top of page

AMIDA DIGITREND!



Fundada em Grenchen durante os anos 1920, a Amida especializou-se na produção de relógios acessíveis do tipo Roskopf. Contudo, o modelo que mais notoriedade trouxe à marca foi, sem dúvida, o Amida Digitrend, um relógio singular que é um verdadeiro produto dos anos 70. Lançado em 1976, este relógio futurista para condutores destacava-se pela ausência de um mostrador convencional, optando antes por uma inovadora exibição digital lateral do tempo.


A sua concepção visava eliminar a necessidade de virar o pulso para consultar a hora, uma vantagem particularmente apreciada durante a condução.

Este mecanismo baseava-se num prisma que provocava uma refracção e invertiam a luz, conhecido pela sigla LRD, de Light Reflecting Display (numa tradução literal), proporcionando aos dígitos uma aparência e legibilidade similares às dos mostradores LED. O seu mecanismo operava horizontalmente, contudo o prisma refletia os discos de horas e minutos para que fossem lidos numa posição vertical.


Novo Amida Digitrend com Light Reflecting Display
Novo Amida Digitrend com demonstração do Light Reflecting Display

Equipado com um movimento mecânico de corda manual com 1 rubi, este modelo de 39,8 mm representava uma alternativa mecânica acessível face aos contemporâneos e inovadores relógios LED, como o Girard-Perregaux Casquette, o Bulova Computron ou o Mido Swissonic, todos introduzidos na mesma época. Importa ainda salientar que a primeira solicitação de patente por Zeno Hurt, o inventor, data de 1973, enquanto o movimento de horas saltantes com minuto deslizante (sem o conceito de exibição através de prisma) foi desenvolvido e patenteado alguns anos antes.



Mostrador do Amida Digitrend
Mostrador do Amida Digitrend

O Digitrend obteve sucesso suficiente para se afirmar na história do design de relógios, mas a Amida não conseguiu sobreviver à crise dos relógios de quartzo e acabou por declarar falência em 1979. É justo reconhecer que Max Büsser e a MB&F tiveram um papel crucial ao destacar o Amida Digitrend, servindo de inspiração para os modelos HM5, HMX e HM8.



O REGRESSO DO AMIDA DIGITREND


Cinquenta anos volvidos, e com o design dos anos 70 de novo em voga, o regresso do Amida Digitrend é orquestrado por um trio dinâmico. Matthieu Allègre, um designer de relógios que colaborou com alguns dos maiores nomes da indústria. Clément Meynier, um entusiasta de relógios e empreendedor, fundador da Koppo e da Depancel. Bruno Herbet, um engenheiro experiente em movimentos de relógios.



Novo Amida Digitrend
Novo Amida Digitrend


Um relógio suíço com linhas futuristas inspiradas nos designs de carros desportivos da época, um híbrido antes do seu tempo ao combinar um movimento mecânico e um mostrador original estilo LED.


A marca suíça, pioneira no design dos relógios digitais mais inovadores dos anos 70, marca o seu grandioso retorno hoje, 30 de abril de 2024.

Um tributo a uma década mágica, um brinde a um futuro não constrangido por ditames criativos, onde a 'Era Espacial', entusiasmo ilimitado e estética disruptiva estão entrelaçados. O icónico relógio de condutor DIGITREND, com o seu estilo retro-futurista, renasce com acabamentos mais refinados, um movimento automático equipado com um módulo de horas saltantes, um prisma de safira, e uma leitura ‘digital’ clara e precisa.


Vista de perfil do Amida Digitrend
Vista de perfil do Amida Digitrend

A forma? No mínimo, invulgar. Uma peça vintage com um toque moderno!

Passaram quase cinquenta anos desde que o AMIDA Digitrend foi lançado na Baselworld em 1976. Icónico desde o início, simbolizava a audácia de uma geração inteira e inspirou a relojoaria independente desde os anos 2000 até hoje.


