do tambor ao resto do movimento. Ajustar as rodas significa montar e alinhar essas engrenagens para garantir um funcionamento suave e preciso do relógio.

- Cortar os rebites na cabeça do carrete: O carrete é uma peça do movimento do relógio que transmite energia de uma roda para outra.

- Cortar as imperfeições nas cabeças do carrete é um processo que permite que o carrete se encaixe perfeitamente nas engrenagens correspondentes.

- Facetar: Facetar significa romever as arestas nas bordas das peças do movimento do relógio, como no carrete, para melhorar a sua aparência e facilitar a montagem.

- Deixar o movimento pronto para o construtor do escape: o escape é a parte do movimento do relógio que controla o movimento do balanço e, por sua vez, a medição do tempo.






131 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo