top of page

Longines, Saint-Imier | 1984 | Bronze

Atualizado: 19 de jun. de 2022

(Edição comemorativa dos 1100 anos da cidade de Saint-Imier.

Nº 165/1100)


Série: GRANDES MARCAS


 

Por: Sílvio Pereira



- Relógio de Bolso rectangular comemorativo dos 1100 anos da cidade de Saint Imier. Datado de 1984

- Funções: Horas (ponteiro único).

- Número de Série: 55144938

- Manufactura: Longines Watch Co.

- País - Suíça

- Calibre: Formato pontes clássicas. Nº L.847.4

- Protecção do movimento: Verso em vido de safira..

- Tipo de Escape: Âncora Suíça

- Balanço: Glucydur, com espiral plana

- Reserva de Marcha: 36 horas

- Frequência: 21600 A/h

- Rubis: 17

- Material da caixa: Bronze

- Mostrador: aço c/ numerais e um símbolo de um Sol no centro, em ouro, sem imperfeições

- Pequenos segundos: Não tem

- Caixa rectagular. Dimensões: 54 X 41mm

- Espessura: 6mm

- Peso: 95,38g

- A mola real é accionada através de coroa às 12 horas.

- Ponteiros: Minutos não tem. Horas em ouro. Numa extermidade em forma de flor, na outra meia lua. Accionado pela coroa.

- Numerais: Romanos em ouro.

- Vidro: Safira

- Numeração da caixa: Não tem


Apreciação geral - Relógio de edição limitada (Nº 165/1100), comemorativo dos 1100 anos da cidade Suíça de Saint-Imier sede da manufactura Longines. O mostrador é uma réplica perfeita do relógio da torre de Saint-Martin monumento icónico da cidade de Saint-Imier

De salientar que na construção deste relógio trabalharam diversos artesãos de várias áreas, todos da região de Saint-Imier, cujos nomes e áreas de intervenção constam no verso do certificado de origem


Cidade de Saint-Imier com a fábrica da Longines à direita da Imagem rodeada de longos prados que deram o nome à marca


A icónica torre de Saint-Martin com o seu característico relógio de ponteiro único reproduzido nesta edição comemorativa

 

Outros exemplares da colecção


Longines | 1870 | Prata



 

HISTÓRIA DA LONGINES


O início de tudo


A indústria relojoeira Suíça era muito diferente no início do século XIX em relação ao que é hoje. Os componentes individuais eram normalmente feitos em casas particulares na região de Jura, na Suíça. Cada família geralmente especializava-se no fabrico de um tipo de componente.


Uma vez feitos, esses componentes eram recolhidos por escritórios comerciais chamados "comptoirs", o equivalente às marcas atuais, que eram também os responsáveis ​​pela montagem e vendas. As Comptoirs redistribuiam peças por relojoeiros individuais, que trabalhavam igualmente nas suas casas, para a montagem final. Esses relógios depois de montados eram então devolvidos aos comptoirs, que os distribuíam para venda.


A este sistema chamava-se: “établissage”.


August Agassiz


A Longines foi fundada em 1832. O seu fundador Auguste Agassiz formou-se em negócios e trabalhou durante bastante tempo no setor bancário. Em 1832, ele e mais dois sócios, Henri Raiguel e Florian Morel (que eram cunhados) decidiram lançar a sua própria empresa relojoeira como sendo um comptoir na cidade de Saint-Imier. Nascia a parceria conhecida como Raiguel Jeune & Cie., que mais tarde se tornaria Longines. Pouco depois, estabeleceram sua própria fábrica para montagem final, iniciando assim o seu afastamento do modelo de comptoir.


Agassiz tinha importantes ligações comerciais na América, que de imediato se tornou um grande mercado para os relógios montados pela Comptoir Raiguel Jeune & Cie.


Eventualmente, Raiguel e Morel saíram da empresa ou reformaram-se e Agassiz assumiu o controle da comptoir.


Ernest Francillon


Entretanto, Agassiz foi forçado a reformar-se precocemente por problemas de saúde em 1850 e chamou o seu sobrinho, Ernest Francillon, em 1852 para tomar conta da empresa. Apesar de Agassiz ter permanecido como sócio até sua morte em 1877, Francillon fez inúmeras mudanças e modernizações. Em 1866, comprou um terreno ao sul de Saint-Imier e construiu uma fábrica numa área conhecida como les longines, os longos prados, de onde a empresa acabou por adoptar o seu nome em definitivo.


Fabrica da Longines em Saint-Imier na actualidade


Nesses primeiros dias da relojoaria, os movimentos típicos tinham escapes cilíndricos e a corda era enrolada com chaves. No entanto, Francillon decidiu cortar com este mecanismo arcaico de enrolamento da corda e, a partir de 1867, produziu apenas relógios com corda enrolada através da coroa.