Na véspera do 50º aniversário da AMIDA, dois jovens empreendedores da indústria relojoeira (o designer de relógios Matthieu Allègre e Clément Meynier, fundador da Depancel), estão a abrir um novo capítulo para a marca com a reedição do seu modelo emblemático.


Amida Digitrend - Edição Descolagem
Amida Digitrend - Edição Descolagem

Esta primeira série de colecionadores, a “Edição de Descolagem", estará disponível para um período muito limitado de pré-encomenda a partir de 28 de maio de 2024.


“Juntos, podemos ir mais longe” - entusiastas de relógios por todo o espectro poderão redescobrir graças a uma estratégia de distribuição híbrida que combina comércio eletrónico e distribuição selectiva através de alguns retalhistas escolhidos. Os co-fundadores estão programados para se encontrar com entusiastas durante um roadshow em Maio de 2024, que começará nos EUA, fará paragens na Ásia e concluirá no Médio Oriente.


Feitos nos Anos 70


Visão futurista nos anos 70 pelos arquitectos suíços Pascal Hausermann e Claud Costy (1971)

Os sonhos são projetados para o futuro.


As décadas de 60 e 70 exemplificaram isso como nenhuma outra época. Então, o imaginável estendia-se além do horizonte; o presente estava infundido com o gosto do amanhã. O mundo estava a entrar numa nova era, saltando em direção à modernidade. No meio de uma sociedade em fluxo, sustentada por um futuro pintado em traços idealistas, a criatividade estava efervescente em todo o lado. Esta renovação completa também manifestou uma nova busca por significado. “Novas necessidades precisam de novas técnicas. E os artistas modernos encontraram novas formas e novos meios de fazer suas declarações... o pintor moderno não pode expressar esta era, o avião, a bomba atómica, o rádio, nas formas antigas do Renascimento ou de qualquer outra cultura passada,” já observara o visionário pintor Jackson Pollock em 1951. Uma coisa era certa: nada permaneceria como estava. A criatividade estava agora totalmente capacitada pela tecnologia. As possibilidades da computação e da eletrónica já não eram apenas sonhos utópicos.



Progresso para Todos


Durante esta era extraordinária, grandes invenções aceleraram o ritmo do progresso em vários campos, carregando a promessa de um futuro acessível e partilhado por todos. As mudanças positivas não se confinariam a poucos selecionados; estavam prontas para transformar a vida diária de milhões. Ousadia e liberdade estavam no ar, iluminando o mundo. O LED (díodo emissor de luz) surgiu em 1962, seguido pelos primeiros mostradores de cristal líquido em 1964. A aviação civil, que havia começado a desenvolver-se apenas décadas antes com empresas como a TWA (fundada por ninguém menos que Howard Hughes) e o icónico Lockheed Constellation (que também serviu a Pan Am), já estava voando alto na era dos jactos, marcando um marco incrível com o primeiro voo do Concorde em março de 1969. Este período também testemunhou o surgimento de materiais sintéticos, criando novas possibilidades – e liberdades – em inúmeros campos para milhões de utilizadores. Tome-se como exemplo o Kevlar, uma fibra sintética com propriedades excepcionais que encontrou uso em tudo, desde naves espaciais até utensílios de cozinha. As décadas de 60 e 70 foram fundamentais na evolução da ciência e tecnologia, inaugurando inúmeras inovações.



A Promessa de um Mundo Mais Belo


As décadas de 60 e 70 destacam-se na sociedade moderna não apenas pelo seu impacto, mas também porque representavam uma promessa: um compromisso generoso baseado na ideia de partilhar progresso para o benefício de todos. Os desenvolvimentos desdobraram-se rapidamente. Em 1967, o Professor Christiaan Barnard realizou o primeiro transplante de coração humano. Nesse mesmo ano, mais de 50% das famílias possuíam um aparelho de televisão, e a tecnologia estava rapidamente a transitar para a cor. Em 1969, a introdução de relógios de quartzo revolucionou a indústria relojoeira. Nesse mesmo ano, em 21 de Julho, a humanidade deu os primeiros passos na Lua, abrindo uma nova fronteira. As possibilidades pareciam infinitas.



O Céu Já Não Era o Limite


Essa promessa de possibilidades infinitas espalhou-se por todos os domínios do design, definindo uma nova estética futurista. Com o lançamento do primeiro romance de Frank Herbert, Dune, publicado em 1965 – uma épica futurista de incrível alcance e presciência — a ficção científica recebeu um impulso tremendo, não apenas nos filmes. Os designers de moda foram rápidos em abraçar este tema inspirador também. Pioneiros como André Courrèges e Paco Rabanne lideraram o caminho. “A peça de roupa que prefiro é a que invento para uma vida que ainda não existe, o mundo de amanhã,” exclamou Pierre Cardin.



Quando os Carros Tinham Asas


O automóvel também passou por uma transformação tão radical quanto imaginativa durante as décadas de 1950 e 60, inspirada pelo fascínio das viagens espaciais e pelos avanços tecnológicos. Não apenas a aerodinâmica desempenhou um papel crucial, mas também os recursos de segurança evoluíram significativamente. Os carros adoptaram designs futuristas e aerodinâmicos, completos com barbatanas em forma de asa – um testemunho do fascínio da época pela aviação. Nas suas exposições Motorama, a General Motors revelou os seus carros conceito movidos a turbina ‘Firebird’.

A série BAT (Berlina Aerodinamica Tecnica) da Alfa Romeo, iniciada em 1952 sob Nuccio Bertone, levou o design aerodinâmico ainda mais longe, marcando uma abordagem revolucionária ao design automóvel.

O já lendário designer de automóveis confiou o Projeto BAT 5 a um dos seus colaboradores jovens mais promissores, Franco Scaglione. Revelado no Salão Automóvel de Turim de 1953, o conceito levantou ondas visto alcansar velocidades de até 200 km/h. Este design não era apenas uma declaração estética; demonstrava que a beleza podia alinhar-se com a eficiência, pois alcançar tal velocidade com um motor de 90 cavalos era uma façanha significativa na época.



Inventando as Formas do Futuro


Na década seguinte, Bertone virou-se para outro designer jovem talentoso, Marcello Gandini, que definiu o fascínio do futuro com criações como o Alfa Romeo Carabo (1968) e o Lancia Sibilo (1978), pavimentando o caminho para modelos icónicos como o Lamborghini Countach e o Lancia Stratos. A era foi marcada por carros conceito incrivelmente imaginativos: o Ferrari 512S Modulo (1970) e o Maserati Boomerang (1972) são apenas dois exemplos que mostram a criatividade futurista desenfreada, comparável a projectar naves espaciais para a estrada aberta – ou transformá-las em submarinos, como o famoso Lotus Esprit ‘Wet Nellie’ que roubou o protagonismo de James Bond em ‘The Spy Who Loved Me’.



O Futuro é Agora!


O mundo estava no meio da Era Espacial. Uma das manifestações mais significativas do entusiasmo generalizado pela promessa que o futuro reservava tomou forma na ousada arquitetura da época. O terminal principal do Aeroporto Internacional de Los Angeles, inaugurado em 1961, assemelhava-se a uma estrutura apta para a vida noutro planeta com a sua forma curva, cápsula-like e pernas altas e finas. O afastamento estético dos princípios tradicionais foi radical.


Se a tecnologia e o design também se tornaram inextricavelmente ligados em todos os aspectos da vida quotidiana, isso era mais óbvio na decoração de interiores, desde hotéis e centros comerciais até escritórios e casas. Entre as realizações mais notáveis estão as criações de assinatura de Matti Suuronen, John Lautner, Eero Saarinen e Charles e Ray Eames.



Uma Nova Visão de Design


Uma conexão orgânica emerge entre objetos e seus utilizadores. A criação de Verner Panton, a ‘Panton Chair’, representa um momento crucial na história do design como a primeira cadeira de plástico produzida em massa de forma única. Ela incorpora o conceito de uniformidade em forma e material. A linguagem visual desta era, caracterizada por materiais flexíveis, modulares e ergonómicos, espelha uma modernidade que é ao mesmo tempo transformada e transcendente, adaptando-se a mudanças sociais e estilos de vida em evolução.