E foi em 1867 que Francillon trouxe Jaques David para ajudar a implementar a industrialização que Francillon estava tão empenhado em perseguir. David ficou encarregado da operação da nova fábrica – os equipamentos e sistemas mecânicos.


Finalmente, 1867 foi também o ano em que a Raiguel Jeune & Cie. se tornou em definitivo Longines, em homenagem aos extensos prados onde se localizava a nova fábrica.


Em 1876, Francillon enviou uma delegação, chefiada por David, à Feira Mundial de Filadélfia, onde observaram o que a indústria relojoeira americana estava a fazer em relação aos processos industriais de fabrico. A delegação trouxe para casa inúmeras ideias que foram implementadas na nova fábrica.


Em 1880, a Longines tinha criado capacidade de produção suficiente para prescindir dos seus fornecedores de movimentos e cria-los todos internamente.


Avançando para a primeira metade do século XX, grande parte da reputação da Longines veio dos seus relógios para o sector da aviação e o seu sucesso contínuo com temporizadores desportivos. A manufactura continuou a impulsionar a sua experiência em cronógrafos para conquistas cada vez maiores.




Calibres e referências notáveis

Calibre 20A


O calibre 20A foi o primeiro movimento produzido na fábrica da Longines em 1867. Este calibre de 20 linhas foi premiado na Exposição Universal de Paris daquele ano. Apresentava um escape de âncora e um mecanismo de ajuste e enrolamento na coroa.


Calibre 20H


O calibre, o 20H foi o primeiro movimento cronógrafo da Longines, produzido em 1868. O ponteiro central dos segundos do cronógrafo era ativado – iniciado, parado e retorno a zero – através da coroa mono-pulsante.


Calibre 19.73


O calibre 19.73 apareceu em 1890. Este cronógrafo de dupla face tinha um mostrador convencional de dois registos em formato vertical na frente e um taquímetro na parte de trás. O Cal. 19.73N, com o seu perfil mais fino, apareceu em 1909. Eventualmente, este calibre foi modificado, em 1922, para um cronógrafo de fração de segundos. No início da Segunda Guerra Mundial, este design foi modificado com a utilização de uma espiral mais forte, atingindo uma frequência de 50 Hz e, portanto, capaz de medir o tempo decorrido até 1/100 de segundo.


Calibre 13ZN


1936 trouxe à luz do dia o calibre 13ZN que equipou vários cronógrafos. Foram produzidas várias versões deste calibre patenteado, algumas com contador de 30 minutos, outras com contador de 60 minutos.


Calibre 22A


O Calibre 22A foi o primeiro movimento automático produzido pela Longines, lançado em 1945.


Calibre 340 com rotor descentralizado


Em 1960 apareceu o Calibre 340, muito fino, com um rotor descentralizado no movimento de 3,45 mm de espessura. Esse facto deu início a uma família inteira de novos movimentos finos.


Ultra-quartz


Em 1969, a Longines anunciou o seu primeiro movimento de quartzo, o Ultra-Quartz, com visor analógico. A Longines afirmou que este movimento foi o primeiro quartzo pronto para produção em série. Em 1972, lançaram um relógio de display digital LCD, que consumia muito menos energia do que seus contemporâneos, os relógios LED.


Calibre L990


Em 1977, a crise do quartzo estava em pleno andamento e a Longines respondeu ao desafio com o Calibre L990. Este relógio automático superfino com apenas 2,95 mm de espessura.


Golden Leaf


Em 1979, a Longines lançou o relógio de quartzo “fino como papel”, o Golden Leaf. Este tinha um display analógico e media apenas 1,98 mm.


Longines Column-Wheel Chronograph


O Longines Column-Wheel Chronograph surgiu há alguns anos, em 2009. O seu movimento é o calibre ETA A08.231, proprietário da Longines, a que a Longines deu o nome de L688.


Relógio de ângulo horário de Lindbergh


O relógio Hour-Angle de Lindbergh apareceu em 1931. Foi baseado num modelo Longines anterior que colocou em prática os conceitos de Philip van Horn Weems para um relógio com o objectivo de simplificar a navegação.


O relógio Weems


O relógio Weems apareceu em 1927, o mesmo ano em que Lindbergh voou sozinho através do Atlântico. A sua característica significativa era possuir um mostrador central giratório controlado com uma segunda coroa às quatro horas. O mostrador foi marcado em 60 divisões iguais para sincronizar os segundos em execução com um sinal de tempo de rádio transmitido.


O relógio Lindbergh


Lindbergh aproveitou o que aprendeu naquele voo transatlântico, combinou alguns dos conceitos de Weems com novos recursos e sugeriu o novo relógio à Longines. Este relógio tinha 47,5 mm de diâmetro, e o mostrador central de segundos e a luneta giravam calibrados em graus angulares. O relógio foi usado em conjunto com um sextante e um guia náutico para calcular a longitude.