1976 – Um Ano de Mudanças Tectónicas



De várias formas, 1976 destaca-se como um ponto de viragem. Abba lidera as tabelas com Money, Money Money; Rocky domina as telas de cinema globais. Este ano testemunha mudanças significativas, incluindo a transformação profunda do sistema económico global pós-Acordos da Jamaica,levando à desmonetização do ouro e aos direitos de moeda flutuante para todas as nações, divergindo do sistema de Bretton Woods estabelecido em 1944. O Apple I, criado por Steve Wozniak e Steve Jobs, inaugura a era da computação pessoal. Entretanto, os módulos de aterragem Viking 1 e Viking 2 expandem as fronteiras da exploração espacial ao aterrarem em Marte, o primeiro e-mail bem-sucedido é enviado e o VHS emerge como o padrão de formato de fita de vídeo.



A Revolução AMIDA

No mesmo ano, 1976, um relógio inovador, a marca suíça de relojoaria AMIDA revela o Digitrend na Feira de Basileia - causando sensação.

Flashback:


É 24 de abril de 1976, e ao aproximar-se do Stand 603 no Pavilhão, um objeto surpreendente, andrógino e neutro em termos de género, capta imediatamente a atenção. Não há mostrador. No seu lugar, um ecrã de visualização sob um cristal, evocando o painel de um carro desportivo ou os controlos de uma nave espacial. A caixa é tudo menos convencional. Rompendo com o formalismo habitual, estruturada e ousada, imita as linhas aerodinâmicas de um carro de corrida. O design ergonómico envolve-se naturalmente ao redor do pulso. Com sua carcaça de metal cromado e pulseira larga correspondente, é uma partida ousada da norma, fundindo forma com função futurista.


Visualmente inconfundível e com proporções não convencionais com uma largura de 39,8 mm, o relógio assenta perfeitamente no pulso. O seu visor vertical, apreciado pelos condutores pois permitia ler a hora facilmente sem tirar a mão do volante, posicionou-o como um relógio essencial onde ‘a forma segue a função’. Perfeito também para astronautas.



Feito nos Anos 70


Desafiando expectativas, o Digitrend não depende dos então populares movimentos elétricos ou de quartzo, nem o seu visor provém da tecnologia LED ou LCD (ecrã de cristal líquido). Encarnando as melhores práticas da relojoaria suíça, o Digitrend apresenta um movimento mecânico de corda manual, exibindo uma mistura de artesanato tradicional e design moderno.


Inicialmente estabelecida em Grenchen em 1925 por Joseph Zwahlen e posteriormente realocada para Montreux por Ernest Triebold em 1949, a AMIDA tem evoluído continuamente. Desde o início, a marca distinguiu-se por abraçar a modernidade e alinhar-se com tendências contemporâneas, adoptando movimentos com escape cavilhas visível de tipo ‘Roskopf’ para acessibilidade e competitividade até o início dos anos 70. Esta abordagem permitiu que a AMIDA mantivesse relevância e apelo através dos tempos.



Horas Saltantes e Ilusão Óptica



@IPR Amida Digitrend - anos 70
@IPR - Amida Digitrend - anos 70

Para o seu espetacular modelo Digitrend, a AMIDA optou por dois tipos de movimento: um movimento de âncora visível (1 rubi) e um movimento de âncora de cavilhas (17 rubis), que juntos permitiram um disco de hora saltante e um disco de minutos deslizante (Patente Nº 3,685,283 arquivada em 13 de novembro de 1970 por Joseph Bamat de La-Tour-de-Peilz, na Suíça; o mesmo número de patente que aparece na parte de trás dos relógios Digitrend). Não há visor luminoso ou electrónico.


Então, qual é o segredo?


A ideia da AMIDA é mais do que engenhosa. A leitura é na verdade um efeito óptico criado por um cristal em forma de prisma – pense num periscópio de submarino. O movimento opera horizontalmente, mas a ‘imagem’ dos discos de hora e minutos é projetada verticalmente. A AMIDA chamou ao seu sistema LRD, que se traduz por: Ecrã Reflexivo de Luz, patenteado sob o Nº 3,786,626 em 5 de abril de 1973, pelo seu inventor, Zeno Hurt, de Molhin, Suíça, em nome de Robert Triebold. Uma proposta notável e singular e que faz do Digitrend um relógio verdadeiramente ‘extraordinário’.


Um Sucesso Inspirador


@IPR Amida Digitrend - anos 70
@IPR - Amida Digitrend - anos 70

O AMIDA Digitrend destacou-se como um relógio perfeitamente alinhado com a sua época, alcançando rapidamente sucesso. Apesar da concorrência de outros relógios futuristas eletronicamente alimentados e em forma de cápsula, o movimento mecânico do Digitrend ajudou-o a tornar-se um dos relógios de "exibição digital" mais icónicos. Esta fusão de mecânica tradicional com um design inovador sublinhou o seu apelo único na indústria relojoeira.


Embora a AMIDA tenha falido em 1979, o icónico Digitrend perdurou, sendo uma fonte de inspiração para relojoeiros independentes desde a década de 2010 em diante.

Este relógio resistiu ao teste do tempo como uma peça atemporal admirada e cobiçada por entusiastas e colecionadores.


2024: Digitrend ‘Edição de Descolagem’ – O Relógio Moderno para os Tempos Modernos

De volta ao futuro. 2024 marca o grande retorno do Digitrend da AMIDA: reimaginado, refinado, modernizado e aperfeiçoado pelo profundo compromisso do entusiasta Matthieu Allègre, seu parceiro Clément Meynier, e o talentoso engenheiro horológico Bruno Herbet.


Uma Equipa de Sonho nos Comandos


Após aprimorar suas habilidades em agências de design por toda a Suíça e trabalhar na Piaget, Matthieu Allègre embarcou na sua jornada empreendedora aos 27 anos, no ano de 2015, ansioso por explorar seu potencial criativo completo. Em apenas uma década, Allègre colaborou com mais de cinquenta marcas, incluindo casas prestigiosas como Louis Vuitton, Chopard, Jacob & Co e Corum, demonstrando seu impacto significativo na indústria de design de relógios.


Recentemente, ele contribuiu para a criação do Chronomètre Artisans ao lado de Simon Brette, uma estrela em ascensão na relojoaria independente, que foi notavelmente reconhecido no GPHG 2023.


No seu escritório em Genebra, Allègre coordena e desenha os relógios para Lyrique, uma iniciativa liderada por Bill Sanders que reúne uma centena de colecionadores em torno de um calibre Agenhor, alojado numa caixa feita por Voutilainen & Cattin SA. Este projeto alcançou status prestigioso entre os entusiastas da Alta Relojoaria. Clément Meynier enriquece a equipe com seu empreendedorismo visionário. Como fundador da KOPPO e Depancel, e um amante de automóveis e design, a sua experiência em distribuição e estratégia é inestimável:


"Como empreendedor no mundo da relojoaria, é uma oportunidade incrível para mim poder relançar uma marca histórica e pioneira – e uma das primeiras a ter esta visão de um relógio, não como um mero objeto funcional, mas como um objeto de arte e design mecânico. Além disso, a AMIDA inspirou a visão daqueles que me fizeram apaixonar pela relojoaria, nomeadamente MB&F e Urwerk." Matthieu Allègre

Bruno Herbet é o terceiro talento chave por trás do ressurgimento da AMIDA, enfrentando os desafios técnicos do projeto. Como engenheiro especializado em relojoaria micro-mecânica e relojoeiro experiente no Vallée de Joux, o berço da relojoaria suíça, Herbet tem um currículo impressionante com marcas prestigiosas como Jaeger-LeCoultre e Vacheron Constantin. Ele também foi director técnico da Orkos, uma marca vibrante e nova, trazendo uma riqueza de experiência para a revitalização da AMIDA.