Versões modernas do relógio Weems Second-Setting e do relógio Lindbergh Hour-Angle estão disponíveis hoje. Ambos estão equipados com o calibre Longines L699 e ambos medem os 47,5 mm historicamente corretos.


Participação em eventos desportivos


O já mencionado Calibre 19.73, que foi lançado em 1890, foi muito da base para o envolvimento da Longines em desportos de competição. Este calibre foi modificado para um cronógrafo de fração de segundo em 1922 e, eventualmente, foi capaz de medir o tempo decorrido até 1/100 de segundo com a ajuda de uma espiral mais potente.


Em 1938, os engenheiros da Longines produziam um enorme movimento cronógrafo de 24 linhas (54,14 mm) a ser usado especificamente para eventos desportivos. O princípio era: maior movimento, maior precisão. Várias versões deste calibre vieram a ser produzidas, incluindo uma cujo balanço oscilava em torno dos 50 Hz, permitindo cronometragem de 1/100 de segundo . Este temporizador foi produzido na década de 1970, então competindo com sucesso com temporizadores de quartzo.


Chronocinégines


Embora a Longines tenha desenvolvido o sistema de foto-finish baseado em quartzo, intitulado “chronocinégines”, em 1954, os responsáveis desportivos estavam mais inclinados em confiar nos temporizadores mecânicos.

Calibre 260


Assim, os engenheiros da Longines continuaram a desenvolver o cronógrafo de fração de segundo durante a década de 1950. o resultado foi o calibre 260. O ponteiro dos segundos do cronógrafo circulava o mostrador em 30 segundos, em vez de 60, o que facilitou a capacidade do calibre de cronometrar eventos a 1/10 de segundo .

Hoje em dia, a Longines é conhecida por ser o cronometrista oficial de vários eventos equestres, corridas de cavalos, tênis e ginástica. Estes incluem a Tríplice Coroa dos Estados Unidos e torneios de ténis como o Aberto da França.


Longevidade do logotipo


O logotipo da ampulheta alada Longines está presente, de uma forma ou de outra, desde 1867. A versão atual ao estilo Art Deco entrou em vigor em 1942.


O nome da marca Longines foi registado no Notário Federal de Propriedade Intelectual da Suíça em 1880. O logotipo foi registado no mesmo Notário em 1889.


Logotipos da marca ao longo dos anos


O nome da marca e o logótipo foram arquivados no United International Bureaux for the Protection of Intellectual Property (que se tornaria a World Intellectual Property Organization) em 1893.


Em suma, isso faz da Longines a marca mais antiga registrada na OMPI ainda hoje em actividade.


Relação com a ETA


Devido à sua história, a fama da Longines foi evoluindo com o desenvolvimento de movimentos especializados. Em 1971, a Longines foi comprada pela ASUAG, uma das empresas que se fundiram para se tornar a SMH e, posteriormente, o Grupo Swatch.


Após a aquisição pela ASUAG, e posterior fusão da ASUAG com a SSIH, o fabrico de movimentos para o novo conglomerado foi transferida para a Ebauches SA e depois para a ETA SA quando as duas se fundiram. No entanto, a Longines continuou a produzir movimentos in house e o resultado foi a produção de vários movimentos próprios da Longines ao longo dos anos. Atualmente, existem quatro em produção, incluindo o A08.231 mencionado acima, com o maior tempo de espera para a sua aquisição.


Versões Atuais



Conquest Classic


Os notáveis lançamentos atuais ​​incluem a coleção Conquest Classic e os modelos Avigation Oversize Crown. Os cronógrafos Conquest Classic usam o movimento L688 e remontam aos dias anteriores dos relógios de estilo clássico.


Avigation Oversize Crown


Os modelos Avigation Oversize Crown têm um estilo muito semelhante ao dos relógios piloto dos anos 40. Existem três versões, um modelo de três ponteiros, um modelo GMT e um cronógrafo mono-pulsante de dois registos. O Chrono abriga o movimento L788, que também é usado no Avigation Watch tipo A-7 de design clássico.



Avigation tipo A-7


O Avigation tipo A-7 apresenta um mostrador virado para uma orientação de 45 graus com as asas e com o mono-pulsador/coroa nas 12:00h. Isto permite que o utilizador tenha uma melhor visão do relógio sem tirar a mão do volante, manche ou outros controles do veículo que esteja a pilotar.


O futuro


O futuro a curto prazo da Longines é a consolidação da sua posição no Swatch Group, que neste momento se encontra de ótima saúde, com novos modelos fabulosos. Um indicador dessa saúde é o facto de terem continuado a crescer durante a situação económica que tem assolado o mundo nos últimos anos. A Ásia e os EUA continuam a ser mercados fortes, e parece que vamos ouvir o nome Longines durante bastante mais tempo.


Heritage Conquest













83 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page