A Incrível História de um Renascimento



Além de uma paixão compartilhada por relógios, o que levou Matthieu Allègre e seus parceiros a fazer renascer a marca AMIDA? A história deles é verdadeiramente notável. Começou em 2015. Um amigo de Allègre acabara de adquirir quarenta relógios AMIDA Digitrend novos em folha num leilão. Quando teve um nas suas mãos, foi uma revelação para o entusiasta de relógios e design.


“Descobri a AMIDA como marca através de um amigo há quase 10 anos. Apaixonei-me imediatamente pelo Digitrend e pelo seu estilo retro-futurista disruptivo. Depois, como designer, comecei imediatamente a pensar na variedade de possibilidades que este relógio poderia oferecer, em termos de estilo, mas acima de tudo em termos da ligação óbvia com o mundo automóvel. Isso foi mesmo antes de me aperceber que já tinha inspirado outras marcas independentes. Mais tarde, à medida que explorava a história da marca, fui de descoberta em descoberta, encantando-me com cada pista como um investigador. Até se tornar uma obsessão,” Matthieu Allègre

Um aspeto que ressoou com Allègre foi a forte identidade do relógio. Não apenas pela sua história, que corre paralela ao surgimento dos relógios digitais de quartzo, e pela rica narrativa que apresenta. Esteticamente, também possui uma personalidade distinta que encapsula uma era, evocando uma multiplicidade de referências técnicas e socioculturais. E tecnicamente, o seu sistema de exibição original demonstra engenhosidade. Foi tudo o que precisou para despertar a ambição do designer de relógios de lançar um novo projeto. Por um tempo, ele até contemplou criar uma nova marca do zero.



Rumo a Novos Horizontes


Uma coisa é certa: para Matthieu Allègre, este relógio algo esquecido – e injustamente – foi uma descoberta fortuita. Tirando inspiração da sua estética espacial e dos laços intrínsecos com o design automóvel, a construção da caixa do Digitrend espelha a de uma carroçaria de um carro desportivo. Isso levou Allègre a embarcar num projeto inicial que misturava as características do relógio com o universo de marca de um famoso fabricante britânico de carros desportivos, e a abordar uma importante marca suíça de relojoaria para colocar a ideia em prática. Quando a colaboração não se materializou, Allègre decidiu, em 2022, relançar a marca por conta própria, aventurando-se em território desconhecido para ele. Unindo energias com a sua paixão contagiante, Allègre, um perfeccionista determinado, reuniu todos os intervenientes para resolver os obstáculos legais, abrindo caminho para o ressurgimento da AMIDA. Em 2020, o engenheiro e relojoeiro Bruno Herbet, que trabalhara anteriormente nas oficinas de Daniel Roth e Gérald Genta, juntou-se à empresa. Pouco depois, foi seguido por Clément Meynier, um aficionado por relojoaria com um diploma do prestigiado instituto de engenharia e pesquisa Arts et Métiers de Paris, que entretanto tinha fundado a KOPPO e a Depancel. As diversas forças do trio coalesceram naturalmente no projeto de renascimento deste relógio distintivo – e um novo capítulo começou a desdobrar-se.


Melhor do que um relógio de ferramenta, um relógio 'cool'

- para as novas aventuras do século XXI -




Embora não tivesse que começar do zero, Matthieu Allègre reconheceu o valor de alinhar o relógio com o nosso tempo. Enquanto preserva a essência do modelo apresentado pela primeira vez em 1976, a nova ‘Edição de Descolagem’ do AMIDA Digitrend apresenta várias melhorias. A caixa estilo carroçaria, maquinada a partir de um bloco de aço inoxidável 316L, viu os seus contornos refinados para uma estética mais elegante e acabamentos melhorados, realçando o seu perfil fluido. A caixa subtilmente redesenhada, resistente à água até 50 metros, agora possui um fundo aberto, revelando o órgão regulador do movimento mecânico automático – o calibre Newton, moderno e confiável da Soprod (23 jóias), que bate a 28800 alternâncias por hora, 4 Hz, e oferece 44 horas de reserva de energia.



Apresentando um módulo desenvolvido internamente com uma construção única de disco duplo de apenas 9 componentes, funcionando tanto como placa quanto como anel de caixa, este movimento moderno – com as tolerâncias mais apertadas – incorpora horas saltantes para uma eficiência e precisão excepcionais. Estas melhorias técnicas são amplificadas por refinamentos estéticos, como a janela de minutos redesenhada e a tipografia completamente refeita – fiel aos dígitos laranja originais emblemáticos dos anos 70. O logótipo, assinado pelo designer gráfico Johann Terrettaz, cujos com trabalho na Urwerk e Akrivia, também deu um salto no tempo. A pulseira flexível e sensual, combinando pele de bezerro e Alcantara, complementa a presença marcante do relógio.




Amida Digitrend anos 70 à esquerda @IPR e Amida Digitrend 2024 à direita


Pré-Encomendas Online 1Limitadas


Optar pelo AMIDA Digitrend é uma declaração de individualidade. Para adquirir a nova ‘Edição de Descolagem’ do AMIDA Digitrend, os entusiastas devem agir rapidamente durante a janela exclusiva de pré-encomenda a partir de 28 de Maio de 2024. Embora não haja limite para a quantidade de relógios, o curto período de pré-encomenda online está definido e é exclusivo para o site da AMIDA. As entregas estão programadas para Outubro de 2024.



Abordagem de Distribuição Híbrida


Como outra característica original, a AMIDA introduz um método de distribuição híbrida inovador. Estará disponível para comércio eletrónico no site da AMIDA, bem como através de um punhado de embaixadores escolhidos entre os retalhistas mais selectos e exigentes. Estes parceiros estão na vanguarda, dinamizando o mercado e apoiando novas criações, seja pela sua complexidade técnica ou design único, através da sua independência, experiência e estatuto. Estas relações especiais pavimentarão o caminho para colaborações únicas e personalizadas. Enquanto isso, a plataforma online da marca garantirá uma experiência de compra ágil e sem problemas, beneficiando da flexibilidade do seu modelo de distribuição omnicanal exclusivo.


Em última análise, escolher um AMIDA Digitrend significa juntar-se a uma comunidade especial de entusiastas. Significa embarcar numa jornada como membro fundador de um clube informal e moderno dedicado a fazer renascer este modelo lendário. Os compradores iniciais da ‘Edição de Descolagem’ serão feitos Membros Oficiais da Tripulação da AMIDA, marcando o seu papel integral no coração do projeto.



 

AMIDA

Pioneira em relógios 'cool' desde 1976



ESPECIFICAÇÕES AMIDA Digitrend Edição de Descolagem


MOVIMENTO: Calibre Soprod NEWTON P092, corda mecânica automática, suíço,

Módulo auxiliar Disco de hora saltitante desenvolvido internamente com 9 componentes mecânicos e 6 parafusos


Rubis: 23 rubis


Frequência: 28 800 alternâncias por hora (4 Hz)


Reserva de energia: 44 horas


Espessura Movimento: 4,6 mm

Módulo auxiliar: 2 mm


Acabamentos:

  • Côtes de Genève,

  • Jacto de areia,

  • massa oscilante esqueletizada

  • rodinado


Indicações: Discos duplos, para horas e minutos, respectivamente (em tradução literal: "LRD – Ecrã Reflexivo de Luz")


Material da Caixa: Aço inoxidável 316L, acetinado e polido


Dimensões Largura: 39 mm / Comprimento: 36 mm / Altura: 15,6 mm


Cristal Prisma: com capacidade de refracção, de safira


Resistência à água: 5 ATM (50 metros)


Pulseira e Fivela: Alcântara carvão forrada em pele de bezerro laranja Largura da asa: 22 mm Fivela de aço inoxidável, 18 mm


Peso: 110 gramas


Preço: CHF 2’900.- (sem IVA)



 

Partilhe a sua opinião nos comentários!

109 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
bottom of page